Exclusivo!

Heliópolis: Populares reagem e bandido é morto em assalto a ônibus

Mais um assalto a ônibus acontece na zona rural de Heliópolis Mais um assalto a ônibus acontece em Heliópolis. Desta vez, o veículo ass...

Novidade

sábado, 17 de maio de 2014

Garis só recebem 200 reais

As Garis não conseguem viver com 200 reais
Com essa história de não realização de concurso para zeladores, merendeiras, porteiros e garis, muitos prefeitos se aproveitam da situação para colocar empresas de fachada na terceirização dos serviços. Não são raros os acordos para passar uma grana preta por fora. Como o desemprego nesta área de profissionais sem um estudo fundamental é grande, as empresas contratadas não registram a atividade em Carteira Profissional e nem mesmo pagam o salário mínimo. Se os fiscais do trabalho quisessem, encontrariam inúmeros casos em nossa região. Como há poucos fiscais, ou quase nenhum, os prefeitos deitam e rolam. E não é raro, quando entrevistamos um desses trabalhadores, ainda agradecerem ao prefeito por ter arranjado um empreguinho na prefeitura. Eles não têm a mínima noção de que estão realizando um trabalho de semiescravidão. Mas, de vez em quando, alguém resolve botar a boca no trombone.
Foi isso que aconteceu na cidade de Araci. Garis do município afirmam que recebem entre R$ 200 e R$ 250 por mês para trabalhar. Eles alegam não terem carteira assinada e que o valor é pago por uma cooperativa contratada pela prefeitura. “R$ 200 não dá nem para cobrir o que eu compro fiado. Não posso comer pra deixar meus netos com fome”, reclama Josefa Lima de Andrade, de 45 anos, que mantém uma casa com cinco filhos e dois netos. Outros trabalhadores receberiam R$ 250 para limpar o açougue da cidade. O secretário de Administração de Araci, Ueston Silva Pinto, diz que desconhece o valor recebido pelos garis e que a prefeitura não é responsável pelo serviço de limpeza, que seria gerido pela Cooperativa de Trabalhadores e de Serviços em Gerais da Bahia (Prescoop), de Vitória da Conquista. A cooperativa receberia, segundo Ueston, R$ 118.750 mil por mês. “Ocorrendo o ato, comprovando a situação, a minha obrigação como secretário de Administração é abrir um procedimento administrativo e convocar a empresa para que ela preste esclarecimento”, prometeu. Pelo jeito, a Polícia Federal não vai ter descanso tão cedo. 
Com informações básicas do G1 e do Bahia Notícias.