Exclusivo!

Divulgada a lista do Prêmio Impacto de Consagração Pública

Foto superior: Os consagrados presentes na entrega dos troféus na Câmara Municipal de Heliópolis (L&L) Foto inferior, lado esquerdo: p...

Novidade

sábado, 5 de maio de 2018

Dois fatos que revelam o Brasil

Fato 1
No Japão - A polícia da região oeste do Japão prendeu um fugitivo após uma grande caçada humana que se estendeu por mais de 20 dias. O homem havia escapado de um presídio semiaberto no início do mês. Depois de ter recebido uma informação, a polícia capturou Tatsuma Hirao em Hiroshima pouco antes do meio-dia desta segunda-feira. A operação envolveu 1.200 policiais e auxiliares na procura do fugitivo, que era apenas um bandido mediano. Como demorou muito e causou transtornos à população, as autoridades pediram desculpas ao povo.
No Brasil – O Ministério Público Federal instaurou nesta quarta-feira (2) um inquérito para apurar a responsabilidade pelo incêndio e desabamento do edifício Wilton Paes de Almeida, na região do Largo do Paissandu, no Centro de São Paulo, na madrugada de terça-feira (1º). A investigação procura os responsáveis pela tragédia. A Prefeitura de São Paulo aponto o dedo para o Governo Federal, que aponta o dedo para o Movimento dos sem teto. Ninguém se acha culpado, ninguém viu nada e todos tentaram ajudar os miseráveis.
 Fato 2
Na Inglaterra - Um ministro do governo britânico pediu demissão por não comparecer à Câmara do Parlamento no momento em que deveria responder uma pergunta a parlamentares. Quando chegou após poucos minutos de atraso, Michael Bates, que trabalha no Departamento para Desenvolvimento Internacional, se desculpou e abandonou o local, deixando os presentes em choque. Depois, o governo britânico disse que a renúncia tinha sido rejeitada, e Bates continua em seu cargo.
No Brasil – Dos 28 ministros do governo Michel Temer, 1 terço deles está em processo de investigação por crimes que vão de lavagem de dinheiro a corrupção. Muitos ainda estão no exercício do cargo e dizem que é tudo invenção dos adversários. Ampliando mais o leque, por aqui há uma mania desgraçada de dizer sempre que a Justiça tem lado, mas sempre o acusado é inocente. Há muitos deles que chegam a apelar para o que fez ou deixou de fazer, quando ocupavam cargos e, por isso, são perseguidos. A tônica é sempre se dizer a favor do Brasil, dos pobres e da democracia. Renunciar aos cargos ou pedir desculpas, jamais!