Exclusivo!

Lula aposta no convencimento da mentira

Novidade

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Professora salva 58 crianças em Mariana

Moradores correram para locais altos após saber do rompimento das barragens, mas ninguém do colégio estava ciente da gravidade da situação
Eliene:"Qualquer um faria o mesmo".
(foto:Reuters/Ricardo Morais)
A primeira reação que Eliene Almeida, diretora de uma escola municipal em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, em Minas Gerais, recebeu sobre a inundação de lama que destruiu seu vilarejo foi um grito de seu marido. Então ela reuniu as crianças e salvou 58.
A maioria dos moradores correu para locais altos após ouvir notícias sobre o rompimento de barragens da mineradora Samarco, mas ninguém dentro da escola estava ciente de que uma muralha de 20 metros de lama e água estava se aproximando.
O marido de Eliene correu para a escola e alertou todos. "Ele chegou gritando que tínhamos que correr", disse Eliene, em entrevista em um hotel que está recebendo sobreviventes do desastre ocorrido na quinta-feira no distrito do município mineiro de Mariana. Desesperada, ela reuniu as crianças, na maioria com idades entre 11 e 16 anos. "Em três minutos todos já estavam fora", disse.
A inundação matou pelo menos duas pessoas. Outros dois corpos foram encontrados, mas ainda não foi confirmado se essas duas mortes têm relação com o acidente. Nesta segunda-feira, quatro dias depois do desastre, 25 pessoas ainda estão desaparecidas, mas todos os 58 alunos de Eliene sobreviveram.
Vestindo calças vermelhas e uma camiseta roxa, ela segurava seu filho de um ano e seis meses no parque infantil do hotel, enquanto recordava calmamente a retirada dos alunos. A perna de seu filho estava em um gesso, após sofrer um tombo no hotel. "Ele está se acostumando com a casa nova", disse Eliene, 31 anos, esboçando metade de um sorriso.
Pouco restou da escola que era o orgulho do vilarejo de 600 habitantes. Somente o telhado está visível, o resto está submerso em espessa camada de lama e resíduos de minério de ferro das barragens da Samarco, pertencente às gigantes BHP Billiton e Vale. A falta de uma sirene ou de um plano de emergência para a retirada dos vilarejos próximos às barragens é uma queixa constante dos que foram atingidos pelas inundações e algo que procuradores dizem que questionarão. 
Um relatório de 2013 de um procurador estadual alertou sobre sérios problemas de segurança na barragem da Samarco. De acordo com o relatório, um plano de emergência deveria ter sido criado para Bento Rodrigues, com exercícios práticos, como condição para a renovação da licença para a barragem. Os moradores dizem que tal plano nunca foi formulado.
O prefeito de Mariana, Duarte Junior, que foi levado para um hospital no domingo por suspeita de um ataque cardíaco por conta da falta de sono e estresse desde o acidente, chamou Eliene de "heroína". "Não vejo assim", disse a diretora da escola, encolhendo os ombros. "Qualquer um teria feito o mesmo". Ela disse que foi sorte a inundação ter ocorrido à tarde, quando os alunos mais velhos, que conseguem se mover mais rapidamente, estavam em aula.
Outro fator positivo era o tamanho grande dos portões de entrada, que permitiram a fuga das pessoas. "Poderia ter sido muito pior", afirmou. Eliene espera que uma nova escola seja aberta e diz que é importante que as crianças voltem a ter aulas. Mesmo assim, diz ela, as coisas nunca mais serão as mesmas. "Você pode construir uma escola nova, mas todo o trabalho que ocorreu naquela escola em Bento, o que significava para a comunidade, foi embora para sempre", acrescentou.
Informações REUTERS e portal UOL.