Exclusivo!

"Não se resolve tudo no grito e na violência"

Novidade

segunda-feira, 30 de abril de 2018

Época mostra desertificação crescente no Nordeste

A área de desertificação está cada vez maior no Nordeste (foto: Revista Época)

A revista Época mostra esta semana uma reportagem sobre a crescente desertificação no semiárido nordestino. O trabalho é da jornalista Ana Lúcia Azevedo e vem publicada na página de cultura, porque se trata do estudo de um ensaio. No texto há a revelação de “uma das curvas que o São Francisco desenha ao atravessar os sertões onde Bahia e Pernambuco se encontram, cresce um deserto. A cada sopro do vento, que quase nunca cessa, suas dunas despejam areia e sufocam lentamente o rio. Ele se chama Surubabel e fica em Rodelas, Bahia. Chama a atenção porque se debruça sobre o São Francisco, a principal fonte de água do Semiárido. Mas não é um ponto isolado. Integra um mapa em expansão, o das terras que viraram desertos no Semiárido do Brasil. Um estudo inédito revela que elas somam 126.336 quilômetros quadrados — quase três vezes o tamanho do estado do Rio de Janeiro ou a metade do de São Paulo. São desertos criados pelo homem. Terras estéreis, sem salvação.”
Também revela que “o mapa mostra o que já é deserto. Não se trata de área em risco, mas de fato consumado. Desertos são terras mortas. Não ressuscitam, mas se expandem nutridos pela destruição que os gerou. “À medida que avançam, ameaçam a segurança hídrica, alimentar e energética do Semiárido mais povoado do mundo, onde vivem 28,6 milhões de pessoas (14,5% da população brasileira)”, alertou o principal autor do mapeamento, Humberto Barbosa, coordenador do Laboratório de Análise e Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), da Universidade Federal de Alagoas, e integrante do grupo de especialistas em desertificação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da ONU.”
Para ler a reportagem completa, dê um clique AQUI.