Exclusivo!

Rede com nova direção na Bahia

Os novos dirigentes da Rede na Bahia (foto: Landisvalth Lima) O partido Rede Sustentabilidade elegeu neste domingo (10) a sua nova com...

Novidade

domingo, 2 de setembro de 2012

ISTOÉ revela que um homem ajudou a esquartejar Marcos Matsunaga


ISTOÉ teve acesso a exames da polícia científica que provam que Elize Araújo teve um cúmplice no assassinato de seu marido. Testes de DNA mostram que pelo menos uma pessoa, do sexo masculino, ajudou-a a cortar o corpo do empresário
Antônio Carlos Prado – portal da revista ISTOÉ.
O laudo revela mais do que Elise disse

DÚVIDA
A filha de Mauriceia também cuidava da bebê dos Matsunaga.
Ela diz que no domingo saiu do
apartamento às sete e meia da noite. Como Elize chegou
somente as onze e meia, a criança, de um
ano, ficou sozinha por quatro horas? Ou quem ajudou a
esquartejar ainda permanecia no apartamento?
  

DEPOIMENTOS
No DHPP, a dentista Luciana Chinen disse que foi procurada pela
babá Mauriceia (Célia), que lhe
pediu um falso atestado médico para o marido. Para policiais,
 isso pode indicar a busca de um álibi
 
Um laudo do Instituto de Criminalística da Polícia Técnico-Científica de São Paulo, obtido na semana passada com exclusividade por ISTOÉ, provoca uma reviravolta no caso Yoki, como ficou conhecido o assassinato e esquartejamento do empresário Marcos Matsunaga, morto por sua mulher, Elize Araújo. Trata-se do exame das amostras de sangue encontradas no quarto em que ela esquartejou o corpo da vítima na madrugada de 20 de maio. Desde que foi presa no dia 4 de junho, Elize sustenta que fez tudo sozinha ? tanto o assassinato quanto o esquartejamento e a ocultação do cadáver. O documento agora revelado por ISTOÉ prova que ela está mentindo: um homem a ajudou a esquartejar o cadáver de Matsunaga tornando-se assim coautor do crime.
Assinado pela perita criminal Roberta Casemiro da Rocha Hirschfeld, esse laudo de DNA (nº 35493/12) reuniu 30 amostras de manchas de sangue existentes em toda a área ao redor do corpo e afirma categoricamente: ?Identificado (...) material genético de no mínimo dois indivíduos, sendo ao menos um deles do sexo masculino (...) estando Marcos Matsunaga excluído como (...) gerador dessas amostras.? Ou seja: os resultados dos exames de DNA detectaram no quarto a presença de sangue de outro homem além do sangue de Matsunaga. Mais: há também, de acordo com o laudo, a possibilidade de que haja sangue de outra mulher, além do de Elize, nas amostras de sangue feminino que foram coletadas. A polícia de São Paulo deverá agora pedir o cotejamento de seu perfil genético com o perfil genético do sangue feminino encontrado para saber se outra mulher também fez parte do crime. ?Não resta dúvida, pela conclusão do laudo, que um homem participou do esquartejamento. E para haver sangue dele, é porque ele se machucou enquanto manuseava faca ou outro objeto cortante para dilacerar o cadáver?, disse à ISTOÉ a especialista em perícia criminal Rosângela da Rocha Souza. ?Eu tenho a percepção da coautoria no crime. Pelo menos depois de o tiro ter sido dado?, diz o promotor de Justiça José Carlos Cosenzo, responsável pela acusação da ré.
LAUDO DO IML
No exame necroscópico, o médico legista Jorge Pereira de Oliveira
ressalta que há discrepância
entre os cortes do corpo de Marcos.
Para ele, ficou claro que um dos esquartejadores conhece
bem anatomia e outro não. Elize, ex-garota de programa e bacharel
em direito, é também enfermeira
 
O laudo deixa claro que as manchas de sangue são contemporâneas, ou seja, são do evento do corte do corpo e não há amostra anterior a ele?, diz Rosângela. ?O advogado de defesa, que estava presente e que pelas leis do País validou a prova estando ali, não registrou que se cortou, assim como nenhum perito o fez. Então o sangue é de outro homem que participou do esquartejamento.? A rigor, a exclusão de todos os homens que pisaram o apartamento na noite de 6 de junho, quando foi feita a perícia, é fácil de ser operada: basta que cada um forneça material genético para comparação. O laboratório de DNA do Núcleo de Biologia e Bioquímica do Instituto de Criminalística é o mais conceituado da América Latina, com equipamentos de ponta também utilizados, por exemplo, nos EUA, na Alemanha e na Itália.
ISTOÉ consultou a diretora responsável por sua implantação e autoridade máxima no assunto dentro da Polícia Científica, a perita criminal e professora doutora Eloisa Auler Bittencourt. Fez isso para questionar se existe a possibilidade de haver algum erro na perícia. Ela referendou o laudo integralmente: há amostras que apresentam perfil genético com perfeita coincidência com o perfil genético obtido do material coletado da vítima Marcos Matsunaga; existem também amostras que exibem perfis genéticos discordantes do de Matsunaga; e, finalmente, a diretora frisa que todo material que ?serviu de base às perícias de DNA (...) está guardado no Núcleo de Biologia e Bioquímica (laboratório de DNA) para eventual nova perícia objetivando a identificação dos perfis genéticos caso ocorra solicitação judicial?. Os pontos anotados por Eloisa são importantes porque o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), responsável pela investigação do caso, nunca abandonou a tese de que mais de uma pessoa possa ter participado do crime, apesar de Elize, em sua confissão, ter negado esse fato. O diretor do DHPP, Jorge Carrasco, e o promotor Cosenzo jamais acreditaram totalmente na versão contada pela acusada.
"A perícia tem provado que Elize
mente o tempo todo.
Sempre tive a percepção
de coautoria após o tiro"

José Carlos Cosenzo, promotor de Justiça

"O laudo do laboratório de DNA é impecável:
um homem ajudou
a cortar o corpo, e as manchas
de sangue são contemporâneas"

Rosângela da Rocha Souza, especialista
em perícia criminal
Uma vez provado que outra pessoa ajudou Elize a retalhar o cadáver do marido, alguns depoimentos já prestados à polícia e que nos próximos dias serão dados à Justiça ganham nova dimensão. É o caso da dentista Luciana Yukari Hirayama Chinen. Ela afirmou ao DHPP que foi procurada por Mauriceia José Gonçalves dos Santos, uma das babás da filhinha do casal Matsunaga, poucos dias depois da prisão de Elize. Segundo a dentista, Mauriceia queria comprar dela um atestado médico para seu marido, André Rodrigues de Lima, a fim de justificar sua falta no trabalho nos dias que se seguiram ao homicídio. Luciana afirmou que ficou indignada com a proposta e cortou o assunto. As afirmações da dentista foram confirmadas pela própria Mauriceia. Entre policiais e peritos que investigam o caso, há quem suspeite que tanto a babá quanto o seu marido poderiam estar em busca de álibis. A filha de Mauriceia também era babá folguista da filha de Elize e Marcos Matsunaga. A moça diz que chegou ao apartamento do casal, onde o crime ocorreu, às cinco horas da manhã do domingo 20, dia em que o empresário e diretor-executivo da Yoki foi esquartejado. Ela declara que deixou o serviço às sete e meia da noite.

Ocorre, porém, que Elize saiu de casa por volta das nove horas da manhã e só retornou onze e meia da noite ? esteve fora para se livrar das partes do corpo do marido jogando-as nas imediações de um sítio de propriedade de um amigo do casal, no município paulista de Cotia. Com quem ficou então a filhinha de Elize, de apenas um ano de idade, entre as sete e meia e as onze e meia da noite daquele domingo? Alguns policiais acreditam que as babás possam estar mentindo e agora também estudam pedir na Justiça o cotejamento de material genético delas com o sangue feminino coletado no quarto onde o corpo foi cortado.
A reforçar a conclusão da investigação da polícia científica, exposta no laudo de DNA do sangue encontrado no apartamento do casal Matsunaga, ISTOÉ destaca novos pontos do exame necroscópico assinado pelo médico legista Jorge Pereira de Oliveira. Também ele aponta para a participação de outra pessoa além de Elize. No item ?g?, lê-se: ?os cortes apresentam características praticadas por pessoa ou pessoas com noções de anatomia?; no item ?h? tem-se: ?os cortes em raízes de membros superiores apresentam retalhos de pele, indicando dificuldade ou desconhecimento anatômico da região?. Ou seja: ?alguma pessoa com conhecimento de anatomia? ? Elize é enfermeira ? ?mostrou-se exímia na execução das secções do corpo enquanto outra pessoa? ? provavelmente o homem que agora se sabe ter ajudado ? ?não dominava tal conhecimento com objetos cortantes?, na opinião de especialistas. Também aqui resta uma pergunta: por que Elize, que já está presa como ré confessa, não revela à Justiça quem a ajudou? Segundo delegados, a resposta é simples: a revelação da coautoria no esquartejamento sepulta definitivamente a já agonizante versão da defesa de crime passional ? o assassinato teria sido resultado de ?forte emoção?. O homem presente no quarto do esquartejamento pode ser a prova de que tudo foi milimetricamente planejado. ?O motivo do crime está claro. Tem motivação patrimonial, foi tudo premeditado, tanto que Elize mente o tempo todo. Ela queria para si todo o dinheiro e bens do marido?, diz o promotor Cosenzo.
Ilustração: Rica Ramos
Fotos: Joel Silva/Folhapress; Rafael Hupsel/Ag. Istoé; Kelsen Fernandes