Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

domingo, 3 de junho de 2012

8ª proposta do PPS é lançada, mas oposição não sai do lugar em Heliópolis!


Se você encontrar alguém da oposição em Heliópolis e perguntar sobre como andam as negociações, ele ou ela estará programado para dizer que tudo anda bem. Não acredite. Nada está bem. A oposição em Heliópolis é um conjunto de sorrisos, todos esperando apoio e sem querer dar apoio a ninguém. Desta feita a reunião foi na casa de Ildinho Fonseca, esposo da ex-vice-prefeita de Heliópolis Santaninha, ocorrida neste Domingo (03). Como sempre, tudo começou com uma boa cerveja e conversas supostamente pouco interessadas. Da cozinha vinha o cheiro do inconfundível tempero articulado por Santaninha, Leila (esposa de Beto), Ivone e outras abençoadas. A proposta desta nova reunião foi não discutir política. Era apenas um encontro de confraternização para mostrar união do grupo. Pura Balela!
Saiu de tudo: Mensalão, Greve dos Professores, Administração de Heliópolis, quem comprou , quem foi comprado etc. Até política de Lagarto marcou presença. É impossível colocar um bêbado num alambique e obrigá-lo a não beber cachaça! Foi Roberto da Farmácia quem abriu a suposta reunião de confraternização e justificou a ausência do Deputado Vando (PSC), um dos ilustres convidados para o evento. Depois de confirmada a chegada de todos os pré-candidatos, Beto Fonseca jogou o verbo. Disse literalmente que não era candidato, mas os amigos é que insistiam com a candidatura dele. Enquanto isso, Ivan Fonseca, seu irmão, insistia dizendo que queria ser candidato e que o PSC teria candidato em Heliópolis. Foi aí que pediu a palavra o professor Landisvalth Lima para apresentar uma proposta de consenso. Beto lhe concedeu a palavra.
O professor disse que havia feito as contas e chegou a uma chapa que poderia unir de uma vez por todas a oposição. Antes, justificou a não escolha dos outros: Nilda Santana tinha problemas com filiação, Zélia Maranduba tinha problema com o PT, Zé do Sertão havia sido o último prefeito, Tiago Andrade ainda tinha um longo caminho e percorrer e podia esperar, Beto Fonseca ainda estava verde para uma candidatura a prefeito, Adilson Barbosa sofria restrições e Gama Neves ainda não tinha o apoio unânime, embora fosse o melhor posicionado na opinião pública. O professor disse também que o PPS havia apresentado sete opções de chapa e que não havia recebido uma única contraproposta.
As propostas do PPS foram: Ana Dalva e Adilson, Ana Dalva e Tiago, Ana Dalva e Zélia. E ainda: Gama e Tiago, Gama e Zélia e Gama e Adilson. A sétima alternativa seria um candidato de consenso, ficando para o PPS a indicação do vice. Também não houve respostas ou uma proposta alternativa. O que o professor percebeu é que ninguém quer desistir ou apoiar. Nesse lengalenga, julho vai chegar e não se decide a chapa. Por isso, embora achasse que a melhor chapa seria Ana Dalva e Tiago Andrade, o professor lançou a 8ª proposta: Ildinho Fonseca (prefeito) e Ana Dalva (vice), sugerindo uma reunião isolada com todos os pré-candidatos para aparar todas as arestas possíveis. A proposta caiu como uma bomba sobre a reunião.
O principal motivo da nova proposta foi uma negociação de bastidores. O professor ficou sabendo de que há pré-candidatos negociando grana para desistir e jogou uma pá de cal na negociação. “Já chamei Gama Neves para que nós formássemos uma chapa entre PPS, PR, DEM, PTN e PMDB. Na verdade querem apenas que a gente apoie. Não vão querer apoiar Ana Dalva ou Gama Neves. A prova é que ninguém se manifestou sobre a proposta de hoje e nem se reuniram para chegar a um denominador comum. Não querem o consenso. Querem negociata e nisso não entraremos. Não vamos aceitar compra de lideranças. Isso nunca funcionou, é indecente e não conta com o PPS.”, disse.
O bom caminho é que Gama Neves apresentou uma proposta com ele prefeito e Ildinho Fonseca vice para futura discussão. Uma reunião marcada para o próximo Sábado foi acordada para acelerar o processo. Nesta reunião só terão presença os pré-candidatos e um convidado de cada. Outro bom caminho é que Ildinho aceitou a proposta de ser o prefeito, desde que seja o candidato de todos os segmentos da oposição. Uma coisa é certa: a pesquisa já era. Ninguém mais falou em pesquisa. Querem resolver a questão no diálogo.” O desafio está lançado: Havia restrições contra todos os pré-candidatos. Fica a pergunta no ar: Quem tem algo contra Ildinho Fonseca? Quem vai ter algo a apresentar que possa impedir ou macular sua candidatura? Se o nome não fechar a chapa, então esta história de união é pura conversa para boi dormir em período de seca! Restará ao PPS lançar Ana Dalva prefeita dia 16 e ir para a luta!”, concluiu o professor.