Novidade

domingo, 24 de fevereiro de 2019

Poucas & Boas 2019.2


O novo sempre assustador
O grito, de Edvard Munch 
O Brasil tem pavor de mudar alguma coisa. Por mais que o novo bata na nossa porta, há sempre alguém que será incomodado. Se a mudança traz benefícios para todos, mas atrapalha os planos de um membro da alta cúpula, nada muda. Se atrapalha o povão e beneficia a elite, as transformações ocorrem na velocidade da luz. Difícil é saber o que acontecerá com algo que prejudicará a todos agora, para beneficiar igualmente a todos no futuro. O projeto da Nova Previdência é exatamente isso. Ou muda agora ou não haverá mais Previdência. Não se pode mais admitir aposentadorias de 50 mil em detrimento da maioria esmagadora que recebe apenas um salário mínimo. E, para acabar com isso, será preciso trabalhar mais cinco ou dez anos. Todos!
Um limão, uma limonada
Quem não muda mesmo é a esquerda. PT, PSOL e cia insistem no discurso de defesa da “democracia” venezuelana. Não é difícil para eles. Por cinquenta anos disseram que Cuba vivia numa democracia. Também conviveram com ditadores africanos ridículos e sanguinários. Para eles, o grande inimigo é Tio Sam- que elegeu Bolsonaro e agora quer derrubar um governo popular eleito constitucionalmente pelo povo venezuelano. Ou seja, não importa o que aconteça de bom ou de ruim. Se não atender as querências da esquerda, nada presta. Esse discurso é tão velho quanto a ideia de se fazer com um limão uma limonada.
Exemplo de mudança
É verdade que algumas coisas mudam, mas timidamente. O Colégio Estadual Nossa Senhora de Fátima – na cidade de Fátima, conseguiu implantar o Ensino Médio em Tempo Integral. Embora tenha sido apenas em uma única turma, a mudança vem como uma boa nova. Esperamos que consiga destravar as ideias e que venham logo estas inovações. Precisamos sair do lugar vexatório em que se encontra a educação da Bahia. Vale dizer que, em Heliópolis, embora tenhamos já condições de implantação do Ensino Médio Inovador – com 6 aulas por turno – fomos quase que proibidos de insistir na ideia.
SEC travada
Embora o governador Rui Costa tenha ganhado o sobrenome de Correria, a Secretaria de Educação parece que está travada. Nada anda. Tem dia até que o Diário Oficial só publica lista de alunos concludentes. Por mais que as escolas ou o NTE se movam, tudo fica amarrado quando chega na SEC. Exemplo é o conserto do telhado do CEJDS. A parte da escola foi feita, o NTE fez tudo o que deferia, o engenheiro fez todo o trabalho em tempo. Agora, na hora de entrar a SEC para mandar a empresa fazer o serviço... Uma semana já se passou. Estamos na véspera do Carnaval... Tomara que não aconteça o que estamos pensando! Porque tudo na Bahia só começa depois da folia de Momo.
Tudo está no seu lugar
Há um lugar muito especial em Heliópolis que não muda de jeito algum. É o lugar da política. As coisas estão nos seus devidos lugares, sem surpreenderem ninguém. Na semana que passou, a Câmara Municipal de Heliópolis fez a abertura dos trabalhos para este ano. Quase todos os vereadores presentes, vinte pessoas na plateia, promessas de melhorias, planos e mais planos. Parecia um filme novamente assistido. Nada de novo. Quando uma cidade se acomoda e vê a rotina tomar conta, ou entra no marasmo ou tem uma bomba prestes a explodir. Nenhuma das duas prestam.
Se correr o bicho pega
Uma mãe ligou para o CEJDS revoltada porque as aulas ainda não tinham começado. Ela exigiu a transferência do filho para Poço Verde. Lá em Sergipe descobriu que as aulas só começam lá para o meio de março. Resolveu ver em Cícero Dantas e soube que só começava dia 11 de março. Com interdição e tudo, o CEJDS pode começar dia 7 de março, quinta-feira pós Carnaval. Só depende da Secretaria de Educação, que tem se mostrado muito ágil, mas para demitir. No dia 23 deste mês de fevereiro demitiu o nosso Vice-Diretor Allan Vinicius. Agora o CEJDS só conta com o professor Gilberto na direção e este blogueiro na Vice. A escola só poderá ter dois vices com mais de 700 alunos. A matrícula ficou em cerca de 620 estudantes.
Lourinaldo prefeito
Começou como uma proposta, virou uma candidatura a deputado federal e agora já é um dos nomes mais citados para prefeito de Poço Verde. Estamos falando de Lourinaldo Lisboa, professor do CEJDS. Seu nome tem crescido muito. Muitos o citavam para vice do lado A ou do Lado B, mas agora já falam que ele será alternativa viável de uma terceira via. Nesse caso, poderá sim haver mudança em Poço Verde. Tem gente que já não aguenta mais a política da mesmice. Será que o novo vai emplacar em Poço Verde nas eleições de 2020? A conferir.
Mudança na educação
Há um zunzunzum sobre uma possível mudança na secretaria de educação de Heliópolis. Só ainda não está claro se é o secretário atual que não quer mais ou o prefeito que deseja oxigenar a pasta. Daqui vislumbro mais uma mudança sem muito efeito. Dentro das condições, o professor Dênis pode se orgulhar de ser o melhor secretário da gestão Ildinho. Só não é melhor porque não tem autonomia. Sempre esbarra no muro Beto Fonseca. Não adianta mudar o nome se a essência é a mesma. Isto não tem nada a ver com mudança. É uma troca.