Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

quinta-feira, 10 de março de 2011

Paradoxo: Brasil – a 7ª economia - fora do ranking das melhores universidades do mundo

O Brasil ficou fora do ranking das 100 melhores universidades do mundo, segundo o Times Higher Education (THE). No topo do World University Rankings 2010-2011, divulgado nesta quinta-feira, 10, aparece a Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, com nota máxima.
O Instituto de Tecnologia de Massachusetts, também nos EUA, e a Universidade de Cambridge, no Reino Unido, aparecem logo a seguir. Outras duas instituições norte-americanas (Berkeley e Stanford) completam a lista das cinco primeiras.
O THE, sediado em Londres, utiliza como único critério de classificação a reputação de ensino e pesquisa das avaliadas.  São ouvidos mais de 13 mil acadêmicos convidados, com experiência estendida a 131 países. O ranking integra o índice  das melhores do mundo já divulgado em setembro do ano passado.
O Brasil - assim como os vizinhos da América Latina - também ficam fora da lista das 200 melhores. O especialista Philip Altbach, diretor do Centro Internacional de Educação Superior do Boston College, EUA, porém, acena com a possibilidade do pais um dia vir a entrar na lista. "Talvez São Paulo possa haver universidades de classe mundial", comenta. Segundo ele, as duas principais universidades do Estado (USP e Unicamp) são formadas por um corpo docente em tempo integral, com trabalhos significativos na área de pesquisa e financiamento adequado por parte do governo.
Para o coordenador de ensino superior no Banco Mundial, Jamil Salmi, a USP todo ano produz mais graduados e doutorados do que qualquer universidade dos EUA, mas enfrenta sérios obstáculos para sua inserção no ranking mundial: "A capacidade de gerir os seus recursos é limitada por rígidas normas do serviço civil, embora seja a mais rica universidade do país", pontua. O especialista acrescenta ainda que a instituição é "muito voltada para si mesma", com poucos vínculos com a comunidade científica internacional.
Fonte: A TARDE.