Exclusivo!

Racismo estrutural: Vidas negras importam?

Novidade

sábado, 5 de maio de 2018

Deputados viajam e nós pagamos as contas

O Cassino de Estoril, em Portugal, destino de alguns deputados brasileiros (foto: Istoé)
Com uma reportagem intitulada “Voando com o dinheiro público”, assinada pelo jornalista Ary Filgueiras, a revista ISTOÉ traz uma reportagem sobre os 184 deputados federais que viajaram pelo mundo, frequentaram shows, cassinos e demais barangandãs, tudo financiado com os recursos dos nossos altos e mal aplicados impostos. A reportagem diz que enquanto uma enxurrada de projetos está à espera de aprovação em comissões e no plenário, os deputados preferem dar suas escapulidas. Sob o caráter de “missões oficiais”, eles gastaram em 2017 nada menos que R$ 1,6 milhão somente em diárias para viagens ao exterior, para destinos como o Caribe, Inglaterra, Portugal, Itália, Espanha e Estados Unidos.
As tarefas árduas destes deputados incluem assistir a shows ou discutir a conservação do Atum Atlântico na cidade de Marrakesh, no Marrocos. De acordo com dados confirmados por ISTOÉ junto ao portal de Transparência da Câmara, os parlamentares fizeram, em 2017, 286 viagens ao exterior. Foram pagas 1.312 diárias a um total de 184 deputados. O destino mais visitado foi Nova York, com 100 viagens. Para Lisboa, foram 23. Para Jerusalém, 17. Roma e Cidade do Panamá, 16. Oito deles, entre os dias 5 e 20 de janeiro, em pleno recesso parlamentar e preocupados com os problemas que a legalização dos jogos de azar, foram ao exterior para tratar do funcionamento de cassinos e jogos de azar, que são proibidos no Brasil. Na China, entre idas a Xangai, Macau e Hong Kong, consumiram 40 diárias, totalizando R$ 63 mil. Foram ter uma aula sobre exploração de jogos de fortuna e azar naquele país. Para lá rumaram Herculano Passos (MDB-SP), Damião Feliciano (PDT-PB), Weliton Prado (PROS-MG), Hildo Rocha (MDB-MA), Lelo Coimbra (MDB-ES), Evandro Roman (PSB-PR), Jaime Martins (PROS-MG) e, representado a nossa Bahia, José Rocha (PR-BA).
Em novembro, a discussão sobre a legalização dos jogos fez com que os deputados Paulo Azi (DEM-BA), Efraim Filho (DEM-PB) e José Carlos Aleluia (DEM-BA) viajassem a Londres e Lisboa. Na Inglaterra, participaram da World Trade Market (WTM), a mais importante feira do setor do turismo no mundo. Já em Lisboa, estiveram reunidos com representantes do Grupo Estoril Sol e emprestaram a expertise deles sobre regulamentação de jogos, visitando cassinos na capital de Portugal. Em 2017, 184 deputados visitaram 80 cidades pelo mundo afora. Os gastos consumiram R$ 1,585 milhão dos cofres públicos. Agora, é salutar imaginar a preocupação com a fé de alguns deles. Foi o caso do Fernando Coutinho (Pros-PE), Ele assistiu ao show dos padres Marcelo Rossi e Fábio de Melo no Circo Massimo, a fantástica ruína romana onde eram realizadas no passado corridas de bigas. Enquanto ele vivia sua fé e gastava nosso dinheiro, o Congresso Nacional discutia a Reforma da Previdência.