Exclusivo!

TCE fará evento no CEJDS

TCE quer alunos praticando cidadania (foto: divulgação)      O Tribunal de Contas do Estado da Bahia – TCE – está desenvolvendo o pr...

Novidade

quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Sem Marina, Dilma venceria no 1º truno

         MÁRCIO FALCÃO – da Folha de São Paulo
Marina Silva é a melhor opção de oposição ao PT
A menos de um ano das eleições de 2014, a presidente Dilma Rousseff segue favorita na corrida pelo Palácio do Planalto, segundo pesquisa divulgada nesta quinta-feira (7) pela CNT (Confederação Nacional do Transporte). O levantamento aponta que Dilma, se disputasse a reeleição com o governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB), venceria já no primeiro turno. Se a disputa fosse com a ex-senadora Marina Silva, mais nova filiada ao PSB, haveria chances de segundo turno. Em outubro, após ver a Justiça eleitoral negar o registro de seu partido, Marina se filiou ao PSB, no momento mais surpreendente da disputa até agora. Campos e Marina, no entanto, evitam cravar quem será o candidato à Presidência e adiam a decisão para 2014. Na disputa com Campos em um primeiro turno, Dilma, conforme a pesquisa, tem 43,5% das intenções de voto. O senador Aécio Neves (PSDB-SP) aparece com 19,3% e o socialista registra 9,5%. No cenário com Marina, Dilma tem 40,6% das intenções de voto, a ex-senadora alcança 22,6% e Aécio Neves soma 16,5%. Segundo o levantamento, 20% votariam em branco, nulo ou em nenhum dos candidatos, enquanto 7,8% não sabem ou não responderam. No segundo turno, Dilma teria 45,3% contra 29,1% de Marina. Com Aécio, a petista alcança 46,6% e o tucano 24,2% das intenções. Em outra simulação, Dilma teria 49,2% e Campos 17,5%. Segundo a avaliação do instituto MDA, responsável pela pesquisa encomendada pela CNT, o levantamento indica que não há transferência de voto direta entre Marina e Campos. Os dados mostram que a saída de Marina favorece Dilma, que herdaria 7 pontos percentuais dos votos da ex-senadora. A pesquisa não avalia cenários com o ex-governador José Serra (PSDB), que tenta se viabilizar como candidato do PSDB ao Planalto. O levantamento foi feito entre os dias 31 de outubro e 4 de novembro. Foram ouvidas 2.005 pessoas, em 21 Estados. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais.
ESPONTÂNEA
Na pesquisa espontânea (quando não são apresentados os nomes), a preferência pela presidente Dilma passou de 16% em setembro para 18,9% agora. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva aparece em segundo, mas oscilou de 9,7% para 7,5%. Aécio Neves que tinha 4,7% passou para 6,7%. Marina Silva passou de 5,8% para 5,6% e Eduardo Campos, de 1,6% para 2,2%. José Serra tinha 1% e passou para 0,6%. Geraldo Alckmin foi de 0,5% para 0,2% e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa, de 0,5 para 0,1%.
REJEIÇÃO
Dilma ainda conseguiu reduzir seu índice de rejeição, passando de 41,6% em setembro para 36,5% do atual levantamento. Em contrapartida, aumentou o índice de rejeição de Aécio (36,8% para 38,7%), Marina (30,8% para 33,6%) e Campos (33,5% para 37,3%).
PREFERÊNCIA
O PT continua como o partido que o entrevistado mais quer ver na Presidência em 2014 com 21,5% das intenções. Em setembro, esse índice era de 21,9%. Em seguida, vem o PSDB com 4,5% e depois o PSB com 2,1%. Na sondagem anterior do instituto, quando Marina e Campos não estavam aliados, a presidente Dilma tinha 36,4% das intenções de voto. Marina aparecia em seguida, com 22,4%. Na sequência, estava Aécio Neves (PSDB), que manteve os mesmo 15,2% do levantamento anterior, e Eduardo Campos (PSB), com 5,2% da preferência dos eleitores.