Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

sábado, 29 de julho de 2017

CIPE prende suspeitos do assassinato de João José

Val do Caqueiro (no meio) é o principal suspeito do assassinato de João José
(foto: CIPE NORDESTE)
A CIPE NORDESTE – Companhia Independente de Policiamento Especializado da região do Sisal e do Nordeste da Bahia, em operação na nossa região desde fevereiro deste ano, prendeu nesta sexta-feira (28) dois meliantes que podem estar envolvidos no assassinato do professor João José. O fato aconteceu exatamente no dia da missa de sétimo dia, promovida pelos familiares da vítima. A prisão só foi possível porque os policiais que atuam na CIPE NORDESTE recebem treinamento especial, como afirma com orgulho o seu comandante, o Major Wellington. A CIPE NORDESTE cobre uma vasta região, desde o município de Pintadas até Coronel João Sá, totalizando 46 municípios.
Tudo aconteceu por volta das 21:20, na BR-110, no Posto Bom Gosto, nas proximidades do povoado Zé do Bode, município de Ribeira do Pombal. Dois homens suspeitos trafegavam numa moto e foram abordados pelos policias da companhia. Um dos meliantes era Joseval de Souza Silva, o Val do Caqueiro, o mesmo que foi preso junto com Mateus Andrade em outra ocasião. A Polícia Militar suspeita que executaram Mateus para queimar arquivo e todos os caminhos levam a Val do Caqueiro. Pressionado, Val confessou que estava indo para Caldas do Jorro pegar com um tal de Josuel, possível alcunha de Carleon de Santana Farias Júnior, uma camionete Strada, branca, roubada, para levar até Magal Novo, na cidade de Adustina.
Por ordem do Tenente Bittencourt, após Val ser interrogado e preso, uma viatura da CIPE foi até Caldas do Jorro para verificar toda a história. Lá, confirmada a versão, os policias prenderam Josuel e apreenderam o veículo roubado que estava com ele. Numa só cartada, a polícia prendeu três meliantes, Val do Caqueiro, seu companheiro Michel da rua Santa Luzia - Michel de Jesus Souza, Josuel e recuperou dois veículos roubados: a Strada, placa JPD-3964, e uma motocicleta CG 125 de chassi adulterado. As prisões serão mais ainda compensadas se for confirmada a participação dos três no assassinato do professor João José, na Serra dos Correias, em Heliópolis, e na execução do ex-companheiro de ações errôneas, Mateus Andrade. Não demorará muito para o mistério ser desvendado. Os meliantes estão sob a custódia do delegado de Ribeira do Pombal Equiber dos Santos Alves.

quarta-feira, 26 de julho de 2017

O aviso prévio da extorsão estatal

Corpo de Mateus é encontrado

Corpo de Mateus Andrade foi encontrado em Heliópolis
Mateus Andrade, também conhecido por Mateus da Limeira, ou Mateus da Chapada da Lagoa Grande, que estava desaparecido desde o dia 22 deste mês, logo após o tiroteio acontecido entre os povoados de Serra dos Correias e Farmácia, teve o seu corpo localizado hoje pela manhã. Segundo informações, foi o vereador Valdelício Dantas da Gama, morador do povoado Serra dos Correias que, ao se deslocar para Heliópolis logo cedo, passando pelo local do incidente, viu urubus na propriedade próxima da estrada. Pensando ser algum bovino ou equino morto, foi até o local e encontrou o corpo de Mateus Andrade já em avançado estado de decomposição e servindo de alimento aos predadores. Imediatamente as autoridades foram comunicadas e o Instituto Médico Legal foi acionado. Por volta do meio dia desta quarta-feira (26), as providencias de remoção do corpo foram iniciadas. Depois de realizados os trabalhos de praxe, o corpo deve ser liberado para sepultamento, que poderá ocorrer na cidade de Cícero Dantas.
Assim, o mistério chega ao fim. O corpo estava a poucos metros do local onde ocorreu o tiroteio. É mais correto pensar que, para tentar salvar a vida, Mateus, já provavelmente ferido, tentou fugir pelo matagal. A versão de que ele foi capturado e levado no Siena vermelho foi um blefe. Quando as balas cantam, todos procuram se proteger. Não dá para ver muita coisa. Também certamente não viram o próprio Mateus correr para o mato, ainda com forças, mesmo ferido. Quando a morte chegou, estava só. Se não houvesse a versão do sequestro, provavelmente os policiais fariam uma busca no local e fatalmente o encontrariam. É o fim de uma vida que mal começou e o começo do sofrimento daqueles que ainda tinham esperança de vê-lo vivo e se recuperando dos emaranhados em que se envolveu.

terça-feira, 25 de julho de 2017

O misterioso desparecimento de Mateus

Mateus Andrade está desaparecido
O nome dele é Mateus Andrade, também conhecido por Mateus da Limeira, ou Mateus da Chapada da Lagoa Grande. Foi ele o centro do problema que causou a morte de João José Andrade Guerra no último final de semana. A última versão de seu desaparecimento ainda não bate com as informações colhidas. Teria sido visto sendo colocado no Siena vermelho, de onde saíram os meliantes que promoveram as rajadas de balas na estrada entre o povoado Serra dos Correias e o povoado Farmácia, em Heliópolis. Uma destas balas matou João José.
A questão é qual o paradeiro de Mateus Andrade. Com passagens pela polícia, beirando os vinte anos, é perseguido por entregar os comparsas. Muitos falaram que seu corpo estaria na ladeira do povoado Tijuco, também em Heliópolis. Outros levantam a hipótese de familiares encontrarem o corpo, mas não aconteceu nenhum enterro que se saiba. A hipótese do momento é que Mateus conseguiu fugir na hora do tiroteio e está escondido em algum lugar. Sua foto já circula pela Internet como desaparecido e isto ajuda a reforçar a ideia de que ele não foi capturado no dia do tiroteio. 
Para aumentar a dúvida, a mãe do desaparecido veio buscar a motocicleta dele no mesmo dia do fato. Ela poderia ter sabido do acontecido por terceiros e ter vindo ao local, mas também poderia ter sido informada pelo próprio filho do exato lugar onde estava o veículo. O mistério continua e, em meio a tudo isso, os parentes de João José Andrade Guerra choram inconformados a perda de um ser humano incapaz de fazer mal a uma mosca, cheio de vida e de vontade de vencer.