Este blog está censurado!

A Meritíssima Juíza de Direito da Vara Cível da Comarca de Cícero Dantas, Dra. Denise Vasconcelos Santos, desde o dia 17.10.2011, ordenou a retirada de postagens que "denigram" o prefeito de Heliópolis Walter Rosário, bem como efetuar novas inserções negativas ao nome do alcaide.

Novidade

terça-feira, 26 de julho de 2016

Fátima terá Binho X Sorria

Binho de Alfredo (PT)
O cenário que o Landisvalth Blog vai relatar nesta postagem pode mudar a qualquer momento. Política não é exata e, muito menos, ciência. Tudo pode acontecer, mas o grupo liderado pelo prefeito Nego ruiu e está dividido. O vereador Binho de Alfredo (PT), que antes era apontado como candidato nato indicado por Nego, agora é oposição. Tudo indica, mesmo ainda não anunciado oficialmente, o prefeito deve apoiar o ex-prefeito Sorria (PP). E o desafio lançado pelos irmãos Santana, Lucas e Rodrigo, foi topado por Binho de Alfredo. Agora vamos ver se Lucas e Rodrigo cumprem a promessa de que onde Nego estivesse eles não estariam. Até o fechamento desta edição, eles estavam apoiando Sorria.
Manoel Missias, o Sorria (PP)
Manoel Missias, o Sorria, terá como provável companheiro de chapa o também ex-prefeito Eduardo, do mesmo PP. Além disso, terá uma chapa com 22 candidatos a vereador, entre eles Zezinho, Nerivan, Oliveira e Nego de Pretinha. Em torno do PP estarão os partidos PC do B, PPS, PDT, e, provavelmente, PMDB. Binho de Alfredo poderá ter como provável companheiro de chapa o vereador Gilvan de Pedro de Dé (PTB). A boa surpresa é que o vereador petista conseguiu o apoio de Roberto da Farmácia (PSD) e da maioria da Câmara de Vereadores. Além de Gilvan, estão com Binho de Alfredo Bell, Odilon, Gilberto e Zé Cuscus, que, ao lado de Binho e Gilvan, formam a maioria na Câmara Municipal de Fátima.
Faltando muito pouco para definir, inclusive o apoio do PMDB e de Milton da Laje, a eleição em Fátima ganha contornos de ser a disputa entre a política populista de Sorria e a visão administrativa e popular de Binho. Sorria não poderá mais fazer certas práticas do passado, nem Binho vai poder adotar o discurso falacioso do PT dos últimos anos, com cara de populismo disfarçado de socialismo. Os dois terão que estabelecer estratégias para não transformarem Fátima em mais do mesmo. Se o foco for o desenvolvimento e o progresso, as duas candidaturas darão significativa contribuição para o desenvolvimento da cidade.


PROERD forma mais uma turma

O Programa Educacional de Resistência às Drogas – PROERD – realizará mais uma formatura, desta feita no Espaço de Convivência da Escola Governador Waldir Pires, em Heliópolis. O evento ocorrerá nesta sexta-feira, 29 de julho, a partir das 14 horas. O PROERD é um programa da Polícia Militar do Estado da Bahia – PM-BA, desenvolvido pelo seu Instituto de Ensino e Pesquisa – IEP. O objetivo é conscientizar jovens adolescentes para ficarem cada vez mais distantes das drogas e entorpecentes. Além de toda a cúpula da PM-BA, o Major Dequex, Comandante da 21ª CIPM, já confirmou presença.

domingo, 24 de julho de 2016

Os prováveis nomes para vice de Ildinho

Ildinho espera paciente para escolher o vice-prefeito (foto:Jorge Souza)
Todos sabemos que o vice-prefeito de Ildinho poderá ser exatamente da oposição. Embora Zé do Sertão esteja flertando com a oposição para garantir um lugar na chapa, suas chances são muito poucas. Os nomes melhores para o prefeito vão depender da chapa lançada pela oposição. Caso seja Mendonça o candidato, Ildinho perderá um bom vice-prefeito. Trata-se do ex-vereador Gaminha. Ele é do PSD e toparia a parada se o vereador do PCdoB não for cabeça de chapa. Com Gaminha, Ildinho garantiria vitória no povoado Farmácia e no Tijuco. 
Mas ainda há outros quatro nomes na cartola: Aroaldo Barbosa (Adilson ou Adelson), Gama Neves, Adinaldo (ou a esposa de Celso) e Gilberto Jacó. Os nomes aqui citados não apagam outras possibilidades, mas são hoje os de maiores atrativos para o reforço eleitoral de Ildinho, e sacramentaria a vitória. Agora, e se a oposição, por um milagre histórico, se unir, levando ao mesmo palanque histórias rivais esquecidas milagrosamente? Só restará a Ildinho um vice de casa que una todo mundo, tarefa nada fácil. Uma mulher seria ideal, mas o melhor nome não quer nem ouvir falar da palavra vice.

Oposição unida, na foto!

A oposição pousa para foto, mas não formou ainda a chapa (foto:Facebook)
 Ainda há tempo, mas que a coisa começa a preocupar para o lado dos seguidores da oposição isso ninguém tem dúvida. É que ocorreu mais uma reunião no Clube Caiçara neste domingo (24), em Heliópolis, e nada de fechar a chapa da oposição. Quem está tranquilo aguardando o desenrolar de tudo é o prefeito Ildinho. Não é segredo que o que está na foto é mera formalidade. Esta suposta união é só pressão para colher frutos políticos. Quem imagina Mendonça e Zé do Sertão formando uma chapa? Ou Celso Oliveira colocando dinheiro na campanha de Gama Neves? Ou Gilberto Jacó abraçado com Zé Sertão num palanque? 
Não somos nós que vamos dar conselhos a políticos com vasta experiência, mas bem que eles poderiam formar uma chapa nova. Por exemplo, Gilberto Jacó e Adinaldo. É só uma sugestão. Uniria todo mundo e tinha o que dizer ao eleitorado. Qualquer outra chapa vai dar o que falar, até porque são políticos que não conseguem nem mesmo modernizar o discurso. Ou então poderiam admitir que nada mudou mesmo e colocariam uma chapa Aroaldo e Zé do Sertão. Dois ex-prefeitos de Heliópolis. Tinham muito o que dizer e muito o que ouvir. Enquanto a oposição fica neste chove-não-molha, o tempo não para e os especuladores ficam todos os dias enchendo o Facebook de boatos.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Euclides da Cunha e Cícero Dantas terão as eleições mais caras na região

O limite de gastos de campanha em Cícero Dantas só será menor que
os gastos em Euclides da Cunha.  
(foto: You Tube)
A Justiça Eleitoral divulgou nesta quarta-feira (20) os limites de gastos nas eleições municipais que serão realizadas em outubro em todo o país. Os valores máximos para os gastos de campanha variam em cada município. O teto máximo é o da cidade de São Paulo, que possui o maior número de eleitores. Na capital paulista, cada candidato a prefeito poderá gastar até R$ 45,4 milhões no primeiro turno, e R$ 13,6 milhões no segundo turno.
Os menores limites de gasto estão nos 3.794 municípios com até 10 mil eleitores, onde os candidatos a prefeito poderão gastar até R$ 108 mil. Nessas cidades não há previsão de segundo turno, que só é realizado em cidades com mais de 200 mil eleitores. Mas os números não são os mesmos. Por exemplo, um candidato a prefeito em Ribeira do Pombal terá que gastar menos que um candidato em Ribeira do Amparo. Os limites são, respectivamente, 140.027,95 e 220.198,38. Isso porque se leva em conta os gastos oficiais da última eleição.
Nestas eleições, passa a valer a proibição de doações de empresas privadas aos partidos e candidatos. A restrição foi determinada por julgamento do STF (Supremo Tribunal Federal) que entendeu que o financiamento privado seria inconstitucional por favorecer o poder econômico e desequilibrar a disputa. A proibição tem levado candidatos a estimarem que o total de gastos ficará bem abaixo do teto. Serão permitidas apenas doações de pessoas físicas, limitadas a 10% da renda obtida no ano passado.
Os limites de gastos em todo o país serão menores que os da última eleição municipal, em 2012. Isso porque a minirreforma eleitoral aprovada no ano passado pelo Congresso Nacional fixou em 70% do maior gasto declarado na eleição anterior o teto para os gastos de campanha. Antes, eram os próprios partidos que informavam qual seria o total dos custos de campanha. Em São Paulo, por exemplo, a campanha mais cara em 2012 foi a do prefeito Fernando Haddad (PT), que declarou à Justiça Eleitoral ter gasto R$ 67 milhões. A regulamentação publicada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) também prevê o número máximo de pessoas contratadas para atividades de campanha que pode ser feito por cada candidato.
Veja a seguir o limite de gastos para alguns municípios de nossa região (valores em reais):

Município
Máximo para Prefeito
Máximo para vereador
Adustina
108.039,06
10.803,91
Antas
158.848,16
10.803,91
Banzaê
108.039,06
10.803,91
Canudos
108.039,06
10.803,91
Cícero Dantas
241.540,78
25.290,24
Cipó
108.039,06
10.803,91
Coronel J. Sá
151.778,88
10.803,91
Crisópolis
108.039,06
19.295,86
E. da Cunha
587.032,38
36.798,80
Fátima
108.039,06
15.323,58
Heliópolis
108.039,06
10.803,91
Itapicuru
108.039,06
16.118,51
Jeremoabo
146.375,03
10.803,91
Nova Soure
108.039,06
10.803,91
Novo Triunfo
108.039,06
10.803,91
Olindina
108.039,06
10.803,91
Paripiranga
108.039,06
10.803,91
P. Alexandre
108.039,06
10.803,91
R. do Amparo
220.198,38
10.803,91
R. do Pombal
140.027,95
17.949,42
S. do Quinto
108.039,06
10.803,91
Tucano
108.039,06
24.988,50
Uauá
144.728,35
10.803,91


  Para ver os valores limites de outros municípios, dê um clique AQUI.

Ana Dalva e Ronaldo denunciam Giomar


Vereadora Ana Dalva
O vereador Giomar Evangelista, atual presidente da Câmara de Vereadores de Heliópolis, tem muitas memórias para guardar deste tempo que passou presidindo a nossa casa legislativa. E, certamente, a maioria delas, não são boas. Como sua metralhadora saiu disparando em todas as direções, ele se esqueceu da retaguarda. Despreparado, sempre agiu por impulso e nunca pensou em cobrir seus rastros na cena do crime. Assumiu a tribuna no final do semestre passado, anunciando com pompa de superior o fato de o TCM ter multado a vereadora Ana Dalva, inclusive por ter autorizado diárias para o vereador quando fiscalizava as contas da então vereadora no cargo de presidente da casa. Ana Dalva disse que errou mesmo, pediu perdão pelo pecado, pagou a multa e desafiou Giomar Evangelista a também admitir seus erros, que hoje já formam uma coleção invejável, a maior de todos os tempos. Para aumentar este patrimônio de equívocos, a própria Ana Dalva e o vereador Ronaldo Santana entraram com duas denúncias contra o presidente do parlamento de Heliópolis, ambas enviadas ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas dos Municípios.
Vereador Ronaldo Santana
A primeira diz respeito à contratação da empresa JJN Comércio e Empreendimentos, sediada na Praça Padre Mendonça, em Heliópolis, sem obedecer às formalidades da legislação brasileira. Para se furtar da obrigação de licitar, o vereador do PTB dividiu a compra de materiais para realizar dispensas, revelando claramente o fracionamento da despesa, que é ilegal e imoral. A modalidade escolhida pelo Gestor Municipal para a contratação de tal empresa foi a dispensa de licitação, tendo por fundamento o inciso II, do artigo 24, da Lei de Licitações e Contratos Administrativos. Foram feitas duas compras de igual teor: a dispensa nº 002/2016 - Aquisição de material de consumo e material de expediente, no valor de R$ 7.800,00 e a dispensa nº 003/2016 – para Aquisição de material e/ou serviço de escritório, também no valor de R$ 7.800,00. Os valores somados ultrapassam o valor limite que é de até oito mil reais, o que deixa evidente o fracionamento da despesa para não realizar o procedimento devido de licitação. Está claro que Giomar Evangelista não deveria realizar a contratação da dita empresa de forma direta, devendo ter realizado procedimento licitatório devido. E ele não pode alegar a história do “eu não sabia de nada”. É elementar, meu caro Giomar. 
Ana Dalva e Ronaldo Santana pedem punição para Giomar Evangelista pois o mesmo cometeu, na linguagem jurídica, ato ímprobo, que deve ser punido com os rigores do arcabouço jurídico brasileiro, em especial das Leis de nº 8.666, de 21 de junho de 1993 (Lei de Licitações e Contratos Administrativos) e da Lei de nº 8.429, de 02 de junho de 1992 (Lei das Improbidades Administrativas). Como ele tem sido um presidente muito bonzinho, os vereadores pedem ainda que, uma vez aceita a denúncia, que o resultado conste nas contas do Denunciado a serem julgadas pelo TCM e sejam encaminhadas as cópias para o Ministério Público do Estado da Bahia, com o fim de ingressar com a devida ação penal.

Empresas de Itabuna e Ubaitaba na Câmara de Heliópolis

Giomar Evangelista denunciado mais uma vez (foto:Landisvalth Lima)
A segunda denúncia apresentada pela vereadora Ana Dalva e pelo vereador Ronaldo Santana diz respeito à realização de licitação sob a modalidade carta convite para locação de sistemas contábil, folha e patrimônio. E aqui a coisa chega ao ápice da incongruência. Na ocasião, foram chamadas as seguintes empresas para participar do certame:
•    CONECT WORD INFORMÁTICA LTDA – ME, inscrita no CNPJ sob o nº 01.783.499/0001-13, sediada na Rua Ruffo Galvão, nº 155, Loja 07, Centro – Itabuna (BA).
•    M & S CONSULTORIA E ASSESSORIA EM GESTÃO PÚBLICA LTDA - ME, inscrita no CNPJ sob o nº 10.683.280/0001-33, sediada na Avenida Vasco Neto, nº 156, 1º Andar, Centro – Ubaitaba (BA).
•    RCS INFORMÁTICA LTDA - ME, inscrita no CNPJ sob o nº 05.568.816/0001-30, sediada na Rua Ruffo Galvão, nº 155, Loja 207, Centro – Itabuna (BA).
Qualquer desconfiômetro ligado detectaria logo algo irregular já no endereço. A empresa CONECT WORD INFORMÁTICA LTDA – ME e a empresa RCS INFORMÁTICA LTDA – ME possuem endereços semelhantes. Só as salas são diferentes. Mas ainda cabem algumas perguntas: somente havia essas três empresas para enviar os convites, distantes mais de quinhentos quilômetros? Não havia outras empresas na região, situadas, por exemplo, nos Municípios mais próximos como Ribeira do Pombal, Tucano, Cicero Dantas, Fátima, Jeremoabo, Paulo Afonso ou até mesmo em Heliópolis?  E nos municípios vizinhos do estado de Sergipe como Poço Verde, Tobias Barreto, Simão Dias e Lagarto? Tinha que convidar tão somente duas empresas situadas em um mesmo edifício do Município de Itabuna e outra no Município de Ubaitaba, no sul da Bahia?
 Intrigados, os vereadores denunciantes realizaram consulta ao Cartão CNPJ das empresas em questão. A empresa CONECT WORD INFORMÁTICA LTDA – ME não possui o código específico para o serviço a ser prestado, somente possui como código CNAE a atividade de comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática, quando deveria possuir o código que trata de suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação. Nesta situação, fica não apenas claro, mas cristalino que a empresa mencionada apenas tem como atividade comercial a venda de hardwares, ou seja, de equipamentos e periféricos de informática.
Em pesquisa realizada no site “Google”, colocando simplesmente as palavras “conect informática Itabuna”, o resultado foi a demonstração de uma loja em um prédio verde, no endereço já citado. Daí, apenas as empresas M & S CONSULTORIA E ASSESSORIA EM GESTÃO PÚBLICA LTDA – ME e RCS INFORMÁTICA LTDA – ME estavam aptas a participar do certame. Assim, a Carta Convite de nº 001/2015, só teve como licitantes as duas empresas indicadas, restando prejudicada a disputa por conta da impossibilidade de participação da empresa CONECT WORD INFORMÁTICA LTDA – ME.
Outro fato estranho, é que no Diário Oficial da Câmara Municipal de Heliópolis, de 06 de fevereiro de 2015, apresenta o resumo do Termo do Contrato de nº 008/2015, indicando como vencedora do errôneo procedimento licitatório somente a empresa RCS INFORMÁTICA LTDA – ME, recebendo a quantia total de R$ 24.000,00 (vinte e quatro mil reais). Em consulta ao Sistema Integrado de Gestão e Auditória, Modulo de Consulta, informa este que a Carta Convite de nº 001/2015 dividiu o serviço em dois itens, conforme disposição da tabela abaixo indicada:

Locação e manutenção de sistema de contabilidade pública               R$ 12.000,00
Locação e manutenção de sistema de folha de pagamento                 R$ 12.000,00
                                                                                  TOTAL              R$ 24.000,00

A locação e manutenção de sistema de contabilidade pública ficou com a empresa RCS INFORMÁTICA LTDA – ME e a outra, locação e manutenção de sistema de folha de pagamento, com a empresa M & S CONSULTORIA E ASSESSORIA EM GESTÃO PÚBLICA LTDA – ME, recebendo cada uma a quantia de R$ 12.000,00 (doze mil reais). É condição indispensável para eficácia legal dos contratos a publicação resumida na imprensa oficial, também conhecida como extratos. Assim, é de se perguntar: onde está a publicidade do contrato administrativo em relação a empresa M & S CONSULTORIA EM GESTÃO PÚBLICA LTDA – ME, conforme exigência do arcabouço jurídico brasileiro? São pistas que indicam não haver dúvida de fraude, com a clara combinação entre empresas. Até os preços apresentados pelas três licitantes são bastante próximos, o que evidencia claramente uma prévia combinação entre elas, frustrando o caráter competitivo do procedimento. Não custa ainda lembrar que as três empresas juntas já participaram de outras licitações, em especial, na modalidade carta convite, tendo como vencedora a mesma empresa, RCS INFORMÁTICA LTDA – ME.  
Só um cego não vê que é evidente o dano ao erário, já que poderia se alcançar valor mais em conta para o serviço, bem como é clara a vontade do vereador Giomar Evangelista em lesar o patrimônio municipal, por conhecer do ajuste entre as empresas participantes da Carta Convite de nº 001/2015. Por este motivo, Ana Dalva e Ronaldo Santana veem o vereador cometendo ato ímprobo, que deve ser punido com os rigores da Lei de nº 8.429, de 02 de junho de 1992 (Lei das Improbidades Administrativas), bem como do Decreto-Lei de nº 2.848, de 07 de dezembro de 1940 (Código Penal). Também aqui eles pedem que, uma vez confirmada a denúncia, que seja enviada ao Ministério Público para a devida abertura de processo criminal. Agora o vereador vai tentar provar que os dois denunciantes estão errados. É de se aguardar.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Polícia Civil de Heliópolis na UTI

 
A viatura que serve a Polícia Civil de Heliópolis: 11 anos de uso
Vou pegar aqui o caso de Heliópolis, que é o principal objetivo deste artigo. O governador esteve aqui e sabe das condições de segurança. Sabe que vivemos numa região de fronteira e tudo aqui é perigoso. A quantidade de policias é insuficiente, as viaturas são insuficientes. A Polícia Civil está sucateada. O carro que serve a Delegacia de Polícia de Heliópolis é de 2005. Parece ser a única viatura com esta idade em uso. Qual o bandido que vai ter medo de uma polícia assim? Não está servindo nem mesmo para as diligências. Os processos estão parados por falta de condições de trabalho. Nada anda, nada evolui. E olhem que os servidores são dedicados e tentam esconder a situação da imprensa. Passamos dois meses em conversas despretensiosas para conseguirmos alguma informação. Percebemos certo medo de represálias.
Soubemos por terceiros que o que a Polícia Civil tem de apoio, mesmo que insuficiente, é da Prefeitura Municipal de Heliópolis. Material de limpeza e higiene, gasolina (20 litros por semana para o Delegado), material de escritório, manutenção de uma inconsertável viatura e outros. Há uma frustração latente. Sussurram insatisfação do Delegado e de outros servidores. E nem precisa falar em aumento de salários. A única coisa que aumenta é o auxílio-reclusão para os filhos dos presos, mais de 1 mil reais por mês. Tudo em Heliópolis, no que se refere à Segurança Pública, é uma luta. Foi uma briga para conseguir um delegado e agora parece que vão ter que fazer uma guerra para conseguir uma viatura para a Polícia Civil e melhores condições para que os trabalhos se desenvolvam naturalmente. Foram 17 para Juazeiro e parece que não se conseguirá 1 para Heliópolis.
É preciso que os deputados Marcelo Nilo, Vando, José Nunes, Fátima Nunes, Daniel Almeida e outros, que foram votados de forma significativa, façam ver ao governador Rui Costa que ele obteve 78% dos votos aqui em 2014. Todos os políticos de Heliópolis, exceto Landisvalth e Ana Dalva, votaram nele e no PT. O que mais será suficiente para que ele mande urgentemente uma viatura para a Polícia Civil? E não me venham com essa de dizer que mandou outras coisas. Nada é suficiente porque nada dura para sempre. Veja a BA 393 com os buracos já aparecendo novamente. É preciso investimento constante em todas as áreas. Se o governador investisse na região apenas 10% do que ele gasta em publicidade num ano, muita coisa estava resolvida. 
Por fim, é bom não pensar que, por ser pequeno, Heliópolis pode ser facilmente dobrado. Não custa saber que um pequeno problema numa célula pode, mais tarde, decretar o fim de uma vida. Não dá mais para conviver com promessas. Não adianta construir estradas se não se pode andar nelas, tampouco contratar o médico sem ter o hospital e os remédios. É preciso planejar melhor as ações. Há coisas que podem esperar um pouco mais. Outras, que cuidam da vida das pessoas, são urgentes, Governador! Precisamos tirar nossa Polícia Civil da UTI. Urgente!

Agenda positiva para a Segurança Pública?

O grande problema é encarar a realidade
 Todos sabemos que segurança pública é questão do Estado. Tanto é que a SSP louva aos céus quando há diminuição dos índices de violência. No portal há uma indicando que os roubos a veículos em Salvador neste primeiro semestre do ano tiveram uma redução de 14% em relação ao mesmo período do ano passado. Dados divulgados pela Secretaria da Segurança Pública (SSP), na tarde desta terça-feira (12), refletem uma diminuição mais expressiva na Área Integrada de Segurança Pública da Boca do Rio, formada pelos bairros da Boca do Rio, Pituaçu, Stiep, Costa Azul e Jardim Armação, com 34,2%. Vejam que a secretaria procura pontos positivos localizados para passar a sensação de segurança.
Da mesma forma ela afirma que de 1º de janeiro a 30 de junho de 2016 foram contabilizados 3.102 delitos contra 3.631 em 2015, uma diferença de 529 roubos a veículos. Só no mês de junho aconteceram 87 casos a menos do que em 2015, ou seja, -15,2% em comparação ao mesmo mês do último ano. Meu Deus! São mais de 3 mil veículos roubados na Bahia em 1 semestre! O que há para comemorar? Também disseram que, no primeiro semestre deste ano, o número de ocorrências relacionadas a assalto a coletivos na capital e Região Metropolitana de Salvador (RMS) teve uma redução de 13%, em comparação ao mesmo período do ano passado. Até o dia 30 de junho a Superintendência de Gestão Integrada da Ação Policial (Siap) registrou uma queda de -183 ocorrências. Ou seja, são mais de 1.400 assaltos a ônibus a cada seis meses, 233 por mês, quase 8 por dia. Onde está a Segurança Pública? 
Todos sabemos que vem sendo feitos investimentos, é verdade. É o caso de Juazeiro. Na semana em que a cidade, distante 502 km da capital baiana, completou 138 anos o Governo do Estado entregou à população local novos equipamentos que vão melhorar a segurança pública da região. Uma nova sede para a 76° Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM) e 17 viaturas foram entregues nesta segunda-feira (11) pelo governador Rui Costa, acompanhado do secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa. Aí teremos provavelmente uma redução significativa da violência. E o pessoal da SSP já começa a fazer cálculos e planejar a agenda positiva. Mas e os outros 416 municípios da Bahia?

E o Conselho de Segurança virou pó?

A reunião de abril na Câmara de Heliópolis ainda não deu em nada
 Quem puder acessar o portal da Secretaria de Segurança Pública do Estado da Bahia verá uma realidade não dita: há uma preocupação significativa do governo Rui Costa com a segurança pública da Região Metropolitana de Salvador. Das trinta primeiras notícias, quase todas otimistas, pautadas numa agenda positiva, há apenas três fora do foco da RMS. Uma sobre Juazeiro e outras duas sobre o reforço do policiamento no período junino. Parece que a Bahia só existe ao derredor de Salvador. 
Registramos isso porque, logo após, em outubro de 2013, a 2ª Promotoria de Justiça de Cícero Dantas, em associação com a Câmara de Vereadores de Heliópolis, realizou a 1ª Audiência Pública para criação e implantação do CONSEG – Conselho de Segurança de Heliópolis. A iniciativa foi liderada pelo representante do Ministério Público, promotor José Botelho Almeida Neto, que solicitou à vereadora Ana Dalva, então presidente do Legislativo, espaço para tal. Em abril deste ano, ocorreu uma nova audiência pública para debater a questão da Segurança Pública em nosso município, dada a quantidade de roubos de celulares, sem falar nos últimos assassinatos ocorridos. A proposta era criar, novamente, o Conselho de Segurança Pública de Heliópolis, três anos depois do primeiro debate. Quem tiver olhos, vá até a Delegacia de Polícia e veja as condições da nossa Polícia Civil, prova inconteste de que o tal conselho nem mesmo pó chegou a ser.