Exclusivo!

Poucas & Boas 2017.3

2020 já começou? Alguns políticos de Heliópolis precisam saber que 2020 só começa após 2018. Ou seja, os resultados de 2018 podem in...

Novidade

domingo, 30 de julho de 2017

Professor Landisvalth lança 3º livro

O professor Landisvalth Lima, articulador deste blog, lançou o seu terceiro livro. Desta vez não se trata de ficção. É um livro que fala sobre a educação em nossa região e derivou de um trabalho de pesquisa para a formatação de uma dissertação de mestrado. Nas 118 páginas, Patologias educacionais do semiárido baiano revela as dez doenças que fazem da nossa educação uma das mais decadentes do país. É um estudo que procura não apontar os culpados de forma individual, mas um conjunto de ações que teimam em transformar nossa educação sempre em cantilena de coitadinho.
O livro Patologias educacionais do semiárido baiano foi lançado em dois formatos: digital, para ser lido em computadores, tabletes, celulares e Kindle, com preço acessível de apenas 3 dólares, ou R$ 9,45. “Foi uma forma que encontrei para o público ter acesso ao livro. Além disso, o cliente da Amazon.com que comprar algum livro pode levar o meu por até 1 dólar ou R$ 3,50. Quem gosta de ler sabe que é um preço muito bom.”, afirma Landisvalth. O outro formato já não é tão barato porque é destinado a brasileiros ou falantes da língua portuguesa que moram em outros países e é no formato impresso por encomenda. O custo é de 8 dólares ou 25 reais. “Nesse caso, não vale a pena um brasileiro adquirir porque há impostos de importação e o valor pode passar dos 50 reais. Foi uma forma de vender o livro lá fora, caso me percebam.”
Os outros dois livros do professor Landisvalth Lima é o romance A mulher do pé de cabra, de 2004, já em sua 3ª edição, também à venda no Amazon.com, e o outro romance A esquerda bastarda, de 2011, das editoras Livronovo/Per-se. Ele trabalha ainda em mais oito projetos de livros a serem lançados: um livro de poesia, um de contos e mais seis romances. No livro lançado nesta sexta-feira (28), ele fez questão de colocar na capa a foto do açude de Heliópolis seco. “Espero que o povo entenda a metáfora. Maltrataram o açude e ele já secou duas vezes dizendo que precisamos cuidar melhor dele. A educação também está nos dando avisos. Precisamos acordar.”, sentencia.
Para acessar Patologias educacionais do semiárido baiano em livro impresso, dê um clique  AQUI.
Para acessar Patologias educacionais do semiárido baiano em formato digital, dê um clique AQUI.
Para acessar A mulher do pé de cabra em formato digital, dê um clique AQUI
Para acessar A esquerda bastarda em livro impresso ou digital, dê um clique AQUI.