Exclusivo!

Presidente do OAB-SP critica lentidão da Justiça

'Temos juízes com férias de 60 dias e outros que não trabalham de segunda e sexta', diz presidente da OAB-SP sobre lentidão da Just...

Novidade

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Vice: cemitério de políticos

                                                        Landisvalth Lima
Vereadora Ana Dalva fugindo da vice e dos vices  (foto: Landisvalth Lima)
O lugar mais cômodo da política é o ilógico. Não esperem que a política siga o curso normal da natureza. O comum é sempre surpreender. Se se procurar justiça, nem pense que ela terá lugar. Hoje, para exemplificar tudo isso, temos uma personagem: Ana Dalva.
Enquanto todos na política de Heliópolis procuram partidos fortes ou legendas de fácil manipulação, a vereadora Ana Dalva trocou 20 anos de PPS, que nunca foi legenda sólida na Bahia, por um partido ainda engatinhando, a Rede Sustentabilidade. Apesar disso, foi o primeiro partido a declarar apoio a Ildinho e não reivindicou o lugar de vice na chapa, o que seria comum. Ana Dalva e seus marineiros fizeram logo isso para evitar quaisquer falatórios que envolvesse seu nome ou da legenda. Queria tranquilidade para lutar pela sua reeleição e tentar emplacar Diego Souza numa segunda cadeira.
A única exigência do partido e de sua principal representante foi não ter nomes problemáticos na chapa de Ildinho: Giomar Evangelista, Walter Rosário ou Zé do Sertão. Depois, contrariando decisão do partido, em nome da união do grupo, aceitou a inclusão de Zé do Sertão na chapa, mas o porta voz da Rede, que escreve este artigo, colocou uma condição: que a presidente do PROS – Partido Republicano da Ordem Social – e filha do candidato a vice, publicasse na Internet um pedido formal de desculpas sobre as mentiras ditas contra o prefeito, este blogueiro, Ana Dalva, Beto Fonseca e vários outros. Até agora nada foi feito.
Nos últimos três dias, a oposição vem insistindo para tirar Ana Dalva do grupo do prefeito, justamente por saber da insatisfação do partido em relação à escolha do vice. Gilberto Jacó quer Ana Dalva como vice dele e o vereador Mendonça também. Tanto este professor como a vereadora já fizeram ver que não há hipótese de Ana Dalva ser vice de ninguém, nem mesmo de Ildinho. O honroso lugar de vice-prefeito é cemitério para político em Heliópolis. Está aí Gama Neves que não me deixa mentir. Não conseguirá nem disputar esta próxima eleição. Dona Vanda foi vice duas vezes, quando terminou o mandato foi para casa e nunca mais disputou cargo algum.
Todos também sabem que o único vice a assumir a prefeitura foi Genival Nunes. Saiu do mandato para nunca mais disputar nada e até hoje não recebeu até o seu último salário. O primeiro vice-prefeito de Heliópolis está completamente esquecido. De todos os políticos que tiveram mandato em Heliópolis, quatro já faleceram. Dois vereadores, João Gualberto (João de Ananias) e Manoel Francisco de Matos (Manelão), e dois ex-vice-prefeitos, Dona Vanda e Antônio Rodrigues de Oliveira (o Clóvis). Este último só foi vice uma única vez. Depois lutou para sobreviver como professor. Doente, fez tudo para se aposentar e faleceu dia 30 de maio deste ano. Hoje recebemos um telefonema da Secretaria de Educação: Clóvis estava aposentado desde 7 de junho, uma semana após a sua morte. Ninguém sabia de sua morte lá em cima.
É um cargo útil, mas desonrado por aqui. Não se entende como alguém faz o que fez Zé do Sertão só para ser vice, a não ser que tenha certeza de que assumirá um dia. O diabo é saber como tanta gente que não quer ser vice oferece a vice. Acho que é para descartar o sujeito. Colocá-lo lá no canto quieto e não permitir que ele interfira na administração. Prova é Santaninha, hoje primeira dama, que também foi vice, mas nunca interferiu na administração e nem influenciou em coisa alguma. Mesmo porque, quem estava como prefeito, nunca deu oportunidade, embora hoje exija para si. 
De modos que, contrariando a lógica, Ana Dalva diz que só iria para ser a candidata a prefeita das oposições. Aí disputaria uma eleição diferente, contra um prefeito que trabalhou, para construir um debate da Heliópolis do futuro. Como a coisa não é assim, e Ana Dalva não tem 1 ou 2 milhões para fazer crescer a ambição de alguns cabos eleitorais, ela pede aos colegas que lancem logo a chapa porque a eleição começa sábado e ela precisa pedir votos no meio da Feira.