Exclusivo!

A morte de Oberleide foi uma fatalidade?

Vagner e Oberleide: relacionamento desfeito pela fatalidade (foto: arquivo familiar) A pergunta que titula esta reportagem ainda fe...

Novidade

domingo, 4 de agosto de 2019

A morte de Oberleide foi uma fatalidade?

Vagner e Oberleide: relacionamento desfeito pela fatalidade (foto: arquivo familiar)

A pergunta que titula esta reportagem ainda ferve na cabeça dos parentes da quase garota que saiu do povoado Angico, em Fátima-Ba, para tentar, ao lado do companheiro, ter uma vida melhor em São Paulo. Oberleide Rosário de Jesus nasceu em Fátima, em 30 de maio de 1996. Como quase todos desta região de fronteira, foi registrada em Cícero Dantas e tem sua carteira de identidade de Sergipe. Era filha de Nailson Rosário de Jesus e de Orleide Benevides do Rosário e convivia uma relação estável com Vagner Santos de Menezes. O casal residia na rua Alécio Messiano, nº 57, em Antártica, Praia Grande-SP.
A caminhada de Oberleide para a morte começou quando sentiu fortes dores e seguiu para a UPA – Unidade de Pronto atendimento de Quietude, também em Praia Grande. Lá foi medicada e seguiu para casa. Como o paliativo que recebeu não resolveu, seu caso piorou e foi socorrida e levada para o Pronto Socorro Municipal de Quietude, em Praia Grande. Foi entubada e apresentava formação de grandes hematomas, com perda sanguínea. Eram 18 horas do dia 31 de agosto deste ano quando a morte foi constatada.
O médico que assinou o Atestado de Óbito, Dr. César Cileno Ponce, alegou como causa da morte hemorragia da glândula suprarrenal bilateral. Na declaração dada pela Dra. Alba Blasotti, que permite o embalsamento do corpo e a abertura para o ritual religioso, diz que Oberleide não tinha nenhuma doença contagiosa. A questão é saber o que causou a hemorragia que matou Oberleide. Foi o medicamento tomado na UPA? Foi a falta de um encaminhamento melhor para realização de exames adequados ou foi mesmo uma fatalidade?
Como não somos médicos, procuramos informações de quem está no ramo. Encontrei esclarecimentos, mas a pessoa pediu para não ser identificada. Disse, então, o especialista que este tipo de hemorragia é muito rara e provoca insuficiência renal aguda. Quando acontece de forma bilateral leva o paciente a óbito em pouco tempo. É necessário o diagnóstico precoce da insuficiência para permitir a terapia adequada em tempo hábil. Sim, e no caso de Oberleide, caso fosse detectado ainda no atendimento na UPA, ela teria sobrevivido? Nosso informante afirma que havia grandes possibilidades de ela não chegar ao óbito.
Chegada do corpo de Oberleide ao povoado Angico (foto: Jorge Souza)
Mas o que causa a hemorragia? São inúmeras as possibilidades: hemofilia, hipertensão arterial, infecção generalizada, metástase de câncer hepática, pós-cateterismo cardíaco e até estresse. Para aumentar ainda mais o mistério, a doença é mais comum em crianças recém-nascidas. É muitíssimo raro atingir um adulto. E vale ainda dizer que ninguém sabia que ela sofria de alguma doença. Teria sido o estresse? Oberleide era manicure e pedicure. Seria um trabalho estressante? Ainda há questões que podem ser levantadas. Embora seja uma doença rara, é curioso que o profissional que a atendeu não atentou para os sintomas, embora não sejam específicos nem característicos. O nosso informante chegou a dizer que, neste caso, o paciente pode exibir sinais e sintomas de hemorragia interna, ou apresentar insuficiência suprarrenal aguda. Havendo dor, a mesma se localiza em regiões que podem apresentar sensibilidade à apalpação. Até mesmo um exame físico poderia identificar massa palpável na região da hemorragia. Por fim, um exame radiológico simples do abdômen poderia revelar opacidade na região lombar. Isso identificaria a doença e as providências poderiam salvar a paciente.
Em suma, o que aconteceu com Oberleide foi uma fatalidade, seguida de um atendimento questionável. Tivesse ela sido socorrida no Sírio Libanês, Samaritano ou Oswaldo Cruz, talvez estivesse viva hoje contando histórias. Não é só problema de erro de diagnóstico médico. É que o Brasil tem duas medicinas: uma para quem pode pagar e o SUS. Se Jair Bolsonaro tivesse tomado a facada e sido socorrido numa UPA teria tido o mesmo destino? Duvidamos. Este país ainda é injusto com seu povo, mesmo que tenha melhorado com a criação do próprio SUS.
Mas com o povo que temos, haverá sim uma hora em que não será preciso fazermos bingos para que nossa gente seja transportada para ser enterrada no seu local de nascimento. Amigos de Oberleide, da Bahia e de São Paulo, em poucas horas, conseguiram toda a grana para o translado aéreo do corpo até Aracaju-Se. A Prefeitura Municipal de Heliópolis fez a parte dos serviços fúnebres e a vereadora Ana Dalva providenciou o transporte da família. Uma união que mostrou o quanto Oberleide Rosário era querida e o quanto de espaço deixará vazio nos corações dos seus amigos e parentes da Bahia, São Paulo e Sergipe.
A multidão que compareceu ao sepultamento foi um capítulo à parte. Teve até serviço de som pedindo às pessoas que abrissem espaço para que os familiares pudessem dar o último adeus a Oberleide. Vai ser difícil entender o que aconteceu e, principalmente, se convencer da fatalidade do caso. O impacto foi tão grande que o marido, Vagner Menezes, após a confirmação da morte da companheira, abandonou tudo em São Paulo e veio para Fátima. Está cabisbaixo e vai demorar um tempo para perceber que a vida segue. Nem mesmo tem ânimo para sua segunda paixão: o motociclismo. A mãe de Oberleide, dona Orleide Benevides, ainda não se recuperou. Enquanto terminávamos esta reportagem, a vereadora Ana Dalva informava que tinha terminado de levá-la a um hospital. Já está em casa e segue doente de dor, dor de perda irreparável, dor de ente querida arrancada dos braços e da vida aos 23 anos. Dor imensa, maior ainda que a multidão presente ao sepultamento na última sexta-feira (02), no povoado Angico. Dor de um povo que luta, que batalha pela sobrevivência em busca de um lugar ao sol, e que, muitas vezes, de repente, como se fosse um castigo injusto, depara-se com a morte.

quarta-feira, 31 de julho de 2019

Poucas & Boas 2019.10

Selfies para registrar o momento inusitado (foto: WhatsApp) 
Helicóptero faz pouso preventivo em Heliópolis
Foi o comentário do dia, o alvoroço da cidade, uma verdadeira quebra de rotina o pouso preventivo feito por um Helicóptero no campo de futebol da cidade de Heliópolis, ao lado do Colégio Estadual José Dantas de Souza. Na verdade, o piloto procurava uma quadra esportiva e visualizou o campo de futebol ao lado do CEJDS, o mesmo onde pousaram os dois governadores, Jaques Wagner e Rui Costa, quando em visitas ao município. Claro que muitos aproveitaram, por brincadeira ou por prevenção, para tirar aquele paletó guardado de ocasiões especiais, dando-lhe utilidade. Muitos aproveitaram para tirar selfies, outros filmaram pequenos vídeos e postaram pousando de dono ou de piloto. Até o professor Rocky se passou por uma espécie de empresário inglês, já que aparentava uma postura bem próxima dos parentes da Rainha Elisabeth. A festa durou pouco, uns 50 minutos. Tempo suficiente para uma negra nuvem se dissipar e permitir o voo até Paulo Afonso, já que a aeronave pertencia a uma empresa que atua naquele município. O piloto, experiente, fez este pouso salutar e chegou em paz.
Ainda é cedo, cedo, cedo.
Embora ainda lá se vão 14 meses para o pleito eleitoral, o Instituto Opinião Marketing e Pesquisas Ltda fez um levantamento na semana passada sobre como andam os candidatos a prefeito de Poço Verde para 2020. A pesquisa foi realizada nos últimos dias 19 e 20 e foi publicada em primeira mão pelo portal NE Notícias, de Aracaju-Se. Na espontânea, Edna Dória tem 19,6% – Iggor Oliveira, 14,7% – Barracão, 3,1% – Professor Lourinaldo, 1,4% – Eduardo de Dr. Milton, 0,7% e Aires do PT também 0,7%. Um total de 6,3% disseram não votar em nenhum deles e a maioria, 53,5%, não opinou. Na estimulada, com o nome dos candidatos, Edna Dória vai a 36%, Iggor chega aos 16,1%, Barracão atinge 10,1%, Professor Lourinaldo tem 4,5% e Eduardo e Aires seguram a lanterna com 1,4% cada. Mesmo com a estimulada, ainda há 9,1% que não querem votar em nenhum deles e 21,3% que preferiram não opinar. É cedo, muito cedo para dizer que se trata de uma realidade para 2020, mas a pesquisa revela que os pequenos estão criando corpo, o prefeito despenca e Edna Dória, por enquanto, é a Dona do Pedaço. Perguntamos ao presidente da Câmara, Alexandre Dias, por que o nome dele não estava na pesquisa. Afirmou que será candidato a vereador. Desistiu até mesmo da vice. Claro, também desistiu cedo demais.
Show de civilidade
O prefeito Ildinho está dando um show de civilidade. Os prefeitos anteriores tinham a mania de deixar as ruas dos adversários em petição de miséria. Hoje, a rua do ex-vereador Mendonça e, até aqui o principal adversário do prefeito, está uma calamidade pública. Ildefonso prometeu iniciar os trabalhos de recuperação esta semana. Lógico que não há esperança alguma de haver algo que una politicamente os dois, mas a rua é da cidade e fica feio não realizar os serviços. Ildinho faz o certo. O que não é correto é pagar dívida de correligionário para que ele possa ser candidato na sua chapa como vice e, depois de eleito e revigorado, pular para o lado oposto.
Não, não é jogada política.
Estou convencido de que o que o presidente da república está fazendo não é um jogo político para estar sempre em evidência nas redes sociais e noticiários. Parece ser um homem que não quer ter paz na vida e também não permitir a paz dos outros. Está dando um trabalhão danado o Congresso e alguns ministros tocarem uma agenda positiva, base para a retomada do crescimento. Aí vem o capitão e solta a franga, literalmente. Besteira maior não foi ele ter dito que o pai do presidente da OAB foi morto pela esquerda, foi dizer que a decisão da Comissão da Verdade foi “balela”. Isso acaba virando reforço para a campanha de Lula como inocente da história. Se o que a Justiça Brasileira e o Estado brasileiro fazem são “balela”, o julgamento de Lula foi uma farsa. Decididamente, Bolsonaro deve perceber que a ficha já caiu e ele é o presidente do país. Já não é mais jogada política, é loucura!
Animais nas estradas
O Estado de Sergipe parece estar sem comando organizado. Está difícil encontrar algum serviço público que funcione perfeitamente. Somente esta semana foram dois acidentes envolvendo animais na pista que liga Poço Verde a Simão Dias. Não há fiscalização por policiamento de trânsito e todas as Leis são infringidas. Um veículo Fiat Doblô, da Prefeitura Municipal de Heliópolis, quando retornava de Aracaju, atropelou e matou um cavalo que apareceu do nada no meu da pista. Sorte é que o motorista estava com velocidade abaixo dos 80 quilômetros. Houve só ferimentos leves, carro destruído e muito susto. Agora, menos um carro para atender aqueles que vivem a busca de solução para os seus problemas de saúde.
Desabafo de um ex-quase aposentado
O Estado da Bahia já destruiu meus sonhos por algumas vezes, mas, confesso, desta vez a minha terra natal resolveu me dar uma porrada maior. Desde 1993 sou professor da rede estadual. Fui o único aprovado para a cidade de Fátima. Depois venho para Heliópolis e sempre dividi meu tempo entre Sergipe e Bahia. Próximo de me aposentar, resolvi fazer outro concurso. Fui aprovado. Larguei Sergipe e optei ficar com os dois contratos da Bahia, sendo que no mais velho dei entrada no processo de aposentadoria dia 31 de maio de 2018. Há 14 meses, ou 420 dias de espera depois, aparece a sentença dizendo que eu não tinha os 30 anos exigidos e me está sendo negado o direito, mesmo com 33 anos e seis meses de trabalho. Não sei o que houve. Acredito que tenha sido um equívoco, mas tudo voltará à estaca zero e terei talvez até que apelar para a Justiça. Para completar, no outro contrato, o pagamento foi suspenso desde abril. Como é difícil ser funcionário público cumpridor do seu dever na Bahia. Pode ser que a coisa se resolva, não tenho dúvida, mas o sacrifício é sobremaneira desumano.

sábado, 20 de julho de 2019

Poucas & Boas 2019.9

Iggor Oliveira: “Eu nunca fui preso!”
Iggor Oliveira não deu entrevista ao Contraprosa (foto: Expressão Sergipana)
O prefeito de Poço Verde teve um breve encontro comigo no São Pedro de Heliópolis. Estava acompanhada de Saulo Emmanuel Abreu – o secretário municipal de Desenvolvimento Comunitário, Assistência Social e do Trabalho. Primeiro foi o Samuel que se queixou da postagem. Disse que fomos muito injustos e que em “Ainda dá tempo para administrar” havia inverdades. Foi aí então que fui apresentado ao prefeito. Depois de questionar a postagem, eu perguntei se ele estava disposto a contestar tudo numa entrevista filmada, sem cortes, pelo tempo que ele desejasse. Não haveria custos. Seria 0800.Topou. Perguntei se poderia ser na casa dele ou na minha. “Na sua”, respondeu. Indaguei ainda se ele estava preparado para responder a tudo, inclusive coisas espinhosas. Confirmou que sim e ainda completou: “Nunca fui preso! Posso responder a qualquer coisa!”. Marcamos para quarta-feira, dia 17 de julho, a partir das 18 horas. Esperamos até meia noite e o prefeito não apareceu.
Está preso, sim!
O prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira, disse que nunca havia sido preso. Como a palavra prisão é muito vasta, ele pode até dizer que o dito não está relacionado a Toinho de Dorinha, mas aos grilhões impecáveis do coração, mesmo que tenha depois que dar explicações a sua senhora. Mas a questão é política, sim, e ele não esteve, mas está preso. Insiste num sistema político da polarização: O nós contra eles. Aposta na formação de torcidas organizadas, transformando o jogo político numa partida de futebol. Não passa por sua cabeça a conscientização das massas, mas o controle sobre as pessoas. É aquele sujeito que acha que com festas e compra de votos se fatura uma eleição. Para não ser injusto com o prefeito, mas não é essa a prática de sempre? Então ele não veio para mudar nada! Se for derrotado, Iggor de Oliveira mostrará que o inovador não conseguiu trazer o novo nem vencer no velho sistema. Será uma dupla derrota!
Contraprosa em Garanhuns
Apresentação de Altemar Dutra Jr. na igreja Santo Antônio, no 29º FIG, em Garanhuns-Pe
(foto: Landisvalth Lima)
O portal Contraprosa está presente na 29º Festival de Inverno de Garanhuns, Pernambuco. Inúmeras reportagens serão produzidas sobre o maior evento cultural da América latina. São dez dias de música, cinema, teatro, artesanato, folclore, dança, circo, palestras, literatura, pintura, escultura e diversas outras artes. Garanhuns está localizada no agreste central de Pernambuco, possui pouco mais de 130 mil habitantes e recebe, durante o FIG, cerca de 500 mil visitantes. O evento cresceu tanto que os espaços ficaram pequenos. As peças de teatro, por exemplo, abrigam apenas 550 pessoas por apresentação no Palco do Centro Cultural. Sete horas antes já tem gente na fila para tentar conseguir um ingresso. Perceberemos, também, embora esteja bem próximo da gente, a apenas 380 quilômetros, temos muito a aprender com Garanhuns e Pernambuco.
Ronaldo e Valdelício
Ainda carece de confirmação, mas uma fonte fidedigna disse ao Landisvalth Blog que o vereador Valdelício Gama foi convencido pelo vereador Ronaldo Santana a não seguir Tiago Andrade como candidato do grupo do grupo do prefeito Ildinho. Ambos abraçaram a candidatura de Evanilson. Não está dito, mas o atual presidente da Câmara Municipal de Heliópolis vê aí uma boa possibilidade de surgir uma vaga para ele na chapa como vice. Entretanto, como seguro morreu de velho, já há oposicionistas ao prefeito divulgando que Zé do Sertão não será o vice de Mendonça. Apostam todas as bolas em Valdelício. Segundo eles, com o vereador da Serra dos Correias, agora vai!
Doriedson corre por fora 
A candidatura de José Mendonça parece que não é uma unanimidade nas hostes dos opositores. Há um grupo sólido que tenta construir o nome do vereador Doriedson da Garagem como o cabeça-de-chapa. Falam até que contam com o apoio do empresário Celso e de outros simpatizantes do grupo de Aroaldo Barbosa. Além disso, o grupo de apoiadores de Mendonça já aceitaria ver a possibilidade de colocar o vereador na vice. A cada dia, fica mais difícil entender o que o vice-prefeito está fazendo por lá.
Marcelinho Veiga
Marcus Cavalcanti - Secretário do SEINFRA
(foto: Divulgação)
Em sua primeira vez como deputado no São Pedro de Heliópolis, Marcelinho Veiga estava todo prosa ao lado de prefeito Ildinho e do secretário Beto Fonseca. Quando tive oportunidade, cheguei perto e perguntei sobre o fiasco da recuperação da estrada. Ele saiu pela tangente e só disse um “Tamo junto”. Foi para o outro lado do palco. Esperamos que esta decepção promova a recuperação da estrada. Agora é preciso fazer justiça: a BA 393 não é responsabilidade do prefeito Ildinho. Há vários vídeos nas redes sociais criticando a colocação de barro nos buracos, para amenizar a situação, com críticas e ironias ao prefeito. O que ninguém diz é que a responsabilidade é do Governo do Estado da Bahia, mais precisamente de Marcus Benício Cavalcanti, secretário de Infraestrutura – SEINFRA. Poupemos até o nome do governador. Este prometeu que mandaria recuperar a estrada até o São Pedro, e o fez. A gestão do processo é do secretário. Ele é o responsável pela lambança. Vamos ver agora como Marcelinho Veiga vai atuar para corrigir o erro. Ainda há tempo.

domingo, 14 de julho de 2019

Samba de Moça Só na casa de Ana Dalva

     É o segundo ano que as meninas da banda Samba de Moça Só prestigiam o São Pedro de Heliópolis. Como sempre andam com seus instrumentos, não perdem tempo. Ano passado resolveram fazer um ensaio no salão da casa da vereadora Ana Dalva e gostaram. Este ano resolveram repetir a dose e também tocaram forró. Pode até virar tradição.

segunda-feira, 1 de julho de 2019

Poucas & Boas 2019.8

BA 393: A recuperação I
Um dos trechos "recuperados" da BA 393, entre Heliópolis-Ba e Poço Verde-Se. (foto: Landisvalth Lima)
Os políticos estão tão desacreditados que é preciso alguém orientar um passo a passo para que muitos deles não caiam em esparrelas. Marinheiro de primeira viagem, o deputado Marcelinho Veiga (PSB) teve seu nome literalmente jogado nos buracos da BA 393. O prefeito Ildinho fez questão de informar a todos os órgãos de imprensa da região que a operação tapa buracos na rodovia foi conseguida pelo novo deputado. Genro apadrinhado do deputado federal Marcelo Nilo, seria o seu primeiro grande feito para justificar os 2.258 votos no município. O serviço foi tão mal feito que ninguém se atreve a dizer que foi coisa conseguida por um deputado. Pior é que faltam poucos dias para a festa de maior tradição da cidade e a promessa do governador Rui Costa pode não ser paga. E duvidamos que o governador saiba disso. Se o prefeito e o deputado exigirem, cabeças vão rolar. Caso contrário, tudo estará no mesmo lugar, graças a Deus! Porque na Bahia tudo é diferente.
BA 393: A recuperação II
Não custa lembrar a maldição da nossa região quando o assunto é rodovia. Parece que somos uma região amaldiçoada, mesmo que caminhões de votos sejam despejados a cada quatro anos. Marcelinho Veiga era um ilustre desconhecido, indicado por Marcelo Nilo. Pronto, tome votos! Em Antas ele teve 6 em cada 10 votos. Em Heliópolis foi 1 em cada 4. É muito voto para nada! Esta estrada foi inaugurada há 8 anos, em 8 de junho de 2011, na época do governo Wagner. Um simples recapeamento daria mais 8 anos de vida à rodovia. Nem mesmo conseguimos um tapa buracos bem feito. Quando as eleições se aproximarem, quem estiver na prefeitura pode cometer os mesmos erros. Os votos continuarão encabrestados e nem mesmo manteremos o que já conseguimos. A BA 393 corre risco de desaparecer novamente.
São Pedro Seeway 2019, Poizé
Depois da divulgação da programação do São Pedro 2019, duas atrações vão ter que provar que a turma do contra estava errada. As mensagens que chegam ao blog são de lamentos e mais lamentos sobre a Banda Seeway. Uns falam que deveriam simplesmente mudar a atração, outros não gostam da banda e pronto! Outra crítica direcionada é sobre o Poizé. Falam que é desconhecido, que ninguém nunca ouviu falar e outros já afirmam ser ruim sem nem ao menos conhecer. Precisam fazer bons shows, ou melhor, ótimos shows para espantar as críticas negativas. Caso contrário, ficará valendo a máxima de que o público sempre tem razão.
E por falar em Forró...
Aquele público leal ao São Pedro tradição está perdendo a paciência com a festa de Heliópolis. Depois da programação divulgada, muitos lamentos. Um deles é do colega Gilberto Jacó. Disse o diretor do CEJDS: “Sinceramente, eu nunca vi uma programação tão fraca para a grandeza do São Pedro de Heliópolis. Nesses pouco mais de trinta anos de São Pedro, Heliópolis se consolidou como uma das melhores festas da Bahia, principalmente pelo acolhimento e animação do seu povo. A programação era pensada para manter a tradição do FORRÓ e o nível dos artistas renomados que por aqui já passaram. Porém, nos últimos anos, o São Pedro de Heliópolis virou um showzinho a parte para agradar ao gosto dos organizadores - e que gosto! Se antes a briga era para saber qual dia era o melhor, hoje a briga é para saber qual o menos pior. Eu já escolhi o meu, espero que toquem forró.” Gilberto é o cara!
Dois para mim e um para tu
Nos bastidores da política sempre há burburinhos. Registramos mais um, dessa vez por causa de festa. Os queixosos: vereadores aliados do prefeito. O queixado: vereador José Clóvis. Motivo? O cara tem o maior prestígio no grupo do prefeito. É o único que tem dois forrós ao seu inteiro dispor: O São João na Roça da Maçaranduba e o Forró da Toca do Papagaio. Por falar nisso, o último, realizado no sábado (29) foi considerado surpreendentemente muito bem organizado. Alguns chegaram a dizer que foi melhor que o do povoado. A atração maior foi Alaelson do Acordeom e foram elogios e mais elogios. Mas a ciumeira está brava com o queixado. Depois de José Clóvis, só o vereador Ronaldo tem o Forró na Roça do Riacho para chamar de seu. Já imaginaram se cada vereador do prefeito Ildinho tivesse dois forrós?
Toinho de Dorinha não falou
O ex-prefeito de Poço Verde Toinho de Dorinha marcou encontro para uma entrevista com o portal Contraprosa. A coisa não deu certo porque parece que ele não quer falar. Acha que pode comprometer alguma articulação. Vamos deixar o homem pensar. Uma hora ele fala e há muito mesmo a falar. Também serão entrevistados o professor Lourinaldo, Denisson Curvelo e o prefeito de Poço Verde, Iggor Oliveira. O portal só está aguardando o sinal verde.
Não dá para entender!
Quem frequenta as redes sociais, principalmente quem participa de grupos onde há professores e funcionários públicos, não pode imaginar como Rui Costa foi eleito em 1º turno, com a votação máscula que obteve. Principalmente, não vai entender como, entre os funcionários públicos e professores, ele obteve percentuais que ultrapassam 70%. Os xingamentos contra o governador chegam ao nível do baixo calão. Os problemas são os mesmos: aposentadorias engavetadas, licenças não aprovadas, cortes de benefícios, salários cortados, sistema RH atormentado a vida do funcionalismo, falta de percentuais de aumento... Enfim, as reclamações parecem coisas de opositores. Nem mesmo quem votou contra bate tanto no governador. Esse parece ser um grande desafio para o governador este ano. Ou melhor, um deles!