Exclusivo!

TCE fará evento no CEJDS

TCE quer alunos praticando cidadania (foto: divulgação)      O Tribunal de Contas do Estado da Bahia – TCE – está desenvolvendo o pr...

Novidade

sábado, 21 de abril de 2012

Povo protesta contra a corrupção em Brasília, Salvador, São Paulo e Maringá


Da AGÊNCIA BRASIL, FLÁVIO FERREIRA,  LUIZ FERNANDO CARDOSO e Edely Gomes – reprodução da FOLHA DE SÃO PAULO, do jornal A TARDE, com fotos de Ueslei Marcelino/Reuters, Eduardo Knapp/Folhapress, Eraldo Peres/Associated Press e Pedro Ladeira/France Presse



Cerca de 1.500 pessoas, segundo estimativa da Polícia Militar do Distrito Federal, marcharam na Esplanada dos Ministérios vestindo roupas pretas e carregando faixas e cartazes que pediam o fim dos desvios de verbas públicas. A marcha foi reforçada pelo público que participa das comemorações dos 52 anos de Brasília.
Foi a terceira edição da marcha organizada pelo Movimento Brasil contra a Corrupção. Os protestos são organizados, principalmente, pelas redes sociais. Segundo um dos organizadores, Rodrigo Montezuma, estão previstas mobilizações semelhantes à de Brasília em cerca de 40 cidades. As principais bandeiras desta edição da marcha são o fim do voto secreto nas votações do Congresso e celeridade no julgamento do escândalo do mensalão pelo STF (Supremo Tribunal Federal).
Entre os cartazes, havia muitos que pediam a saída do governador do Distro Federal, Agnelo Queiroz, citado nas investigações da Polícia Federal que levaram à prisão o empresário goiano Carlinhos Cachoeira, suspeito de comandar um esquema de jogos ilegais.
Segundo Montezuma, o MBCC é um movimento apartidário e não tem relação com nenhum grupo político específico. "Todos os dias nós temos notícia de corrupção, no café da manhã, no almoço e no jantar. Os homens públicos que deveriam zelar pelos recursos estão pilhando o dinheiro do contribuinte".
A estudante Júlia Freitas, de 15 anos, participou da marcha pela primeira vez e já avisa: vai engrossar os próximos protestos. "O que me motivou a vir foi a revolta. Tem gente que mora na rua e não tem o que comer enquanto outros estão desfilando por aí de carrão, se dando bem com o nosso dinheiro".
O servidor público Júlio Proença trouxe as três filhas, de 9, 15 e 17 anos, para participar da marcha. Ele acredita que as meninas precisam se conscientizar da importância do problema que é a corrupção. "A minha geração abandonou isso pelo movimento político da época [contra a ditadura militar]. Acho que as crianças têm que ter essa consciência políticas que foi deixada de lado pelo brasileiro". A próxima marcha contra a corrupção já tem data marcada: 7 de setembro, Dia da Independência do Brasil.
São Paulo tem marcha contra corrupção na avenida Paulista
Cerca de 700 pessoas participam de uma marcha na avenida Paulista, em São Paulo, contra a corrupção. A estimativa é da Polícia Militar. A avaliação dos organizadores aponta o número de 2.500 participantes.
Os manifestantes pedem o rápido julgamento do processo do mensalão e o fim das votações secretas no Congresso. Eles ocupam duas faixas da via, no sentido Paraíso, e levam cartazes formando os dizeres "S.O.S STF", entre outros. Em seguida ocorreu a passeata até a rua Bela Cintra, com retorno até a avenida Brigadeiro Luiz Antonio.
Passeata contra a corrupção em Maringá pede aplicação da Ficha Limpa
A chuva incessante que caiu em Maringá (PR) na manhã deste sábado (21) não impediu a população de ir às ruas em protesto contra a corrupção. Motivada por recorrentes escândalos divulgados na imprensa, a passeata convocada pela sociedade civil organizada reuniu, pelos cálculos da Polícia Militar, mais de 500 pessoas.
Do ponto de encontro na Praça Manoel Ribas, por volta das 10h, os manifestantes percorreram a avenida Tiradentes até o parque do Ingá, em um trajeto de 1.700 metros. Ao passar diante da Catedral Basílica Menor de Nossa Senhora da Glória, os gritos de repúdio contra a má gestão dos recursos públicos e a sensação de impunidade se intensificaram.
Para o porta-voz do movimento, o professor de engenharia da Universidade Estadual de Maringá (UEM) José Plínio Silva Filho, a Lei da Ficha Limpa --considerada constitucional pelo Supremo Tribunal Federal, em fevereiro deste ano-- é "a luz no fim do túnel" para os segmentos da sociedade que lutam contra a corrupção. "Essa lei é uma sinalização inequívoca de que está na hora da sociedade agir."
Marcha contra corrupção reúne cerca de 300 pessoas na Barra
Um grupo de pessoas portando cartazes, máscaras e rostos pintados se reuniu no fim da tarde deste sábado (21) em frente ao Farol da Barra para protestar contra os desvios de verbas públicas no Brasil. A terceira edição da Marcha Contra a Corrupção reuniu cerca de trezentas pessoas na capital baiana e foi realizada em mais 41 cidades do País, segundo os organizadores do Movimento Brasil Contra a Corrupção (MBCC). Com carro de som, eles partiram em direção ao monumento do Cristo portando faixas que clamavam por punições mais severas a políticos acusados de corrupção além de maior conscientização por parte dos cidadãos.
Mobilizados, principalmente, através das redes sociais, a maioria do o grupo era composta por jovens e representantes do grupo Anonymous. Segundo os participantes, esta não é uma ação que conta com o apoio de partidos políticos específicos. “O movimento é apartidário. Não envolve políticos e sim pessoas revoltadas contra o sistema e corrução no Brasil”, disse um dos jovens que usava a máscara do Anoymous. Entre as revindicações da marcha estavam o fim do voto aberto parlamentar, extinção do foro privilegiado e penas mais pesadas para os crime de corrupção.
O estudante de ensino médio José Carlos, 17 anos, foi um dos adolescentes que saiu de casa para protestar e clamar por mais consciência política. “A gente convive pacificamente com a corrupção todos os dias. Aprendemos a nos acostumar. É preciso tomar uma atitude”.
Vindo de Camaçari com um grupo de quinze amigos, Gerônimo Nunes ficou sabendo da caminhada pelas redes sociais e pretende levar o movimento para lá. “Como em qualquer parte do País, Camaçari também sofre com os problemas da corrupção, mas são poucos os que tem consciência política. Queremos dar o exemplo e mobilizar as pessoas”.(Dê um clique nas fotos para vê-las ampliadas)