Exclusivo!

2º dia da 1ª Fecultarte teve dança, vídeo e teatro

A 2ª noite da 1ª Fecultarte foi dominada pela dança e pelo teatro (foto: Landisvalth Lima) O Colégio Estadual José Dantas de Souza – C...

Novidade

sábado, 26 de outubro de 2013

Confira o gabarito extraoficial do Enem 2013

Professores especialistas apontam o provável gabarito das provas de sábado do Enem 2013

Sábado - Dia 1 – Prova Rosa

Ciências Humanas e suas Tecnologias

1       C             10           D             19           E             28           C             37           E
2       B             11           A             20           A             29           D             38           B
3       C             12           B             21           E             30           D             39           E
4       C             13           B             22           A             31           C             40           D
5       E             14           B             23           A             32           C             41           B
6       B             15           B             24           C             33           B             42           C
7       A             16           C             25           C             34           C             43           C
8       B             17           C             26           A             35           A             44           A
9       B             18           D             27           B             36           E             45           C

Ciências da Natureza e suas Tecnologias

46     D             55           D             64           D             73           A             82           B
47     B             56           B             65           E             74           A             83           C
48     A             57           A             66           A             75           E             84           B
49     B             58           A             67           B             76           B             85           C
50     C             59           A             68           C             77           A             86           A
51     E             60           A             69           B             78           B             87           A
52     C             61           B             70           B             79           E             88           E
53     D             62           E             71           E             80           C             89           D
54     B             63           B             72           D             81           D             90           B

Sábado - Dia 1 – Prova Azul

Ciências Humanas e suas Tecnologias

1       E             10           C             19           B             28           A             37           C
2       A             11           C             20           C             29           E             38           C
3       E             12           D             21           D             30           E             39           C
4       B             13           E             22           D             31           C             40           A
5       A             14           A             23           B             32           C             41           C
6       B             15           B             24           D             33           B             42           A
7       B             16           E             25           A             34           C             43           C
8       B             17           D             26           B             35           B             44           C
9       B             18           B             27           C             36           C             45           A

Ciências da Natureza e suas Tecnologias

46     B             55           A             64           B             73           A             82           A
47     B             56           B             65           C             74           C             83           D
48     E             57           A             66           A             75           E             84           B
49     D             58           A             67           E             76           C             85           A
50     A             59           A             68           B             77           D             86           E
51     B             60           B             69           E             78           B             87           B
52     E             61           C             70           C             79           D             88           D
53     B             62           B             71           D             80           B             89           B
54     D             63           C             72           E             81           A             90           A

Sábado - Dia 1 – Prova Amarela

Ciências Humanas e suas Tecnologias


1       B             10           A             19           B             28           A             37           C
2       E             11           C             20           B             29           B             38           E
3       D             12           C             21           C             30           C             39           B
4       B             13           A             22           B             31           A             40           A
5       C             14           C             23           C             32           E             41           B
6       C             15           D             24           D             33           E             42           C
7       B             16           E             25           D             34           C             43           B
8       E             17           A             26           B             35           C             44           C
9       A             18           B             27           D             36           A             45           C

Ciências da Natureza e suas Tecnologias

46     A             55           E             64           B             73           C             82           C
47     B             56           B             65           C             74           D             83           D
48     A             57           D             66           E             75           D             84           D
49     A             58           B             67           A             76           B             85           B
50     B             59           B             68           E             77           A             86           B
51     C             60           E             69           A             78           A             87           D
52     B             61           D             70           E             79           B             88           B
53     C             62           A             71           B             80           C             89           A
54     B             63           A             72           E             81           E             90           A

Sábado - Dia 1 – Prova Branca/Cinza

Ciências Humanas e suas Tecnologias

1       C             10           B             19           E             28           E             37           C
2       D             11           B             20           E             29           B             38           A
3       E             12           C             21           B             30           A             39           C
4       A             13           B             22           E             31           B             40           C
5       B             14           D             23           D             32           E             41           A
6       C             15           A             24           B             33           A             42           C
7       D             16           B             25           C             34           C             43           C
8       D             17           C             26           C             35           B             44           A
9       B             18           A             27           B             36           C             45           A

Ciências da Natureza e suas Tecnologias

46     B             55           A             64           C             73           D             82           A
47     E             56           E             65           D             74           B             83           E
48     B             57           B             66           A             75           A             84           B
49     D             58           E             67           A             76           A             85           D
50     A             59           D             68           E             77           B             86           B
51     B             60           A             69           B             78           C             87           A
52     C             61           A             70           C             79           E             88           A
53     B             62           B             71           B             80           C             89           D
54     B             63           E             72           C             81           D             90           B

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Heliópolis terá programação de cinema

Cena de O pagador de promessas
O Cineclube Filhos do Sol, o Ponto de leitura Antônio Ribeiro da Graça, a Arca das letras Maria Ferreira de Andrade e o Ponto de leitura da Viuveira estão com um programação cultural denominada Panorama cultural por uma cultura inclusiva. O objetivo é despertar, segundo o seu coordenador José Pereira, um novo olhar entre o cinema e a comunidade de Heliópolis. A programação começa dia 31 de outubro com o tema: Cinema no terreiro de casa. O local será na comunidade de Galinha Morta. No mesmo dia, no horário das 8:00 às 11:30, destinadas a crianças e professores, haverá uma oficina e a exibição de filmes na escola Marcelino Borges, no povoado Tijuco. Pela tarde, das 13:30 às 17:30, no povoado Viuveira, haverá uma oficina sobre movimentos culturais com apresentação de filme e exibição dos resultados do encontro.
No dia seguinte, 1º de novembro, na comunidade de Massaranduba, pela manhã, das 8:00 às 11:30, será realizada uma oficina com crianças e adolescentes sobre cinema. Pela tarde, das 13:00 às 16:30, outra oficina, desta vez com o pessoal da terceira idade, sempre com exibição de filmes. Pela noite, no povoado Serra dos Correias, a partir da 19:00 horas, haverá exibição de filmes e show cultural. No dia 2 de novembro, o Panorama cultural por cultura inclusiva voltará ao povoado Tijuco e lá ficará o dia inteiro. Pela manhã e tarde serão realizadas oficinas com a comunidade. No turno noturno serão apresentados os resultados das oficinas e haverá exibição de filmes.
Dia 3 de novembro, a turma do José Pereira voltará para Massaranduba. A partir das 19:00 horas haverá exibição de filme na Sala de leitura Maria Pereira. Dia 4 de novembro, também na Massaranduba, desta vez na praça do povoado, também serão exibidos filmes. No dia seguinte, será a vez do Bairro Santos Dumont  em Heliópolis. Pela noite haverá também exibição de filmes, a partir das 19:00 horas. No dia 6 de novembro, na véspera do encerramento do programa, na casa de Dona Maria, haverá novamente o Cinema no terreiro de casa, com exibição de filme. O encerramento do Panorama cultural por cultura inclusiva se dará na comunidade de Galinha Morta, onde começou. A partir das 19:00 horas do dia 7 de novembro haverá também exibição de filmes.
Vale lembrar que toda a programação tem entrada franca e deve ser produzido um documentário sobre o evento por uma equipe vinda de Salvador. A organização do Panorama cultural por cultura inclusiva está a cargo de José Pereira e José Milton Vital de Castro, contando com os apoios da Associação dos Artesãos da Viuveira, da Associação Comunitária Cidadania de Massaranduba e do prefeito municipal Ildefonso Andrade Fonseca.

Casou e a lua de mel foi com o padrinho

Não é o noivo, mas parece!
Uma noiva chinesa se atrapalhou, segundo jornais de Hong Kong, e acabou fazendo sexo com um dos padrinhos na manhã após o casamento na comarca de Napo, em Guangxi. A mulher contou que só percebeu que não havia transado com o marido depois do ato sexual. A imprensa chinesa diz que a noiva já estava na cama com o marido, mas se levantou para ir ao banheiro. Ao sair do cômodo, se confundiu, entrando no quarto do padrinho. Os dois então fizeram sexo. Ao descobrir que havia feito sexo com o padrinho, a noiva chinesa ficou desesperada e acusou o homem de abuso. Ela e o marido pediram uma indenização de cerca de R$ 7 mil, mas o padrinho se recusou a pagar. O casal chegou a entrar com uma ação, mas para a Justiça o padrinho não teve nenhuma culpa, pois a mulher errou de quarto e então manteve sexo consensual com o homem que ali estava. O caso foi no final de agosto, mas a imprensa local divulgou somente nesta quarta-feira (23). O problema é que na China todos têm os olhinhos iguais. Mas quem é que olha para os olhos nesta hora?
Informações do CORREIO.

Secretário e técnico de Heliópolis são destaques

Quelton e Clériston - premiados pela eficiência
Finalmente uma boa notícia. Nem só de fatos negativos vive a administração do prefeito Ildefonso Fonseca. O secretário de educação, professor José Quelton, e o técnico do SME – Sistema Municipal de Educação – Clériston Souza, responsável pelo censo escolar, foram homenageados em Salvador, nos dias 17, 18 e 19 deste mês, no Congresso Educacional realizado no Hotel Sol Bahia. O prêmio foi devido à qualidade das informações prestadas ao sistema, bem como a eficiência na execução das tarefas relacionadas ao Censo Escolar. Apenas oito municípios na Bahia foram agraciados com as honrarias, entre as cinquenta melhores gestões escolhidas em todo o país. A empresa responsável pela seleção foi a Premium, de Camburiú, em Santa Catarina. O professor Quelton Almeida e Clériston Souza são os primeiros a honrar, com troféus, medalhas e reconhecimento a administração atual. Que bom seria se fosse sempre assim.  Aplausos!!! 

Weldon só terá que devolver 25 mil da Praça de Eventos

Weldon Carvalho - ex-prefeito
O Tribunal de Contas dos Municípios acatou parcialmente denúncia formulada por Washington Andrade Matos, hoje vereador do PDT de Cícero Dantas, contra o prefeito José Weldon de Carvalho Santana. Trata-se do Processo TCM nº 82129/12, referente a existência de supostas irregularidades por ele detectadas na Tomada de Preço nº 012/2011, no valor de R$ 832.550,16, executada pela Prefeitura em 2011, na realização de serviços de construção da Praça de Eventos, feitos pela Diagonal Construtora Ltda. Washington denunciou superfaturamento e diversas irregularidades, configurando em crime de improbidade administrativa, tipificado nos artigos 10 e 11 da Lei Federal nº 8.429/92, também dando causa ao enriquecimento ilícito da empresa e do prefeito municipal.

Depois de mandar equipe técnica à Praça de Eventos, o TCM detectou diferenças de contas com os acréscimos e decréscimos pelas substituições de materiais e serviços, deduzindo os valores correspondentes a serviços não executados. Conta final: diferença de R$149.217,81. Ou seja, quase 20% do valor da obra. Aí começam os ajustes, sempre a menor. No fim das contas, tudo foi revisto pelos técnicos responsáveis pela Inspeção para R$ 25.679,00, após análise de planilha e documentos apresentados pelo Gestor relativos a acréscimo de serviços e quantidades. Ao final, o Relator, Conselheiro Paolo Marconi deixou barato para o ex-prefeito Weldon. Ele pagará apenas 2 mil reais de multa e vai ter que devolver ao município os 25.679,00 encontrados como superfaturamento na obra. Quem entende sabe que na Praça de Eventos há superfaturamento superior a 200 mil reais. Só o TCM não viu, ou melhor, até que viu, mas aceitou os argumentos do ex-prefeito. Foi uma vitória de Weldon. Num país sério ele estaria na cadeia.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Os desvios do fundeb em Heliópolis e outras desgraças

Ana Dalva News: Os desvios do Fundeb em Heliópolis e outras desgraças

     Sei que não vai adiantar nada, mas minha consciência me pede para continuar. E não vou cansar nunca de dizer: são duas as doenças que impedem a melhoria da gestão pública em Heliópolis: a ação da maioria dos vereadores e a benevolência do TCM – Tribunal de Contas dos Municípios - no julgamento das contas dos gestores. Landisvalth Lima.dê um clique aqui para ler o artigo completo.

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Artigo científico: A EDUCAÇÃO E A RESSOCIALIZAÇÃO DO HOMEM

     O Sistema Prisional Brasileiro é mais criminoso que o crime cometido pelo preso, em uma sociedade onde as pessoas querem que alguns sejam excluídos por violarem os mecanismos pré-estabelecidos.As prisões, em geral, são incapazes de ressocializar o apenado por processos sócio educativos. Artigo de Ivana Santana e José Alexandre de Souza Menezes.                                                                ...

Governo federal arrecadou R$ 84 bilhões em impostos

Resultado é recorde para o mês de setembro. Receita estima crescimento da arrecadação de 3% no ano
Enquanto a classe média está endividada com o cheque especial ou com os financiamentos a médio e longo prazo, o governo da presidente Dilma está deitado em berço esplêndido. Em setembro deste ano, o governo federal arrecadou R$ 84,212 bilhões em impostos e contribuições. O resultado é recorde para o mês. Na comparação com setembro do ano passado, houve crescimento real (descontada a inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA) de 1,71%. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (22) pela Receita Federal. A arrecadação das chamadas receitas administradas somou R$ 82,26 bilhões. As demais receitas (taxas e contribuições recolhidas por outros órgãos) foram de R$ 1,94 bilhão.  No acumulado do ano até setembro, a arrecadação federal somou R$ 806,446 bilhões, o que representa uma alta de 0,89% na comparação com o mesmo período do ano passado, também descontado o IPCA.  Em relação a agosto deste ano, a arrecadação de setembro apresentou uma queda real de 0,04%. A Receita prevê crescimento da arrecadação de 3% no ano. Segundo a Receita, entre os fatores que contribuíram para o resultado da arrecadação, de janeiro a setembro, está a redução de 41,04% no pagamento de ajuste anual do Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). A Receita também cita a arrecadação extraordinária, em maio desde ano, de R$ 4 bilhões referente ao PIS, à Cofins, ao IRPJ e à CSLL, devido a depósito judicial e à venda de participação societária. A Receita destaca ainda as desonerações tributárias e o desempenho de indicadores macroeconômicos que influenciaram a arrecadação. Seja como for, o país está sufocado por impostos e por casos de corrupção. Os desvios aumentam numa proporção maior que o aumento da receita. Uma hora a bomba vai explodir.

Fontes: Revista ÉPOCA, AGÊNCIA BRASIL e ESTADÃO.

Enem: por que este exame vai mudar a sua vida?

 Em sua décima quinta edição, exame que foi criado para avaliar o aluno do Ensino Médio acumula mais funções a cada ano e é alvo de críticas por parte dos educadores: seria uma forma de o governo pressionar as universidades a aderirem?
Camila Brandalise – da revista ISTOÉ
OBJETIVO 
Bianca Basílio Silva, 21 anos, precisa de uma boa nota 
no Enem para obter bolsa de estudos em medicina 
(foto: João Castellano)
No próximo fim de semana, dias 26 e 27 de outubro, sete milhões de estudantes estarão debruçados sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Será a décima quinta edição da prova, que, ao longo desses anos, foi acumulando atribuições além da função original, de avaliar o desempenho dos alunos na última etapa da educação básica. A mais recente, e polêmica, foi ter se tornado requisito obrigatório do programa Ciência Sem Fronteiras, que assegura bolsa de estudos no Exterior. Antes, a exigência era um critério de seleção. Em anúncio feito três dias antes do fim das inscrições do Enem, o Ministério da Educação (MEC) afirmou que todos os estudantes de ensino superior interessados em receber uma bolsa de estudos no Exterior precisariam ter prestado a prova pelo menos a partir de 2009 e atingido, no mínimo, 600 pontos. Com tantas aplicações – além de proporcionar a entrada na faculdade por meio do Sistema de Seleção Unificada (Sisu), o exame pode garantir o certificado de conclusão do ensino médio e conceder bolsa e financiamento do governo para o ensino superior, como no caso do Programa Universidade para Todos (Prouni) –, não é de se espantar que o Enem bata recorde de inscritos. Mas, se, por um lado, ele garante maior acesso ao ensino superior, por outro, sua supervalorização tem sido considerada uma estratégia do governo para fazer com que mais instituições optem pela adesão. Presidente do Instituto Nacional de Pesquisas e Estudos Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Luiz Cláudio Costa rebate as críticas sobre uma possível pressão. “Aderir ao Enem é uma decisão autônoma”, afirma.
Não é o que pensam muitos integrantes de corpos docentes espalhados pelo País. “As universidades que não usam Enem são coagidas com esse tipo de medida”, diz Fernando Josepetti Fonseca, presidente da comissão de relações internacionais da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP). “Alunos nossos ficaram de fora porque não sabiam da regra.” A USP diz que não adere ao exame porque a pontuação não é divulgada a tempo para compor a nota do vestibular da Fuvest. Tal posição contraria seu Diretório Central dos Estudantes (DCE). “A USP deveria participar, porque o Enem é um meio de democratizar a educação”, diz Gabriel Lindenbach, 21 anos, um dos diretores do DCE. Outras importantes instituições brasileiras, como a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade de Brasília (UnB) – que só entrou no Sisu neste ano –, também deixarão de mandar estudantes para o Exterior por causa da nova norma. “Na Unicamp, 16 alunos das últimas chamadas foram excluídos por causa do Enem”, afirma Laura Sterian Ward, coordenadora do Ciência sem Fronteiras na instituição.
ENSINO 
Um dos diretores do DCE da USP, Gabriel Lindenbach (acima)
defende a adesão ao Enem.
Entre esses alunos está Lucas Ramirez, 22 anos, estudante de engenharia elétrica da Unicamp. Ele fez apenas a parte objetiva do Enem para somar pontos no vestibular, mas, sem a redação, atingiu 545 pontos – o Ciência sem Fronteiras exige pelo menos 600. “Farei o Enem no próximo final de semana porque quero tentar uma bolsa novamente”, diz. Já o gaúcho Marcos Vinícius Saturno Ribeiro, 25 anos, aluno de sistemas para internet do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IRFS), não fez o Enem para entrar na faculdade e perdeu o prazo de inscrição da prova deste ano. “Agora só poderei viajar na pós-graduação, pois me formo no semestre que vem.” O presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Jorge Guimarães, afirma que o governo passou a exigir o Enem porque a demanda por bolsas no Exterior aumentou muito. “Precisamos agir rápido porque temos contrato com parceiros internacionais”, diz.
(Foto:Hugo Cordeiro/Nitro)
Como processo seletivo, o exame está consolidado. Se em 2010 havia 793.910 inscritos no Sisu disputando 47.913 vagas, em 2013 o número de interessados pulou para 1.949.958 e a quantidade de vagas subiu para 129.319. Especialistas são unânimes em afirmar que ele facilitou o acesso à faculdade. E cada vez mais instituições vêm aderindo, como a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que, neste ano, excluiu o vestibular próprio. Para se prepararem, os candidatos estudam em cursinhos especializados. Caso da estudante Mariana Almeida, 18 anos, que pretende cursar direito na UFMG. “Estou me preparando porque a prova é muito extensa”, afirma.
Instituições particulares também entram no sistema, por meio do Prouni. Nesse caso, o resultado do Enem é um critério para distribuição de bolsas de estudo. Para Bianca Carolina Basílio Silva, 21 anos, o Prouni é o passo principal para realizar o sonho de cursar medicina. “Entrar na universidade pública, muito mais concorrida, é bem mais difícil do que conseguir uma bolsa em uma instituição particular, cuja mensalidade não posso pagar”, diz.
Sem ter feito o exame, Marcos Vinícius Ribeiro (acima)
não pôde participar do Ciência sem Fronteiras
Mesmo que abra portas, o Enem ainda é alvo de várias críticas por acumular tantas responsabilidades. “É uma prova muito ambiciosa”, afirma Paula Louzano, especialista em educação e doutora pela universidade Harvard. “Com tantas funções, é difícil discriminar os diferentes níveis de desempenho necessários para cada objetivo. Para certificação do ensino médio, por exemplo, a nota de corte é baixa, mas quem quer entrar em um curso de medicina, por exemplo, precisa ir muito bem”, afirma a educadora. Ela explica que, se o Inep, que elabora a prova, focar em um objetivo, poderá ter falhas em outro.”
Outra polêmica é a metodologia de correção da prova, a Teoria de Resposta ao Item (TRI), que usa modelos matemáticos para calcular a pontuação de cada candidato levando em conta seu nível de proficiência, penalizando os chutes. Com isso, dois alunos podem ter o mesmo número de acertos, mas ter pontuação diferente. “Mas, para dar certo, é necessário um banco de questões muito grande. Se o de hoje fosse ideal, não teríamos vazamento de questões, como já ocorreu”, afirma o professor da Faculdade de Educação da USP Nilson José Machado, que fez parte da equipe de criação do Enem. Já Tufi Machado Soares, do Centro de Políticas Públicas e Avaliação da Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora, acredita que esse banco não está mais em situação insegura. O Inep não divulga o número de itens no banco, mas afirma que ele aumenta ano a ano.

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Marina Silva faria governo menos estatizante que Dilma, diz Eduardo Giannetti à Folha de São Paulo

ELEONORA DE LUCENA – da Folha de São Paulo
Eduardo Giannetti recebeu a Folha de São Paulo em sua casa (foto:Fábio Braga/Folhapress)
Um governo similar à segunda gestão de FHC e à primeira de Lula. Menos estatizante do que Dilma. Assim seria uma eventual administração Marina Silva na visão de um dos seus principais conselheiros, o economista Eduardo Giannetti da Fonseca, 56. Defensor da austeridade, ele faz eco às palavras da ex-senadora que tem defendido o chamado "tripé" (superávit primário, câmbio flutuante e metas de inflação). Na sua opinião, essas ideias estão longe de significar que Marina virou uma candidata do mercado financeiro. Em entrevista concedida em São Paulo na última quinta-feira (17), Giannetti critica o governo e advoga que o crescimento não deve ser feito a qualquer preço: "Crescer 7% destruindo patrimônio ambiental é muito pior do que se crescer 3% preservando". Ex-professor da USP, de Cambridge e do Insper, Giannetti conversa duas ou três vezes por semana com Marina. Para ele, há dificuldade na fusão com o PSB e obstáculos para atrair empresários para o grupo. "A elite empresarial está no bolso do governo", diz.
Folha - Depois de cinco anos de crise internacional, como está a economia no mundo?
Eduardo Giannetti da Fonseca - Estamos no capítulo final. A economia mundial está num período de transição. A Europa saiu da UTI, deve continuar com um crescimento baixo. Nos EUA, há sinais de uma recuperação vigorosa. As famílias reduziram seu endividamento, o mercado imobiliário está em recuperação, as empresas estão voltando a investir. Eles estão no limiar de uma grande revolução energética, que é o gás de xisto. Isso está levando a um movimento de reindustrialização americana. Setores tradicionais estão voltando [para o país] por causa do baixo custo da energia. Se nada muito inesperado acontecer, há razões para acreditar que a economia dos EUA volta a crescer 3% no ano que vem. Isso significa que a política monetária norte-americana vai se normalizar. A pergunta não é se, mas quando. É provável que fique para o ano que vem. A China está buscando uma transição de um modelo de crescimento calcado em investimento e crédito para um menos dependente de financiamento estatal e mais voltado para o mercado doméstico. Lá, o grau de endividamento foi longe de mais, e eles estavam investindo além da conta. Boa parte desse investimento foi para o setor imobiliário, de infraestrutura, em indústria básica. Estão com problema de sobrecapacidade. A indústria siderúrgica da China é metade da produção do mundo. É um risco para o mundo. Se não tiver uma demanda interna que justifique esse investimento, eles vão ter que vender fora e quebram a siderurgia mundial, porque vão vender a um preço muito baixo. O preço das commodities, que vinha trabalhando muito a nosso favor e sustentou uma parte importante do crescimento de 2003 a 2010, já não está trabalhando a nosso favor. É possível que haja uma piora nos termos de troca, especialmente no caso das commodities minerais, que dependem do investimento e da construção civil da China, que está caindo e vai cair mais. Havendo esse movimento para o mercado interno, as commodities agrícolas podem se beneficiar. O Brasil voltou para o pelotão dos vulneráveis, ao lado da África do Sul, da Índia e da Indonésia.
Como a economia vai estar no ano eleitoral?
Não tem perspectiva de crescimento mais forte. Entramos numa fase de baixo crescimento crônico, com uma inflação teimosamente na vizinhança do teto da meta e num caminho de vulnerabilidade externa. A conjuntura internacional mudou. Há um componente estrutural que é a deterioração fiscal desde 1988. E tem um componente conjuntural que é piora da qualidade da política econômica a partir do segundo governo Lula e, de forma acentuada, durante Dilma. O Brasil tinha uma carga tributária bruta de 24% do PIB em 1988 e o Estado investia 3% do PIB. Hoje temos uma carga de 36% do PIB e investimento de 2,4% do PIB.
Mas o maior aumento da carga tributária foi com FHC.
FHC abriu a frente das contribuições, que hoje representam mais para o governo federal. O que era para ser exceção virou regra e gerou um estrago fiscal que está asfixiando o Brasil.
Mas a taxa de juros elevada não é responsável por isso?
Isso foi o caso no primeiro mandato do FHC, quando havia câmbio fixo e valorizado e a política monetária tinha que ser aquela para manter o câmbio fixo. O governo FHC errou muito ao manter a âncora cambial. A partir do momento que flutuou o câmbio, o juro começou a baixar.
Mas ainda é muito alto.
É alto, mas não é o que explica esse estrago fiscal. O Brasil vinha de um bom momento, que foi o segundo mandato de FHC e o primeiro de Lula, quando prevaleceu o tripé: austeridade fiscal, superávit primário para valer, câmbio flutuando, autonomia do BC para cumprir o centro da meta de inflação. Isso começou a se fragilizar com a expansão fiscal do segundo mandato de Lula, até certo ponto justificável pela crise de 2009. Só que a partir de 2009, e do governo Dilma, as três pernas do tripé fraquejaram.
A presidente diz que o tripé continua de pé. Para os desenvolvimentistas, a análise é inversa: o melhor para o Brasil ocorreu a partir do segundo mandato de Lula e o modelo que o sr. defende amarra o crescimento.
Os números não mostram isso. O desempenho do governo Dilma está sendo pior do que o do primeiro FHC, que também foi errado, porque manteve o câmbio.
O empresariado pode desembarcar do apoio à presidente Dilma e apoiar Marina?
Esses movimentos não são nunca em bloco. O que me entristece é ver boa parte do empresariado brasileiro tutelado pelo governo e neutralizado na sua capacidade de crítica pelo fato de depender de obséquios, favores, subsídios e proteção que o governo oferece. O empresariado brasileiro em boa parte se comporta como súdito e não como cidadão. O governo abriu esse balcão de negócios. Começou a negociar caso a caso tarifa de proteção para setor, a abrir os cofres dos bancos estatais para os empresários. Como é que um empresário que está dependendo de um crédito de um banco estatal vai poder aparecer publicamente criticando o governo? Ele fica tolhido. A elite empresarial está no bolso do governo.
Mas muitos afirmam que há um mal-estar entre governo e empresariado. Isso não existe?
Há uma frustração enorme com o potencial desperdiçado do Brasil. O país está vivendo um retrocesso. Mas o empresariado não vocaliza. Há poucas exceções.
Isso pode mudar num ano eleitoral?
Acho muito difícil mudar publicamente. O mapa eleitoral da Dilma está muito associado a 40 milhões de contracheques [pagamentos ao funcionalismo em todos os níveis, aposentadorias, pensões e benefícios sociais]. Na elite, o governo tem um controle da situação pelo cofre e pela manipulação de desonerações tributárias, tarifas de importação, leis, subsídios, créditos.
Fazendo um discurso de austeridade, Marina atrai o mercado financeiro. Ela virou a candidata das finanças?
Longe disso. O primeiro governo Lula foi um governo do mercado financeiro? Foi um governo bom para o Brasil. E sendo bom para o Brasil foi bom para parte do mercado financeiro. Mas não foi feito para o mercado financeiro. Foi feito para o Brasil consolidar uma conquista que é da sociedade.
Então, um eventual governo Marina seria mais parecido com o segundo mandato FHC e o primeiro de Lula?
Sim. No tocante à política macroeconômica, não vamos reinventar a roda. Vamos continuar o que estava funcionando muito bem no Brasil, que é o tripé.
A desindustrialização preocupa?
Lógico. O Brasil não pode assistir passivo ao desaparecimento de sua base industrial.
Isso tem a ver com o câmbio?
Não só e não pode ser com artificialismo. Precisamos aumentar a competitividade e a produtividade. O governo apostou em microgerenciamento e entrou numa espiral intervencionista. Não funciona. No petróleo, outra confusão. Tornam a Petrobras responsável por pelo menos 30% dos investimentos no Pré-Sal e, ao mesmo tempo, puxam o tapete da Petrobras segurando os preços dos combustíveis. O governo vinha de dois bons momentos de política macroeconômica, durante FHC e o primeiro governo Lula.
O sr. elogia esses períodos, mas eles foram de baixo crescimento, ruins, certo?
Foi quando se plantaram as bases de um crescimento melhor no Brasil. FHC privatizou, quebrou monopólios, acabou com a discriminação do capital estrangeiro, fez a lei de responsabilidade fiscal. No primeiro governo Lula, a agenda microeconômica foi formidável, porque melhorou o ambiente de negócios: nova lei de falências, alienação fiduciária, crédito consignado. Estava indo bem.
Deveria haver mais privatização?
A Petrobras é uma empresa de economia mista. Deveria atuar dentro de critérios mais de mercado. Não acho que seja o caso de privatizar integralmente a Petrobras. Onde a estatização foi longe demais é no crédito.
Os bancos estatais deveriam ser privatizados?
Eles não deveriam ser empurrados a oferecer crédito e receber financiamento do Tesouro com endividamento publico. O Banco do Brasil precisaria atuar dentro de parâmetros muito mais austeros.
O que deveria mudar nas políticas sociais?
Não tenho nenhum problema com transferências de renda. Qualquer sociedade organizada deve ter uma rede de proteção social. O que não me parece bom é criar uma expectativa de que isso é um modo de vida permanente. Ninguém fala de capacitar realmente cidadãos.
O que o sr. acha da política de reajuste do salário mínimo?
Corrigir o salário mínimo pelo crescimento de dois anos atrás e o IPCA do ano anterior não tem o menor sentido. Também é complicado reajustar o benefício previdenciário pelo salário mínimo. Atrelar perpetuamente ao salário mínimo não faz sentido.
Como deveria ser?
Não temos ainda uma fórmula pronta.
O sr. concorda que Eduardo Campos tem um discurso mais desenvolvimentista, enquanto Marina se posiciona para o lado neoliberal?
Temos que nos posicionar em torno do valor central que é a sustentabilidade. Mais Estado ou mais mercado? Em algumas coisas, mais Estado; em outras, mais mercado.
O grupo de Marina está à direita ou à esquerda de FHC?
Não sei dizer. Essa tentativa de categorizar numa relação binária toda uma proposta complexa me parece muito precária.
Em relação a Lula e Dilma, como o sr. situa Marina?
Menos estatizante que Dilma.
Um governo Marina reduziria o tamanho do Estado?
Não dá para colocar tudo num pacote. Para algumas coisas precisa de mais Estado e, para outras, menos Estado. O Estado deveria estar mais atuante na saúde pública, no ensino fundamental, no saneamento básico. Não entendo um governo que coloca tanta ênfase num trem bala e deixa esquecida a questão do saneamento básico.
Mas a questão estatizante o sr. coloca à esquerda?
Esse governo tem uma mentalidade nacional-desenvolvimentista semelhante a que prevaleceu no Brasil durante o governo Geisel.
Um eventual governo Marina não seria isso?
Não, seria desenvolvimento sustentável, com ênfase em capital humano e respeito ao patrimônio ambiental.
Como se equaciona para o empresariado esse desenvolver com sustentabilidade?
Para começo de conversa terminando com subsídios que são muito onerosos ambientalmente. Por exemplo, para o automóvel.
Então montadoras teriam uma vida dura num governo Marina?
Não é uma coisa a ser estimulada.
Belo Monte não seria construída num governo Marina?
Não teria sido aprovada. Belo Monte não se viabiliza nem termos estritamente econômicos.
Desenvolvimento sustentável significa um ritmo menor de crescimento?
Não, mas não é crescimento a qualquer preço. O que interessa é o crescimento da renda com qualidade de vida.
Muitos dizem que esse raciocínio implica dizer: não dá para crescer no ritmo que os outros cresceram; o melhor é se contentar com pouco.
Se tudo der certo no Brasil, a gente vira um EUA? Acho que não faz o menor sentido.
Mas o Brasil não precisa se preocupar em gerar empregos e riqueza? Essa sinalização de que não se poderá crescer muito é boa?
Não colocaria que não pode crescer muito. Precisamos encontrar um caminho de crescimento adequado às nossas necessidades e sustentável ambientalmente.
Isso significa ritmo menor?
Ritmo é menos importante do que a qualidade. Crescer 7% destruindo patrimônio ambiental é muito pior do que se crescer 3% preservando patrimônio ambiental e, na medida do possível, melhorando as condições de vida. O crescimento em si não é o objetivo. Nenhum governo pode prometer crescimento. Crescimento é uma escolha que a sociedade faz. O governo não tem uma alavanca. Pode oferecer um ambiente mais amigável ou não.
O sr. acha que a Marina ofereceria um ambiente mais amigável com essas restrições ambientais?
Temos que separar duas coisas. Uma é o grau de exigência ambiental para um país como o nosso. Outra é como vai ser o processo de seleção de investimentos. Vamos ter um nível de exigência alto, mas os processos podem ser mais ágeis e confiáveis.
Esse conjunto de ideias é mais próximo de um programa de Aécio do que um de Dilma?
Há pessoas afinadas com essas ideias em diferentes partidos. Não vi o programa do Aécio. Certamente temos muitas criticas a esse governo. Queremos trabalhar com lideres e técnicos vindos das mais diferentes agremiações. A diferença é que vai ser um governo de programa, e não de coalizão oportunista.
O sr. fala do programa da Marina presidente?
É. Pelo que entendi, Eduardo Campos está de acordo com essa forma de fazer política, embora ele não viesse praticando isso até a aliança com Marina. Ele está indicando que vai mudar.
Em que sentido?
A partir de agora não fazer alianças com base em tempo de TV, fundo partidário, ganhos imediatos de campanha, mas fazer aliança com base em acordo programático.
Mas o seu grupo fez exatamente isso: se aliou ao PSB para usar fundo partidário, horário de TV, por interesse.
De jeito nenhum. Se fosse o caso, Marina poderia ter ido para o PPS ou para outro partido.
Foi uma opção por um partido mais forte.
Mas, se não houver uma convergência de programa, isso não tem o menor sentido. Há um elemento de confiança que vai se construir na criação de um programa em torno do qual possamos trabalhar.
Marina vai ser cabeça de chapa?
Não sei. Isso ainda não está definido e vai depender do desenrolar do quadro sucessório no primeiro semestre do ano que vem.
Como vai ser essa discussão de programa entre o grupo de Marina e o PSB?
É a construção de um programa unificado. Não sei qual é a proposta e o programa do PSB na área econômica.
Como entra a questão socialista nesse debate? Parece muito distante do que o sr. está falando?
Gostaria de entender melhor o lado semântico dessa palavra. Feudalismo, capitalismo, socialismo, comunismo --essas palavras perderam a utilidade.
Quais são as maiores dificuldades dessa fusão PSB-Rede?
Vai ser muito trabalhoso construir um programa e ter a garantia de que ele reflita de fato um compromisso de governo. Não tem nenhuma garantia prévia de que esse processo resulte num entendimento enraizado e profundo dos valores que justificam a colocação de uma alternativa para o país. Não sei qual é a proposta e o programa do PSB na área econômica.
Nesse processo, grupos de classe média mais ligados à ecologia ficaram frustrados?
Imagino que sim. Eu mesmo ainda não metabolizei totalmente isso. Estou esperando a poeira sentar. Se puder colaborar com uma alternativa que me encanta, farei isso. Se sentir que não posso fazer isso porque não há confiabilidade e a discussão entrar num processo escorregadio e desgastante, com visões muito diferentes, estou fora.
Como o sr. avalia ter como aliados personagens como Ronaldo Caiado, Heráclito Fortes, Bornhausen?
O PSB, liderado pelo Eduardo Campos estava fazendo o jogo tradicional da velha política brasileira. Ao se aliar com a Rede, ele está indicando que não vai continuar fazendo isso.
Como o sr. encara questões como aborto, criacionismo, uso de células tronco?
Quando me aproximei de Marina, em 2009, tinha nesse ponto a minha principal restrição. Porque eu tenho ideias até libertárias em relação a aborto, drogas, relações homoafetivas. Sou a favor da legalização das drogas leves. Creio que o aborto é um direito da mulher dentro de certos limites. Não vejo como negar aos homossexuais o direto de constituírem uma união estável.
E o criacionismo?
É uma doutrina religiosa, não tem nada a ver com biologia e em nenhuma hipótese deve ser ensinada.
Mas Marina...
Não. Numa escola religiosa, que já ensinava o criacionismo, ela disse que deveriam ensinar os dois. Marina me surpreendeu muito. Observei de perto como ela separa a fé a as convicções pessoais dela do debate público e dos caminhos que a sociedade brasileira escolhe.