Este blog está censurado!

A Meritíssima Juíza de Direito da Vara Cível da Comarca de Cícero Dantas, Dra. Denise Vasconcelos Santos, desde o dia 17.10.2011, ordenou a retirada de postagens que "denigram" o prefeito de Heliópolis Walter Rosário, bem como efetuar novas inserções negativas ao nome do alcaide.

Novidade

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Maçaranduba fez o seu 3º Forró na Roça

       
3º Forró na Roça do povoado Maçaranduba (foto: Franciele Rodrigues/Facebook)
     O povoado Maçaranduba vem tentando manter acesa a chama da tradição das festas juninas. Pelo terceiro ano, a comunidade faz o tradicional Forró na Roça. O evento é uma realização da Prefeitura Municipal de Heliópolis, com apoio da Bahiatursa e coordenação do vereador José Clóvis Pereira. Duas bandas animaram o povo este ano, Forrozão Manoel de Pedrinho e Alaelson do Acordeon. Marcaram presença o prefeito Ildinho, a vereadora Ana Dalva e o vereador José Clóvis e família. A principal notícia da festa é a presença predominante de crianças e adolescentes dançando e cantando clássicos da música nordestina, sinal de que a festança perdurará por um bom tempo. Que assim seja.

1º Forró do PREUNI

Professores e alunos do PREUNI fazem 1º Forró (foto: PREUNI/PV)
O curso Pré-Vestibular da Secretaria de Educação – PREUNI – da cidade de Poço Verde, promoveu o 1º Forró entre os alunos, professores e coordenação, na última quarta-feira (22). Além do Forró pé-de-serra típico, não faltaram as comidas e bebidas. A turma caprichou. A festa marcou o encerramento do primeiro semestre. Estudantes e professores voltarão às atividades no dia 30 de junho, com os corpos aliviados do estres. O forró sempre será um ótimo lenitivo. 

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Ildinho entregará Praça de Eventos até outubro

Praça de Eventos com obras aceleradas (foto:Landisvalth Lima)
A Praça de Eventos da Cidade de Heliópolis teve sua construção iniciada no dia 03 junho e segue em ritmo acelerado. A pergunta que não quer calar é se haverá tempo para que a Festa do São Pedro seja realizada no novo local. A resposta é, infelizmente, não. Houve um atraso na liberação dos recursos por conta do piso planejado anteriormente, que era muito caro e inviabilizava o custo da obra. Com a mudança para concreto, o martelo foi batido e metade dos recursos já estão sendo aplicados. Como a previsão de duração da obra é de 120 dias, somente o Réveillon será na nova praça.
Prefeito Ildinho (Foto: Landisvalth Lima)
Construída na Praça Isabel Ribeiro, ao lado do antigo Mercado de Carne, a Praça de Eventos da Cidade de Heliópolis é gigantesca. São mais de 5.014,12 m2, numa área que poderá receber, sem susto, 20 mil pessoas. Com recursos do Ministério do Turismo, de 331.500,00, oriundos de uma emenda parlamentar do deputado Luiz de Deus, do DEM, complementados com recursos próprios da Prefeitura Municipal de Heliópolis, de 125.471,34, a obra consumirá R$ 456.971,34 e sua inauguração está marcada para o dia 2 de outubro.
O prefeito Ildinho só lamenta não inaugurar a Praça de Eventos já na Festa do São Pedro, que acontecerá nos dias 8, 9 e 10 de julho. “Mas o que importa é que entregaremos ao povo de Heliópolis uma obra útil, que vai mudar a cara da cidade. ”, detalhou Ildinho. Certamente será palco de muitos outros eventos, incrementando uma região que estava meio esquecida após a desativação do Mercado de Carne. A nova praça também exigirá uma tomada de providências com relação à finalidade do prédio do desativado mercado. Já era tempo.
Mestre Abreu (Foto: Landisvalth Lima)
Para quem tem pouca memória, a Praça de Eventos também colocou por terra um exemplo de desperdício do dinheiro público, aquilo que seria o mercado do produtor. Virou um elefante branco inútil. Consumiu algo em torno de 150 mil reais, que ninguém sabe onde foi parar. Uma vergonha ainda não devidamente apurada. Sabe-se apenas que, dessa grana toda, ninguém viu nada até aqui, a não ser o elefante que foi demolido. 
A Praça de Eventos da Cidade de Heliópolis terá dois níveis de piso. O nível mais alto ficará na parte sul, onde se localizará a entrada. No meio da praça haverá uma espécie de arquibancada, que facilitará a vida daqueles que vão para a festa e gostam de ficar sentados. Daí até a pequena rua em frente ao Mercado ficará o segundo piso, este mais baixo. Provavelmente aí estarão os palcos dos eventos, permitindo uma visão de todos os pontos da praça. Quem complementa a boa notícia é o encarregado da obra, o Mestre Abreu. Ele afirma que se os recursos chegarem no tempo certo, a obra poderá ficar pronta no início de setembro. Vale a pena esperar.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Transformação distante

Está longe o transformar
Mesmo com a reviravolta provocada pela Lava Jato no país, ainda será longa a caminhada para que a política municipal de nossa região deixe de ser um grande balcão de negócios e passe a se apresentar como um grande debatedor de ideias, com objetivos transformadores de uma sociedade. Aqui em Heliópolis, por exemplo, nenhum candidato discutiu programa de governo ou debateu questões ligadas ao município. O que interessa mesmo é saber quem vai ficar com quem e não quem apresentou determinado programa para governança nos próximos quatro anos. 
Nas redes sociais, quem está contra o prefeito fica a apontar defeitos. Quem é favorável bate palmas. Mas discutir o amanhã, nem pensar. E também não imaginem que o eleitor está querendo debate, programa ou coisa que o valha. O eleitor toma para si um lado e dança conforme a música. De forma que a esperança de uma renovação está se dissipando. O Landisvalth Blog está fazendo uma pesquisa para ver o número de jovens que entrarão este ano no pleito, seja para vereador ou prefeito, transformando-se em esperança para o futuro. Também se haverá uma evolução em candidaturas de mulheres. As notícias não são animadoras.

Os negócios de Lula e da OAS

Lula nas mãos de Moro
(foto: Adriano Machado/Reuters)
A revista Istoé diz, em reportagem de capa esta semana, que está à disposição do juiz Sérgio Moro, desde a semana passada, o arsenal de provas preparado por agentes federais e investigadores contra o ex-presidente Lula. Os procuradores da Lava Jato classificam de a “bala de prata” capaz de aniquilar o petista. O tiro de misericórdia – a julgar pelo cardápio de revelações ofertado durante as tratativas para um acordo de delação premiada – será desferido pelo empresário Léo Pinheiro, um dos sócios do grupo OAS. Conforme apurou ISTOÉ junto a integrantes da força-tarefa da operação Lava Jato em Curitiba, ao se dispor a desfiar com profusão de detalhes a maneira como se desenvolveram as negociações para as obras e reformas no sítio em Atibaia e no tríplex do Guarujá, tocadas pela OAS, Pinheiro já forneceu antecipadamente algumas das peças restantes do quebra-cabeças montado desde o surgimento das primeiras digitais de Lula no esquema do Petrolão. 
Diz respeito às contrapartidas aos favores prestados pela empreiteira ao ex-presidente. De acordo com o relato preliminar de Pinheiro, em troca das obras no sítio e no tríplex do Guarujá, o petista se ofereceu para praticar tráfico de influência em favor da OAS no exterior. A OAS acalentava o desejo de incrementar negócios com o Peru, Chile, Costa Rica, Bolívia, Uruguai e nações africanas. Desenvolto no trânsito com esses países, Lula se prontificou a ajudá-los. Negócio fechado, coube então ao petista escancarar-lhes as portas. Ou, para ser mais preciso, os canteiros de obras. Se até meados de 2008 a OAS engatinhava no mercado internacional, hoje a empresa possui 14 escritórios e toca 20 obras fora do País – boa parte delas conquistada graças às articulações do ex-presidente petista.
Para ler a reportagem completa, dê um clique AQUI.

Os sete vídeos do vice

José Gama Neves 
O vice-prefeito Gama Neves publicou na sua página no Facebook exatos sete vídeos. Acredita-se que o objetivo é agregar valor ao seu nome, já que há praticamente a confirmação de sua candidatura a prefeito de Heliópolis pelo Democratas. Em nenhum momento nos vídeos ele se coloca como candidato e também diz alguma coisa significativa. Gama fica pelas beiradas. Não tem apetite para oposição. Vê-se esguio, indeciso, sem querer ir ao ponto. Nos três primeiros vídeos, que poderiam muito bem não terem sido publicados, ele chama ao diálogo para debater Heliópolis. Faz divagações genéricas e nada apresenta como concreto. No quarto vídeo, criticou a educação, a saúde e a falta de planejamento. Solução? Nenhuma, só divagações. Criticou as nossas estradas vicinais que estão, e é verdade, em estado deplorável, mas nem sequer considerou o nosso período de muitas chuvas. Faltou propor o asfaltamento de todas. 
O vídeo quinto fala da agricultura. Aponta os velhos defeitos e não apresenta saída. No sexto vídeo, Gama aponta a falta do Plano Diretor Urbano. Chega a afirmar que as casas são feitas de forma desorganizada em Heliópolis, o que não é verdade. No sétimo vídeo prega a necessidade de planejamento e não fica claro se é uma sugestão para os candidatos ou se para que todos se unam a ele para planejar depois. Enfim, nada de concreto. Todos os vídeos apresentam o título Heliópolis Ainda há Esperança. Ainda no mesmo tom, Gama Neves fez uma postagem também usando a metáfora da Fênix. Exagerou. Será que ele quer dizer que Heliópolis virou cinzas e só renascerá com sua administração? Menos, Gama. Todos os prefeitos de Heliópolis trouxeram coisas boas e más para o município. Uns mais, outros menos. Heliópolis evoluiu. Não como queremos, mas evoluiu. Um bom candidato precisa reconhecer onde evoluímos e onde precisamos de um choque de gestão. 

sábado, 18 de junho de 2016

Política em Poço Verde indefinida

Thiago Dória
Quem desejar saber quais verdadeiramente serão os candidatos a prefeito de Poço Verde, na eleição deste ano, esbarrará em três nomes: Thiago Dória, Iggor Oliveira e Luís Américo. Se a questão é para saber quais os que comporão as respectivas chapas como vices, aí a coisa fica preta. Ninguém sabe nada, ninguém conversa nada. É a cidade onde os políticos não conversam. Parece que controlam cofres que guardam fortunas e não o patrimônio público. A coisa é tratada como se fosse um patrimônio deles. Há uma certa empáfia e isso dificulta a formação das chapas.
Iggor Oliveira
Numa coisa já se pode quase ter certeza: Rita de Lula não será vice de Thiago Dória. Ela terá dois caminhos. O primeiro, e menos provável, é ser vice de Igor ou de Luiz Américo. O outro é sair candidata a vereadora, com possibilidades concretas de vitória. Mas por qual grupo? Ficar no de Thiago Dória é bater palmas para o fato de ter sido excluída. Por outro lado, não dá nem para conversar com Igor Oliveira, que parece já se considerar eleito.
Luís Américo
Os descaminhos são muitos e incríveis. Há políticos que recebem ajudas importantes e não sabem. Não conseguem enxergar a opinião pública. É o caso da ida de Ina Valéria para apoiar Iggor Oliveira. Não há nome melhor para vice. Daria um prêmio para o eleitorado feminino, mas até agora não se manifestou e insiste nas velhas práticas de Everaldo Oliveira, o pai. Os políticos de Poço Verde, com raras exceções, ainda não perceberam que as coisas estão mudando. A mudança não é por obra e graça deles, mas forçada, pela ação inevitável dos tempos e da nossa falta de paciência. 
Enquanto isso, Luís Américo aguarda um espaço para ocupar. E isso será inevitável se ele agir de forma diferente. Há um eleitorado que quer o novo. Ainda não é hegemônico, mas Poço Verde precisa desta renovação política. Não se trata da idade do candidato, mas da mentalidade. Thiago Dória e Iggor Oliveira são jovens, mas foram a uma espécie de beija-mão em Fátima-Ba, saudar Sorria. Precisa dizer mais alguma coisa?

A educação pública está morrendo – I

Ontem, várias escolas particulares encerraram o semestre letivo. Tudo ocorreu como planejado. Simples. Professores e funcionários estão gozando férias e os seus salários já foram depositados em suas contas bancárias. Muito simples. Na outra ponta, a escola pública se arrasta e caminha para o caos, se é que lá já não está. Complicado. Não quero aqui fazer comparações, mas por que diabos não se consegue cumprir minimamente um calendário escolar na escola pública? Greves, desorganização, falta de investimento e até salários atrasados. Muito complicado.
Depois da chegada do governador Rui Costa a Heliópolis, esperávamos que o Colégio Estadual José Dantas de Souza entrasse numa nova era. A escola top de Heliópolis foi usada por muito tempo como cabide de emprego, marketing político e perseguição a adversários. Jamais houve preocupação com o futuro da escola e dos seus alunos, notadamente entre 2009 a 2015. A administração da ex primeira dama do município deixou marcas difíceis de serem sanadas. Com a nova diretoria e a boa vontade de alunos e professores, vários problemas estão sendo resolvidos, mas alguns vícios insistem em não acabar.
O CEJDS está há mais de 30 dias sem Internet. Fiquei horas ao telefone para, junto com os técnicos, descobrirmos o defeito. Vem um técnico da Oi e afirma que o modem estava com problema. Ele nos oferecia um modem por 140 reais. Instalava tudo na hora e ainda regulava a velocidade. Perfeito, mas a escola estava sem grana. Os diretores fizemos uma vaquinha. Pagamos e a internet voltou. Quinze dias após houve nova pane. Mais horas ao telefone. Veio um técnico da OI e disse que tudo estava certo e condenou o modem novo que compramos. Depois de muito penar, um técnico da Rede banda Larga nas Escolas pediu para trocar o modem que o problema seria resolvido. Nos deram quatro nomes de modelos aprovados para o programa.
A saga não parou por aí. Nenhum dos modelos indicados são vendidos na região. Em Aracaju, depois de muito andar, encontrei um dos modelos. Apenas 70 reais. Instalamos e falei com Salvador para, via telefone, configurar a rede. O técnico não conseguiu, mas prometeu visitar a escola para solucionar o problema pela tarde da quarta-feira, dia 15, aniversário de um mês sem a rede mundial de computadores. Não veio. Ligamos novamente e tudo ficou para o dia seguinte. Não veio. Ligamos mais uma vez e tudo ficou para a sexta-feira. Não veio novamente. 
A escola está tentando passar ainda as notas da 1ª unidade, já que tudo está no bendito sistema. Tudo atrasa. As contratações nunca chegam. Estamos contando com a colaboração de pessoas, de alunos e professores, mas tudo esbarra quando depende do estado ou das empresas que prestam serviços ao estado. Duas funcionárias foram aposentadas e não houve substituição. Os funcionários terceirizados foram ameaçados de demissão, mesmo com 3 meses em atraso. Pior, não há perspectiva de melhoras porque o discurso é bonito, mas os vícios continuam. Até o grêmio estudantil ameaçou uma paralisação para protestar contra o descaso. Os alunos não aderiram. Parece que ninguém se importa.