Exclusivo!

O predador da Petrobrás

Sérgio Gabrielli (foto: Terra.com) Em apenas uma única obra da Petrobrás, o Comperj – Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, localiz...

Novidade

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Rapaz assassinado a tiros em Heliópolis

Tiquinho morreu no local
João Batista Santos Silva, a 12 dias de completar 21 anos, conhecido por Tiquinho, teve sua vida ceifada no início da noite desta segunda-feira (27), numa rua que liga a Praça do Forró (Rua Régis Pacheco) à Praça do Mercado (Praça Isabel Ribeiro), no centro de Heliópolis. Ele estava passando férias na cidade, já que trabalhava em São Paulo. Estava com passagem marcada para aquele estado com data da próxima quinta-feira (30), depois de se divertir na Festa do São Pedro em Heliópolis. Até o fechamento desta postagem, o IML ainda não tinha chegado para reconhecimento do corpo. Havia uma multidão no local e todos se perguntavam quais os motivos para crime tão bárbaro. O vereador José Clóvis, que reside próximo ao local, ainda chegou a ligar para a Secretária de Saúde, vereadora Ana Dalva, para providenciar uma ambulância na esperança de salvar o rapaz baleado, mas já era tarde. Eram visíveis perfurações a bala na cabeça e na altura do tórax, no local do coração. Tiquinho teve morte instantânea.
Tiquinho faria 21 anos
Outrora, o município de Heliópolis era um poço de paz. Um crime acontecia em dezenas de anos e assombrava toda a comunidade. Agora, parece que tudo caminha para o desassossego. Boa parte dos crimes estão relacionados ao comércio e consumo de drogas ou a roubos diversos. No caso do assassinato de Tiquinho, ainda não há nada que possa levar a polícia aos executores do crime. Curioso é que, dos últimos assassinatos ocorridos no município, todas as vítimas eram jovens que ainda não tinham ultrapassado os trinta anos. A violência está vitimando nossa juventude e não há uma efetiva ação nos níveis de governo para dar uma esperança ao povo de que tudo isso é passageiro. Por enquanto, está virando rotina.