Exclusivo!

Poucas & Boas 2017.3

2020 já começou? Alguns políticos de Heliópolis precisam saber que 2020 só começa após 2018. Ou seja, os resultados de 2018 podem in...

Novidade

terça-feira, 31 de julho de 2012

O Brasil que deve ser copiado: Ortopedistas rodam o País para fazer cirurgias


Profissionais do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), do Rio, já fizeram mais de 2 mil operações desde 2003
CLARISSA THOMÉ / RIO - O Estado de S.Paulo
Dr. Paulo Prado: 84 anos e dedicação ao próximo. (Foto: Tasso Marcelo/AE)
A professora Zuila Nogueira dos Santos tinha 35 anos quando ouviu um diagnóstico que mais parecia sentença: não voltaria a andar. A artrite, que desde os 12 anos lhe provocava dores, havia evoluído para artrose e destruído o osso do encaixe do fêmur com a bacia. Dependente da cadeira de rodas havia quatro meses, não teve outra alternativa senão mandar o filho viver com o pai. Precisava de ajuda para as tarefas mais simples. Zuila conta essa história em casa, aos 42 anos, no município de Porto Valter (AC), a 12 horas de distância da capital, Rio Branco. Sorri ao falar dos momentos de angústia - ao todo, locomoveu-se por um ano e sete meses com a cadeira de rodas. Ao contrário do prognóstico inicial, Zuila voltou a andar. Ela foi uma das beneficiadas pelo projeto Suporte, do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (Into), em que uma equipe com até 15 profissionais se desloca pelo País para realizar cirurgias ortopédicas de alta complexidade. O programa começou como piloto, em 2003, e ganhou fôlego recentemente. Se nos primeiros anos a equipe fazia uma ou duas viagens por ano, atualmente realiza ao menos um mutirão mensal, principalmente para cirurgias de quadril, fêmur e coluna na Região Norte do País. A média é de 25 pacientes operados por viagem, mas já aconteceu de a fila ser tão grande que fizeram 90 cirurgias em uma semana. Passa de 2 mil o número de operações já realizadas pelos profissionais.
          Referências. Os médicos andarilhos estão entre os melhores de suas especialidades - nomes como Pina Cabral, referência brasileira em cirurgia de quadril, que fez parte da equipe até a aposentadoria; Marco Bernardo Cury, chefe do serviço no Into; e Luiz Cláudio Schettino, especialista em coluna, responsável pela cirurgia para reconstrução de vértebra a que foi submetido o cantor Herbert Vianna, em 2001. Alguns pacientes esperam há anos por uma cirurgia. Uma jovem de 25 anos, de Cuiabá, estava havia dois sem andar depois de um acidente que provocou um grave afundamento do osso do quadril. Foi operada por Tito Rocha, coordenador de Desenvolvimento Institucional do Into, responsável pelo Suporte. "Somos missionários. A ortopedia é uma das poucas chances que se tem de mudar completamente a vida de uma pessoa", diz o médico. 
          Estratégia. Para que a equipe consiga sair do Into, é montada quase uma operação de guerra. Por dois dias, todos os equipamentos, ferramentas e próteses são separados e acondicionados em 12 contêineres. O ortopedista Paulo Padrão, de 84 anos, comanda esse trabalho. Aposentado do Into, ele voltou a integrar a equipe do instituto como o responsável pelo material de cirurgia. Nas longas viagens, sua disposição inspirava os mais novos. "É a realização do médico: levar o atendimento a pessoas carentes, que não têm a quem recorrer. A minha mulher acha meio ruim, mas já se acostumou", afirma Prado, que passou recentemente por uma cirurgia renal e está temporariamente afastado das viagens do grupo.