Exclusivo!

Rede com nova direção na Bahia

Os novos dirigentes da Rede na Bahia (foto: Landisvalth Lima) O partido Rede Sustentabilidade elegeu neste domingo (10) a sua nova com...

Novidade

sábado, 9 de novembro de 2013

A obra inútil de 100 mil reais

                                                     Landisvalth Lima
Tudo voltou a estar como antes. (Fotos: Landis Filho)
Minha mãe dizia que se conhecia o prefeito de uma cidade pela limpeza de suas ruas e a qualidade de suas avenidas. Se isso for levado em conta, em Heliópolis, o prefeito Ildinho Fonseca já está reprovado. Estamos no iniciar do seu 11º mês de administração e a única obra feita pelo atual alcaide foi a recuperação do calçamento da parte urbana da BA 393, que na sede leva o nome de Avenida Helvécio Pereira de Santana. Também a via passa pelos povoados de Farmácia e Tijuco e, na passagem urbana dos povoados, o asfalto dá lugar ao calçamento. Hoje, em vários locais, não há mais calçamento. O custo desta recuperação inútil foi de mais de 100 mil reais.
Parece que a principal função da BA 393 é torrar recursos públicos. A obra realizada pelo Governo do Estado começou com um custo de poucos mais de 9 milhões e foi concluída com mais de 18 milhões. Aproveitando-se da falta de informação do povo, o prefeito anterior empenhou o calçamento da saída para Poço Verde como obra municipal, denúncia feita pela vereadora Ana Dalva, num custo que ultrapassou os 150 mil reais. Após a inauguração, o calçamento começou a afundar e a administração anterior fez várias intervenções a custos consideráveis. Agora, o prefeito eleito Ildinho Fonseca resolveu no início do mandato cuidar do problema de uma vez por todas e fez licitação para reparos no valor absurdo superior a 100 mil reais, para ficar tudo como antes.
A principal avenida da cidade continua deteriorada. (fotos: Landisvalth Lima)
Muitos podem até afirmar que 100 mil é pouca coisa, café pequeno. Mesmo que o problema tivesse sido resolvido, ainda o custo seria altíssimo. Como nada foi resolvido, 100 mil reais foram jogados fora. Essa quantia seria suficiente para terminar o calçamento da Isaías Ribeiro, comprar 04 veículos zero quilômetro para atender a comunidade, recuperar com sobra a Praça XV de Novembro ou fornecer fardamento escolar completo (com tênis) a mais de mil alunos. Pior é que está comprovado que, além da suspeita de superfaturamento, está comprovada a ineficiência da empresa na realização da obra. Para completar o drama, como é que a empresa é contratada e quem comanda a obra é um funcionário de CC da prefeitura? Lá no Tijuco, o cabeça da obra foi o ex-vereador Mundinho do Tijuco. Haja eficiência!
Mas temos que ser justos com Mundinho. Onde houve recuperação a obra está do mesmo jeito ou pior. Também não vamos culpar o secretário de obras, já que a empresa responsável fez o trabalho. A desgraça está nos objetivos. A obra foi feita para resolver os problemas do tráfego de carros ou do tráfico de propinas? Pelo jeito, a visão aguçada do atual prefeito de conseguir exatidão no peso dos garrotes não está servindo para fazer Heliópolis voltar a sorrir. Até a oposição, que estava numa trégua meio morna, já dá sinais de falta de paciência. Na última sessão da Câmara Municipal, Giomar e Mendonça começaram um revezamento na base do bate lá que eu bato cá. E já ameaçam armas mais pesadas. Nos bastidores chegam a dizer que a fé de Ana Dalva no prefeito não chega ao fim do ano.
Edmeia Torres animada
Com a abertura das inscrições para concorrer aos próximos quatro anos como presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Heliópolis, Edmeia Torres protocolou sua chapa para concorrer. Ela deve receber o nº 1. Até esta manhã, a outra concorrente inscrita era a liderada por Juarez Carlos, ex-presidente da STRH, que deverá ser a nº 2. O prazo de inscrição venceu hoje e mais uma chapa foi inscrita, a chapa 3, liderada por Mundinho do Tijuco, que disputava espaço com Marcinho. Logo após ser inscrita, a chapa sofreu sua primeira baixa com a renúncia de Marcinho. Este último, segundo afirmam, poderá apoiar a chapa nº 1. Dona Edmeia falou ao Landisvalth Blog que está muito confiante, que não tem medo da disputa e não tem dúvida da sua vitória. “Os problemas são os dirigentes que ficam atrapalhando e impedindo o povo de tomar a decisão.”, disse. Dona Edmeia se refere a um questionamento do advogado Joel sobre a idade de um membro da chapa, representante da juventude. Uma resolução nacional fala que a idade limite para participar é de 32 anos. Como a idade foi completada em maio, o advogado insiste em dizer que ela tem mais de 32 anos. É que ele deve ter sido estudante de uma faculdade diferente. Mesmo assim, a esposa de Joaquim Torres não se cansa e está na luta, como sempre fez em toda sua vida de trabalhadora.
Edmeia Torres na luta pelo STR de Heliópolis. (foto: Landisvalth Lima)
Merendeiras do estado em greve
Mais de 400 merendeiras que trabalham em escolas da Rede Estadual de Ensino em Salvador estão em greve por causa do atraso no pagamento dos salários. Por conta da falta de merenda, o horário das aulas foi reduzido, já que cerca de 1,1 mil alunos estão sem alimentação. Um dos casos registrados é o da Escola Nogueira Passos, no bairro da Pituba, em Salvador, onde estudam 800 jovens. A Secretaria Estadual de Educação não informou quantas unidades de ensino do Estado estão prejudicadas pela greve das merendeiras. Sobre o problema com a Líder, a pasta informou que deve cancelar o contrato e que todos os direitos das merendeiras vão ser cumpridos. Além disso, acrescenta que está garantida a permanência delas na nova empresa que vai ser contratada pelo governo da Bahia. Só que o problema é do governo e não da empresa. (Bahia Notícias).
Roubaram ônibus escolares
Vinte ônibus escolares foram furtados no pátio da Secretaria de Educação do Estado da Bahia no último dia 31 de outubro. Os criminosos levaram os tacógrafos dos veículos enquanto eles estavam estacionados no Centro Administrativo da Bahia (CAB). De acordo com informações da Secretaria de Educação, os aparelhos foram recolocados nos veículos antes desta quinta-feira (7), quando 79 ônibus - incluindo os roubados - foram entregues para prefeitos baianos. Os tacógrafos são usados nos veículos para monitorar a distância percorrida, a velocidade e o seu tempo de uso. A ocorrência sobre o furto dos equipamentos foi registrado na Delegacia de Crimes Econômicos e Contra a Administração Pública. O inquérito está sob a responsabilidade da delegada Maria Aparecida Guerra. (Correio)
Baianos ameaçados
Uma carta intitulada "aviso para os baianos" circula nas redes sociais na última semana em tom de ameaça aos baianos que moram em Brusque, em Santa Catarina. No documento, que não é assinado, os moradores ameaçam matar os migrantes que, de acordo com eles, "perturbam o sossego" da população local. A carta diz que Brusque foi invadida nos últimos cinco anos "por migrantes de outros estados, principalmente da Bahia, das cidades de Itabuna, Ilhéus e Buerarema". De acordo com o documento, a maioria desses migrantes está "incomodando a vida dos moradores locais fazendo um inferno como: ouvir música em alto volume". O aviso diz que foi formado um grupo com 28 pessoas para "dar um basta nessa situação". Eles alegam que fizeram um levantamento e identificaram 34 carros e 22 motos de baianos, que, de acordo com eles, são desordeiros. O grupo afirma também que guarda fotos dessas pessoas. No alerta, os moradores dizem que pretendem "eliminar" essas pessoas, matando os migrantes. A assessoria da Polícia Civil de Santa Catarina disse que não foi registrado Boletim de Ocorrência (B.O) sobre o caso, o que impede que a suposta ameaça seja investigada. (A Tarde)
Concurso de Heliópolis 
Depois de o Poder Executivo azucrinar a Câmara Municipal de Heliópolis, alegando prazo apertado para fazer reformas na Lei que estabelecia as regras do Concurso Público, parece que a SEPROD, da cidade de Alagoinhas, vencedor do certame licitatório, não está nem aí para a questão do tempo. Quase um mês depois da licitação, nada acontece. Só há um aviso de que será um dos próximos concursos da empresa e nada mais. Parece que o desinteresse não é só da maioria dos políticos de plantão no poder. Diga-se de passagem, a empresa foi a única a concorrer. Por conta da demora, boatos de cartas marcadas começam a circular pela cidade. Até telefonemas são feitos em busca de garantir a vaguinha com antecedência. O vereador Mendonça chegou a dizer que sabe que o concurso será fraudado. A vereadora Ana Dalva espera que tudo seja apenas boatos de rua. No fundo, tudo isso é reflexo da insatisfação popular com o prefeito.