Novidade

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

O socialismo é a nossa desgraça?

O socialismo é mesmo nosso problema?

Na posse do presidente Jair Bolsonaro, uma coisa não colou: o combate às ideologias. Não se combate uma ideologia com outra ideologia. No Brasil, ideologia é disfarce, é cortina de fumaça. Não há ideologia neste país, nem de esquerda nem de direita. Não há socialista ou capitalistas, pelo menos em número suficiente para colocar a ideia em prática. Bolsonaro está usando um discurso ideológico para combater um vício ideológico. Não vai dar certo.
Precisamos de um choque de realidade e não de um antídoto. Não precisamos criar um satanás para que todos acreditem em Deus. Seria mais ou menos como dizer a uma criança que a escola é o paraíso do saber e que se ela estudar terá seu caminho pavimentado até o céu. Precisamos dizer a ela que a vida é luta e que ela precisa aprender para poder ter uma vida mais confortável, se não morrer atropelada, de câncer ou arma de fogo.
O socialismo jamais ameaçará o Brasil, e nunca foi um problema, simplesmente porque nunca por aqui ele aportou. Admitamos que o que há aqui é um capitalismo tupiniquim, protegido pelas mantas do governo. Nossa ideologia, de fato, é o oportunismo. Todos querem o poder e o dinheiro fáceis e usam uma ferramenta de comunicação para chegar lá. Lembro-me de um ex-aluno que consegue tirar dinheiro dos seus seguidores pregando a possibilidade de irmos todos aos infernos se não seguirmos os ensinamentos de Cristo.
Nossa desgraça não é socialismo ou capitalismo. O Brasil dará certo com qualquer regime ou bandeira ideológica, desde que faça as coisas colocando em primeiro lugar o próprio país. Até mesmo poderemos conviver com ideologias distintas, sem que elas se transformem em seitas políticas. Para isso, é só colocar o ser humano como prioridade. Portanto, nossa ameaça não é o socialismo ou comunismo. Para caminharmos bem, precisamos acabar com os usurpadores e oportunistas. Estes aproveitam a pouca educação do nosso povo, e sua fé incurável, para solapar uma nação.