Exclusivo!

Poucas & Boas 2017.3

2020 já começou? Alguns políticos de Heliópolis precisam saber que 2020 só começa após 2018. Ou seja, os resultados de 2018 podem in...

Novidade

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

Foz do Iguaçu: da Casa Verde às Cataratas

Avenida Brasil em Foz do Iguaçu

                        Landisvalth Lima
Eu a as Cataratas do Iguaçu
Foz do Iguaçu é uma cidade com cerca de 260 mil habitantes, localizada no Parná e marcada por sua diversidade cultural. São 80 nacionalidades, sendo que as mais representativas são oriundas do Líbano, China, Paraguai e Argentina. Integrada à região trinacional, na tríplice fronteira do Brasil, Paraguai e Argentina, Foz do Iguaçu faz divisa com a cidade argentina de Puerto Iguazú e com a cidade paraguaia de Ciudad del Este. A base da economia da cidade está no turismo, com destaque para o comércio e serviços. De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Turismo (EMBRATUR) e pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE), em 2006, 2007 e 2008 Foz do Iguaçu foi considerada no segmento "Lazer" o 2º destino mais visitado por turistas estrangeiros, atrás apenas do Rio de Janeiro. Contando com uma infinidade de opções de passeios, de lazer, gastronomia, a cidade conta com a ajuda da vizinha Ciudad del Este, considerada a 3ª maior cidade comercial do mundo.  
As Cataratas vistas da passarela

A Garganta do Diabo das Cataratas
Mas o ponto atrativo forte são as Cataratas do Iguaçu. O conjunto natural de quedas de água recebe quase dois milhões de visitantes de todo o mundo anualmente. É uma paisagem de tirar o fôlego e o turista se sente integrado à natureza. Vi quatis e tucanos sem medo dos visitantes. É notória a convivência pacífica do sulista com a natureza. Enquanto em várias cidades do nordeste do Brasil, a exemplo de Heliópolis, prefeitos arrancam árvores para cimentar praças, em Foz do Iguaçu as casas e praças convivem com árvores de todas as espécies. E não há só uma preocupação com a preservação da natureza. O nativo sabe que a cidade sobrevive economicamente da presença do turista e tudo gira em torno das cataratas. Há espetáculos que reproduzem as lendas populares sobre o surgimento das quedas de água do Rio Iguaçu.
Muito frio e vapor d`água nas Cataratas do Iguaçu

Os tucanos não se importam com os turistas
Muitas lendas indígenas contam a formação do maior conjunto de quedas d'água do planeta. Uma delas diz que os índios caingangues, que habitavam as margens do Rio Iguaçu, acreditavam que o mundo era governado por M'Boy, o deus serpente, filho de Tupã. O cacique da tribo, Ignobi, tinha uma bela filha chamada Naipi. Por causa de sua beleza, Naipi seria consagrada ao deus M'Boy, passando a viver somente para seu culto. Havia, no entanto, entre os caingangues um jovem guerreiro chamado Tarobá, que se apaixonou por Naipi. No dia em que foi anunciada a festa de consagração da bela índia, quando o cacique e o pajé bebiam cauim (bebida feita de milho fermentado ou de mandioca) e os guerreiros dançavam, Tarobá fugiu com Naipi em uma canoa, que seguiu rio abaixo, arrastada pela correnteza. M'Boy ficou furioso quando soube da fuga e penetrou nas entranhas da terra. Retorcendo seu corpo, produziu uma enorme fenda que formou uma catarata gigantesca. Envolvidos pelas águas, os fugitivos foram tragados pela imensa cachoeira. Naipi foi transformada em rocha logo abaixo da cachoeira, fustigada pelas águas revoltas. Tarobá foi convertido em uma palmeira, situada à beira do abismo. Debaixo dessa palmeira existe uma gruta, de onde o monstro vingativo vigia eternamente suas vítimas. Ou seja, também na lenda, tudo surge em função do amor por uma mulher. As lendas são reproduções metafóricas da vida.
Os quatis fazem parte da paisagem 

A Green House Hostel em Foz do Iguaçu
E por falar em mulher, quem chegar a Foz do Iguaçu não pode perder a hospitalidade do Green House Hostel. É um aconchegante dormitório localizado na Rua Edmundo de Barros, próximo ao centro da cidade. Não tem errada: saindo do Aeroporto, seguindo a Avenida das Cataratas. No final desta, dobrando à direita, entrando na Avenida Paraná, mais uma vez entra na primeira à direita e você já está na Edmundo de Barros. Aí é só caminhar um pouquinho até o número 1130 e você estará na Casa Verde. Há ônibus para o centro em frente ao dormitório e, caminhando cerca de 400 metros, há transporte para Ciudad del Este (Paraguai), Puerto Iguazú (Argentina). O atendimento é especial. A gerente do pedaço é Grasiela, uma gaúcha educadíssima. Ela fala, além do Português cheio de sotaque de Porto Alegre, espanhol, alemão, italiano e inglês. Quando cheguei à Casa Verde, Grasiela estava conversando com um casal de ingleses e com um alemão ao mesmo tempo, e ainda teve paciência para me dar informações. É apaixonada por macarronada.
A simpática Grasiela da Casa Verde

A cidade de Puerto Iguazú, na Argentina
Durante os quase 20 dias que passei no Green House Hostel, convivi com 1 israelita, 8 alemães, 9 ingleses, 1 colombiano, 1 koreana e 2 paraguaios. Ainda testemunhei a barulhenta seleção de futsal do Paraguai e travei amizades com brasileiros de vários lugares deste país. Grasiela não se furta em dar orientações, inclusive pensando no bolso do turista. Graças a ela, é impossível ir a Foz do Iguaçu e não pedir reserva no Green House Hostel, que inclusive tem preços competitivos. Todos os dias me desloquei sem problemas para estudar em Ciudad Del Este, no Paraguai. Eram dois ônibus e cerca de 50 minutos até a Universidad Internacional Tres Fronteras. A dificuldade era o retorno, porque quase tudo para de funcionar depois das 17 horas no Paraguai. Pela noite, pouco pude desfrutar da Casa Verde. Como o frio era imenso, piscina nem pensar. Abusei muito da internet banda larga de 35 gigas para pesquisar e fazer meus trabalhos. Quero ir n`outra data para desfrutar melhor. Desta vez com Ana Dalva e as crianças crescidas. Ninguém deveria passar para outra vida sem antes ver as Cataratas. É algo grandioso. Também não percam a oportunidade de visitar a pequenina e organizada Puerto Iguazú, em território de los hermanos argentinos. Lá a organização fala mais alto. E é bom estar bem documentado porque são organizadíssimos, diferentemente da aduaneira paraguaia que é mais, digamos, flexível! (obs. dê um clique nas fotos para ampliá-las)