Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Deda está com câncer


VALTER LIMA – da Folha de São Paulo
Marcelo Deda (PT) - Governador de Sergipe
O governador de Sergipe, Marcelo Déda (PT), 52, está com câncer no estômago, informou nesta segunda-feira (1º) o hospital Sírio-Libanês, de São Paulo. Segundo comunicado divulgado pelo hospital, Déda, que está internado desde a última quinta-feira (27), foi submetido a exames que confirmaram uma "neoplasia gastrointestinal" e "iniciará tratamento por quimioterapia por um período que ainda está sendo definido pela equipe médica". A nota afirma ainda que em razão das circunstâncias o governador não irá votar nas eleições do próximo domingo (7). As equipes médicas que acompanham Déda são coordenadas pelos médicos Roberto Kalil Filho e Paulo Hoff. Há duas semanas, Déda sentiu uma indisposição na região do abdome, em meio a uma agenda intensa de audiências públicas e atividades eleitorais. Os primeiros exames, ainda em Sergipe, identificaram uma inflamação no cólon. Com o primeiro diagnóstico, Déda suspendeu suas atividades. O vice-governador, Jackson Barreto (PMDB), assumiu interinamente a administração. Ainda não há previsão de retorno de Déda a Sergipe. Na quinta-feira (27), Jackson reuniu secretários, explicou a situação da saúde do governador, pediu que o ritmo da gestão fosse mantido e pediu que todos continuem participando da campanha de Valadares Filho (PSB), candidato a prefeito por Aracaju apoiado pelo governo. O próprio Déda, ainda na quinta-feira, havia afirmado, em mensagem publicada na internet, que estava "em Sampa fazendo exames" e convocou a militância a ir às ruas fazer campanha para Valadares Filho, que tenta levar para o segundo turno a disputa contra João Alves Filho (DEM). Em 2009, o governador passou por cirurgia para retirada de um nódulo benigno no pâncreas. Na época, ele ficou afastado da administração por cem dias.