Exclusivo!

Vereador ignora decisão do TCM

Novidade

sábado, 17 de junho de 2017

Joesley Batista: “Temer é o chefe da quadrilha e Lula institucionalizou a corrupção no Brasil”

Em entrevista exclusiva para a ÉPOCA, assinada pelo jornalista Diego Escosteguy, o empresário Joesley Batista, um dos donos da J&F, diz que o presidente não tinha “cerimônia” para pedir dinheiro e que Eduardo Cunha cobrava propina em nome de Temer. A entrevista está publicada na edição desta semana e é a primeira entrevista exclusiva desde que fechou a mais pesada delação dos três anos de Lava Jato. Em mais de quatro horas de conversa, precedidas de semanas de intensa negociação, Joesley explicou minuciosamente, sempre fazendo referência aos documentos entregues à Procuradoria-Geral da República, como se tornou o maior comprador de políticos do Brasil. Discorreu sobre os motivos que o levaram a gravar o presidente Michel Temer e a se oferecer à PGR para flagrar crimes em andamento contra a Lava Jato. Atacou o presidente, a quem acusa, com casos e detalhes inéditos, de liderar “a maior e mais perigosa organização criminosa do Brasil” – e de usar a máquina do governo para retaliá-lo. Contou como o PT de Lula “institucionalizou” a corrupção no Brasil e de que modo o PSDB de Aécio Neves entrou em leilões para comprar partidos nas eleições de 2014. O empresário garante estar arrependido dos crimes que cometeu e se defendeu das acusações de que lucrou com a própria delação.

Para ler a entrevista, dê um clique AQUI.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Ex-cantora de Cavaleiros do Forró morre em Aracaju

Eliza Clívia cantou em Heliópolis em 2014
A ex-vocalista da banda Cavaleiros do Forró, Eliza Clívia, 37 anos, e o namorado dela, o baterista Sérgio Ramos, morreram hoje à tarde num acidente envolvendo um ônibus e o carro de passeio em que viajavam. A fatalidade aconteceu entre as ruas Arauá e Maruim, no centro de Aracaju (veja vídeo neste post). O casal estava se deslocando para a TV Atalaia, afiliada da Record em Sergipe, para dar uma entrevista no Programa Tolerância Zero. No último post em sua conta no Instagram, a cantora contou que já tinha chegado em Aracaju e que já estava na TV Aperipê.
O carro onde estavam as vítimas teria invadiu a rua preferencial, colidindo com um ônibus de transporte coletivo, como mostra o vídeo. O produtor da cantora, Jailson Souza, disse que cinco pessoas estavam no carro no momento do acidente. Três deles foram removidos para o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse) com ferimentos leves. 
Eliza nasceu em Livramento da Paraíba e ficou conhecida quando atuou na banda Cavaleiros do Forró e depois na Cavalo de Aço. Esteve no São Pedro de Heliópolis em 2014, inclusive na Alvorada, atuando na banda Cavaleiros do Forró. Atualmente fazia carreira solo em que comemorava 20 anos como cantora. Eliza se apresentaria nesta sexta-feira(16) à noite no Armazém Avenida, casa de show na avenida Hermes Fontes, em Aracaju, que estava promovendo a festa “Arraiá Vip”. Os corpos de Eliza e do namorado dela, Sérgio Ramos, foram levados para o Instituto Médico Legal (IML).

PT, PMDB e PSDB de mãos dadas!


Alexandre Garcia fala sobre agressões sofridas

Alexandre Garcia não reagiu às provocações (foto:Cariri Notícias)
     Depois do episódio de intolerância vivido pela jornalista Miriam Leitão, da TV Globo e do jornal O Globo, hostilizada dentro de um avião por militantes do PT, o jornalista Alexandre Garcia, também do grupo Globo, passou pela mesma experiência lamentável nesta quinta-feira. Acompanhado da mulher, Magda Pereira, Garcia foi sucessivamente ofendido por um militante de esquerda antes de embarcar e durante o voo que o levou do aeroporto de Brasília ao aeroporto de Confins, na região metropolitana de Belo Horizonte.
     O rapaz estava no mesmo voo, o 1700, da companhia aérea Gol, e registrou as hostilidades ao jornalista em um vídeo, que circula em redes sociais e no YouTube (veja abaixo). Ainda na fila do embarque, ele grita palavras de ordem contra a Rede Globo e Alexandre Garcia, acusando-os de terem apoiado a ditadura militar, e chama o jornalista diversas vezes de “golpista”.
     “Que legal que a gente vai no mesmo voo. Golpista! Vai ter mimimiriam Leitão? Alexandre, você também vai soltar notinha se vitimizando igual à Miriam Leitão?”, grita o rapaz. “Vai chamar a Polícia Federal? Vai ter mimimi? Vai dizer que é ódio? Vocês que incentivam o ódio contra o PT, o PCdoB, contra a esquerda”, continua. As agressões verbais seguiram até a entrada de Garcia no avião, quando ele foi xingado de “cagão”. O jornalista não respondeu às provocações.
     A VEJA, Alexandre Garcia relata que os ataques do rapaz começaram ainda no saguão do aeroporto e, embora tenham cessado durante o voo, foram retomados quando a aeronave pousou na capital mineira. “Vi que tinha um sujeito gritando atrás de mim, enlouquecido. É o momento dele aparecer, parecia que estava fora de si. Disse que o destino marcou esse encontro, que nos colocou no mesmo voo. Ele veio gritando desde o balcão”, diz.
     Mesmo diante dos ataques ao jornalista na fila para embarcar, os dois funcionários da Gol responsáveis por conferir as passagens não tomaram nenhuma providência para resguardá-lo, como mostra o vídeo. As imagens mostram, no entanto, que, durante a entrada dos passageiros no avião, o comandante chama o jornalista à entrada da cabine e conversa com ele.
      Segundo Alexandre Garcia, o piloto disse que poderia retirar o rapaz do voo, mas que ele, Garcia, não concordou com a medida. “A aeromoça da Gol tomou a iniciativa de chamar o comandante, que queria expulsá-lo do avião, mas não deixei. É alguém que quer aparecer. E ele acabou voando graças a mim”, ironiza o jornalista. “Era uma pessoa muito alterada, não dei muita importância”, afirma.
     Alexandre Garcia relata que, diante da gritaria do jovem contra ele, o ex-deputado federal do PT e ex-ministro Sigmaringa Seixas lhe prestou solidariedade no aeroporto de Brasília. Ao contrário das hostilidades a Miriam Leitão, atacada por alguns militantes petistas em um voo de Brasília ao Rio de Janeiro, o detrator de Garcia agiu sozinho.

     (João Pedroso de Campos - Veja.com)


domingo, 11 de junho de 2017

O que mudou no ENEM?

Heloísa Helena: história de resistência e verdade

A ex-senadora que chamou a atenção do mundo está hoje na Rede Sustentabilidade e quer ajudar Marina Silva a consolidar uma identidade para a militância do partido
Heloísa Helena em Seabra-BA (foto: Landisvalth Lima)
O nome dela é Heloísa Helena Lima de Moraes Carvalho. Nasceu na cidade de Pão de Açúcar, no estado de Alagoas, às margens do Rio São Francisco. Completou no último dia 6 de junho seus 55 anos de vida, boa parte deles dedicados à luta contra as mazelas que insistem em tomar conta do país. Ao olhar para ela, para os seus cabelos já repletos das mechas brancas confirmadoras dos nascidos em 1962, ninguém jamais imaginaria tratar-se de uma mulher que desafiou boa parte dos coronéis da política deste país. Amável, sempre sorridente, solícita com todos e dona de uma capacidade ímpar de ouvir humildemente. Uma vez na tribuna, com o microfone na mão, ela não deixa para amanhã as verdades que devem ser ditas hoje.
Heloísa Helena parece que ainda não se cansou da luta, embora tenha já afirmado o ano passado que estava aposentada das urnas. Todos se lembram que ela foi a 3ª colocada nas eleições presidenciais em 2006, foi a primeira senadora eleita pelo estado de Alagoas, e pelo PT. Expulsa do Partido dos Trabalhadores em 2003, fundou o PSOL em 2006. Teve a coragem de deixar a presidência da legenda quando o PSOL resolveu apoiar Dilma Rousseff. Foi ainda deputada estadual e vice-prefeita de Maceió. Sem ligação com o estrelismo, disputou e ganhou dois mandatos seguidos de vereadora em Maceió.
Heloísa Helena é atualmente presidente da fundação ligada à Rede Sustentabilidade e também assumiu a coordenação da organização partidária. Sempre foi ligada, desde muito jovem, aos movimentos sociais. Durante a década de 1990, participou, no PT em Maceió, de ações que visavam à defesa de minorias e segmentos sociais menos favorecidos. Candidata pela primeira vez em 1992, se elegeu vice-prefeita de Maceió na chapa do então governador Ronaldo Lessa (PSB). Dois anos depois, foi eleita deputada estadual, a primeira pelo PT em Alagoas.
Em 1996, certamente não gostando dos rumos tomados pelo grupo político que ajudou a chegar ao poder, rompeu com Lessa e candidatou-se à Prefeitura de Maceió contra a então secretária da saúde do município, Kátia Born (PSB), que acabou eleita. Mesmo liderando as pesquisas desde o início do processo eleitoral, foi derrotada no segundo turno. Em outubro de 1998, Heloísa Helena, ainda no PT, é eleita com 374.931 votos como a primeira senadora mulher da República Federativa do Brasil, por seu estado natal, derrotando o então senador Guilherme Palmeira, do então PFL.  Heloísa Helena é formada em Enfermagem e virou professora de Epidemiologia da UFAL – Universidade Federal de Alagoas.  
A ex-senado parece incansável na luta para fazer este país melhor (foto: Landisvalth Lima)
No senado, Heloísa Helena foi a principal pedra no sapato no neoliberalismo de Fernando Henrique Cardoso e do PSDB. Acusava o governo do desmantelamento das políticas sociais, do Estado e da economia nacional, produzindo o mais amplo processo de exclusão social já visto no Brasil, levando desespero a milhares de trabalhadores brasileiros. Chegou a assumir a vice-presidência da Comissão de Assuntos Sociais do Senado e era titular do Conselho de Ética do Senado. Não é necessário dizer que sua participação era garantia de debate constante e de combate às desigualdades sociais. Graças à atuação marcante, virou Líder da Oposição em 2000. Heloísa também apoiou o pedido de impeachment contra FHC no segundo mandato dele, envolvendo a questão do PROER. Aliás, a ex-senadora sempre foi coerente. La viu o PT pedir o impeachment de todos os presidentes da república eleitos pelo voto popular após a redemocratização.
Ao contrário do PSOL e parte da Rede, Heloísa viu o impeachment de Dilma como um ato legal. Agora na Rede, Heloísa não entende como a esquerda brada a saída de Dilma como um golpe, embora reconheça que a legitimidade do cargo de Temer não significa legitimidade política. Essa coerência trouxe muitos problemas para Heloísa. Em 2002 se recusou a ter como vice um político do PL e renunciou à candidatura ao governo de Alagoas. Não queria aliança política com seguidores de Fernando Collor e políticos ligados ao narcotráfico. No ano seguinte, com a vitória de Lula, a última coisa que o PT queria era uma petista coerente. Não aprovou a política econômica do PT e se negou a ratificar o nome de Henrique Meireles para o Banco Central. Além disso, a então senadora teria que engolir o nome de Sarney para presidência do Senado. Era demais para sua biografia. O embate com o governo do PT foi inevitável.  Hoje, a reforma da Previdência, que está fazendo petistas bradarem seus ideais socialistas e revolucionários contra o “governo golpista”, lembra muito a saída de Heloísa Helena do PT. Por entender que o projeto tiraria direitos dos servidores públicos, Heloísa votou contra. Foi expulsa do PT.
Heloísa Helena com os representantes da Rede em Seabra-BA (foto: Landisvalth Lima)
Não dá para entender hoje como José Dirceu e José Genoíno, praticamente os responsáveis pela expulsão dos petistas naquela época, mesmo envolvidos em maracutaias, são considerados heróis do Partido dos Trabalhadores. Enquanto isso, Heloísa Helena segue sua trajetória e, até aqui, não recebeu o reconhecimento dos chamados “esquerdistas”. Mas a ex-senadora deve ter engolido seco quando viu o partido que ela criou, o PSOL, com os expulsos e não reconhecidos do PT, apoiar o próprio algoz, mesmo depois de tanta denúncia envolvendo corrupção e desmonte da Petrobras.  Já vereadora em Maceió, num discurso histórico, disse que o PT frustrou as expectativas dos socialistas brasileiros, porque não transformou o Brasil em uma nação socialista e não resolveu a triste estimativa de dezesseis milhões de brasileiros vivendo em situação de pobreza extrema.
Mas a luta de Heloísa foi reconhecida, claro, não por socialistas. Estes têm uma dificuldade em reconhecer os verdadeiros batalhadores. Precisam de mitos, jamais da realidade. Em 2005 foi agraciada, pelo Governo do Estado de Alagoas, com a Medalha Marechal Floriano Peixoto. Ainda no mesmo ano recebeu a Medalha de Mérito Pedro Ernesto, concedida pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Também em 2005 foi eleita pela revista Forbes a mulher mais influente na política e no legislativo Brasileiro. Para fechar o ano glorioso, em dezembro, os profissionais de comunicação, agência de publicidade e leitores da Revista Isto É Gente elegeram Heloísa Helena como Personalidade do ano de 2005.
Sempre amável e sorridente com a militância (foto: Landisvalth Lima)
Agora, Heloísa é bem recebida na Rede, mas ecoam ainda o martírio sofrido na sua caminhada política. Teve candidaturas impugnadas, boatos espalhados para prejudicar sua candidatura, silêncio da imprensa do seu estado e outros senões. Mesmo assim, parece ainda ter energia para uma longa caminhada. Se depender da disposição demonstrada em discurso feito no encontro da Rede na cidade de Seabra-BA, não há dúvida de que Marina Silva recebeu extraordinário reforço para as eleições de 2018. Como também participa da organização do partido, Heloísa Helena tem uma missão difícil: dar identidade à Rede Sustentabilidade. O partido não pode entrar na velha dicotomia política do nós contra eles. Precisa ser uma real alternativa, uma terceira via independente, distante dos chavões da esquerda ultrapassada, sem perder sua opção pelo social, pela ética e pela luta pelo progresso sustentável. Não pode, como fez o PSOL, virar satélite rebelde do PT. 
Por tudo isso, é preciso reconhecer que Heloísa Helena hoje está acima dos partidos. Como Marina Silva, representa a marca da luta de um país que se nega ao não ser. É uma personalidade que vai além das agremiações políticas, que não se contenta apenas em ver a casa arrumada, porque sempre é possível ir além das possibilidades. Heloísa Helena é hoje patrimônio político do Brasil e símbolo daqueles que têm a capacidade de dizer sempre a verdade.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Moradores de Umbuzeirão sofrem com agrotóxicos

Moradores de Umbuzeirão, em Poço Verde, sofrem com agrotóxicos (foto: J. Trindade)
     Em reportagem de Melissa Diniz, do portal UOL, ficamos sabendo que cada brasileiro consome 7 litros de agrotóxicos por ano. Certamente, os moradores da localidade de Umbuzeirão, município de Poço Verde, devem estar consumindo muito mais. O povoamento fica ao lado da propriedade do agricultor Arnaldo Araújo, que usa constantemente agrotóxicos. Segundo informações da estudante Josefa Joilma, uma moradora que vive ao lado da propriedade do sr. Arnaldo, Dona Iolanda, passou muito mal e chegou a ser hospitalizada em Poço Verde. Também as crianças apresentam muitos sintomas típicos do excesso de agrotóxicos e três delas foram parar no hospital.   
     A reportagem de Melissa afirma que o pensamento comum é de que frutas, legumes, grãos, cereais e outros alimentos naturais viram um banquete de nutrientes e vitaminas que se transformam em mais saúde para o corpo. Seria perfeito mesmo, não fosse a presença de ingredientes adicionados à grande maioria deles ainda na terra: os agrotóxicos. E é exatamente isso que faz o Sr. Arnaldo Araújo, e quase todos os agricultores. Em épocas de inverno generoso, a produção de milho em Poço Verde é a maior do estado de Sergipe e o uso de agrotóxicos tem ajudado na produção. Ocorre que, quando o ser humano é afetado, a história tem que mudar. 
Dois cães já morreram vítimas dos agrotóxicos (foto: J. Trindade)
     Estas substâncias químicas são usadas aos montes na agricultura brasileira, a tal ponto que, desde 2008, o Brasil ocupa o posto de campeão mundial no uso de agrotóxicos para manter as pragas longe das lavouras, segundo dados do Ibama. Só que, além de matar pragas, o veneno também mata pessoas e animais. O estudante José da Trindade Silva informa que dois cães já morreram e um está muito doente. "É claro que as pessoas estão sendo contaminadas e é preciso fazer algo urgente.", disse José. 
     Se de um lado o agronegócio progride com a garantia de colheitas sem prejuízos, por outro nos tornamos consumidores de substâncias desconhecidas, muitas delas consideradas, inclusive, cancerígenas. Um levantamento da Fundação  Oswaldo Cruz aponta que cada brasileiro consome, em média, 7 litros desse veneno por ano. Isso é a realidade do consumidor final do produto. Agora, e quem mora ao lado? Os moradores de Umbuzeirão querem uma solução rápida das autoridades.

Rede realiza encontro estadual em Seabra

Encontro muito animado da Rede em Seabra (foto: Landisvalth Lima)
     A Rede Sustentabilidade da Bahia realizou mais um encontro estadual. Desta vez, a cidade escolhida foi Seabra, na Chapada Diamantina. Lá a Rede fez a maior bancada de vereadores do país, exatamente quatro edis, e também elegeu o prefeito municipal, Fábio Miranda, que obteve votação esmagadora, 16.280 votos, ou coisa em torno de 68% dos votos. O encontro ocorreu no Hotel Nélios, bem na entrada da cidade, às margens da BR 242. Neste encontro, além de Júlio Rocha e Iaraci Dias, coordenadores regionais e porta-vozes, marcaram presenças o coordenador de organização nacional, Tácius Fernandes, e a ex-senadora por Alagoas, Heloísa Helena.

Prefeito Fábio Miranda - Rede (foto: Landisvalth Lima)
No sábado, 03 de junho, o encontro pela manhã serviu para a formação de novos filiados, coisa que o partido não abre mão. Pela tarde, após almoço, aconteceu o Encontro do Elo Estadual. A abertura foi feita por Júlio Rocha, que saudou os presentes e anunciou Tácius e Heloísa. O evento se prolongou até as 22 horas, findando com uma reunião com as mulheres, com o objetivo de aumentar a participação feminina no processo eleitoral. Mais uma vez estava a incansável Heloísa Helena. 
     Durante o encontro, o partido aprovou dois documentos, um da nacional e outro da estadual. O primeiro trata da ênfase na questão das Diretas Já, da cassação da chapa Dilma/Temer e no reforço ao nome de Marina Silva. No documento do Elo Estadual há aprovação da indicação de participação do processo eleitoral em 2018 com lançamento de chapa própria em todos os níveis, como alternativa aos dois grupos hegemônicos na Bahia.
     Ana Dalva no Elo Estadual
Heloísa Helena e Ana Dalva (foto:Landisvalth Lima)
A vereadora Ana Dalva teve o seu nome aprovado para integrante do Elo Estadual da Rede, na Comissão Executiva. A vereadora de Heliópolis fez questão de agradecer a confiança e disse que o fundamental para o crescimento do partido é a união de todos. "Precisamos nos conhecer mais e dialogar melhor." resumiu.
     Caio Ramos, de Alagoinhas
     O senão do encontro foi um suposto apoio do vereador da Rede, em Alagoinhas, Caio Ramos, que manifestou apoio numa rede social ao candidato Bolsonaro. Para evitar um julgamento precipitado, o encontro aprovou Moção pedindo maiores informações sobre o acontecimento ao próprio vereador. Só depois o Elo Estadual tomará as medidas necessárias. Caso seja confirmada a notícia, o vereador pode ser expulso do partido.
     Tácius Fernandes
Júlio Rocha fala entre Heloísa e Fábio Miranda, ladeados de Iaraci,
Meirinha, Tácius e Ana Dalva
(foto: Landisvalth Lima)
O coordenador de organização nacional, Tácius Fernandes, fez um breve relato da situação nacional e mostrou como andam as conversas entre a Rede e outros partidos. Disse que já há um diálogo com o PPL - Partido Pátria Livre, o PSB - Partido Socialista Brasileiro, e um início de conversa com o PPS - Partido Popular Socialista, aguardando que este saia definitivamente do governo Temer. Tácius deixa claro que, o fato de Marina Silva ser a única que pode derrotar Lula num provável segundo turno, está provocando uma onda petista de desconstrução do nome da ex-ministra do meio ambiente. "É preciso combater este tipo de política e a Rede não pode aceitar calada." disse.
     O próximo encontro da Rede será em outubro, na cidade de Valença. Nas próximas postagens, entrevistas com Heloísa Helena, Júlio Rocha e a vereadora Meirinha, de Irecê.  
     Para ver mais fotos do encontro, dê um clique AQUI.

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Marina Silva é internada

Marina Silva sentiu fortes dores no abdômen ( foto:@brazilconference/Facebook)
     A ex-ministra e ex-senadora Marina Silva (Rede) está internada desde sábado no Hospital Brasília, na capital federal, em decorrência de fortes dores abdominais, segundo comunicado publicado por sua assessoria nas redes sociais.
     “Durante a última semana, Marina Silva sentiu fortes dores na região abdominal e no sábado, 3 de junho, por recomendação médica, foi internada para realizar exames e monitorar o andamento do seu quadro clínico no Hospital Brasília”, afirma a nota.
     De acordo com a assessoria, o “diagnóstico da causa ainda encontra-se em fase de investigação” e Marina está aos cuidados do médico Luis Augusto Bianchi. “Contamos com o apoio e orações de todos para que sua recuperação aconteça rapidamente”, diz o comunicado, que ressalta que “Marina já apresenta melhoras”.
     “Neste dia tão especial, o Dia Mundial do Meio Ambiente [comemorado nesta segunda-feira], Marina reforça a importância de nos mantermos alertas na defesa do desenvolvimento sustentável, do pleno funcionamento das instituições e da nossa democracia”, afirma a nota. Marina ganhou notoriedade internacional pela defesa de causas ambientais e foi ministra do Meio Ambiente no governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) entre 2003 e 2008.
     Terceira colocada nas eleições presidenciais de 2014 e 2018, Marina ainda não se decidiu se vai disputar novamente a eleição em 2018.
     ( José Benedito da Silva.VEJA.COM)

terça-feira, 30 de maio de 2017

Heliópolis na TV Bahia e a farsa de Zé da Cobra

A polêmica em torno dos três rapazes que foram desmascarados em Heliópolis por policiais militares está longe de ter fim. Nesta terça-feira, a TV Bahia, afiliada da Rede Globo, tratou do assunto, mostrando vídeo postado no blog do Rodrigo Ferraz. A reportagem exibida no programa Bahia Meio Dia detalhou a ação dos infelizes e o posterior desbaratamento dos policias militares. Ao final, questionou a ação dos policiais afirmando que os mesmos haviam cometido erros por punir os meliantes. Disse a reportagem que a punição deve ser imposta por um juiz. O vídeo aqui postado é uma colaboração do José Macedo Sousa.
Embora tenha razão o que disse a TV Bahia, ficou no ar a ideia de que os meliantes foram os injustiçados da história. Numa região onde a Justiça trabalha a passos de cágados e uma sentença demora anos para acontecer, muitos moradores aplaudiram os policiais. É raro conversar com algum morador de Heliópolis que não parabenize a ação da Polícia Militar. O povo está indignado por ter sido o seu bom coração traído pelos seus próprios irmãos. “Se eles tivessem dito que estavam desempregados e precisando, nós colaborávamos do mesmo jeito. Não precisava mentir!”, afirmou uma moradora.
O Landisvalth Blog então procurou saber que eram os rapazes envolvidos na tramoia. Descobrimos que dois são da família de um morador no povoado Tabuleirinho, em Poço Verde-Se. É o conhecido Zé da Cobra, que ganhou a alcunha por criar uma cobra em casa. Ele morava no povoado São José, também em Poço Verde, e saiu de lá exatamente por praticar a mesma farsa. Zé da Cobra tem um irmão realmente doente, necessitando de uma cirurgia, e saia por aí pedindo ajuda para realizar o procedimento. Só que nunca fez nada. Descobriu, na verdade, um meio fácil de vida e faz isso até hoje. Dos três garotos, um é filho dele e outro é neto. Eles tentaram realizar uma farsa mais eficiente e se deram mal. 
Conversando com moradores do povoado, confirmaram a história e estão revoltados com a má fama que agora vai ganhar a localidade. Um estudante que pediu para não ser identificado chegou até a dizer que quem chegasse na casa de Zé da Cobra não diria que se trata de um miserável. “Eles se aproveitam da bondade do povo e todo o alimento arrecadado é vendido. Saiu do São José para manchar a nossa comunidade.”, afirmou. Zé da Cobra vem praticando falsa mendicância há muito tempo nas cidades e povoados da Bahia e Sergipe. Sabendo disso, vai ficar difícil o povo de Heliópolis condenar a ação dos policiais.

domingo, 28 de maio de 2017

Um Vecinho Só completa 6 anos

Um Vecinho Só precisa do poder público (foto: Landisvalth Lima)
A sexta edição de Um Vecinho Só foi realizada neste último sábado (27) no Clube Caiçara, em Heliópolis – Bahia. O evento é uma tentativa de fazer ecoar a obra musical de Helvécio Pereira Santana, morto em 03 de janeiro de 2011, aos 62 anos. Houve uma visível queda na estrutura deste sexto ano, mas a animação foi a de sempre. Marcaram presença Zé Costa, Tatu Lemos, Silvano Pereira, Giló, Fernando Curisco, Paulinho Jequié, Maviael Melo, Vando Reis e muitos outros.
O que preocupou no encontro deste ano é que se não houver urgentemente uma consolidação do evento, transformando-o em agenda cultural do município de Heliópolis, logo logo será esquecido. Paulinho Jequié se queixa de ter que sair mendigando patrocínio de pessoas, empresas e órgãos públicos.
Vale dizer que, embora o evento tenha sido realizado em Heliópolis, não teve um centavo da Prefeitura Municipal. O motivo? O de sempre: política. A família de Helvécio não apoiou o prefeito eleito, que havia patrocinado em anos anteriores. Isso não pode ser uma justificativa. Helvécio Santana é patrimônio do município e uma briga política provinciana não pode impedir a realização do evento.
A vereadora Ana Dalva já tem até um esboço do projeto para tornar Um Vecinho Só parte integrante do calendário cultura de Heliópolis, mas esbarra na questão de vereador não poder apresentar projeto que represente aumento de despesa pública. O ideal seria que o próprio executivo tomasse a iniciativa, mas a questão política jogou tudo por terra. Uma ideia presente no projeto da vareadora Ana Dalva é a edição de um CD com as músicas de Vecinho, cantadas por ele e por convidados.
Para ver mais votos do evento, dê um clique AQUI. 

sábado, 27 de maio de 2017

PM desmascara golpe em Heliópolis


PM descobriu o golpe (foto:Jorge Souza)
Policias militares na cidade de Heliópolis desmascararam três meliantes que davam golpe na população da cidade. Eles estavam em um carro e circulavam pelas ruas pedindo ajuda para uma suposta cirurgia que um deles faria. O suposto doente permanecia deitado com uma mangueira para simular estado grave. As pessoas contribuíam com dinheiro, alimentos e até ofereciam ajuda. Os policias desconfiaram da trama e não deu outra. Era um golpe. Foram obrigados a devolver ao público tudo que arrecadaram e sairem de rua em rua eles próprios afirmando que tudo foi mentira. Também foram obrigados a pedir desculpas. Com a ausência de delegado na cidade, os policiais tomaram as anotações e depois farão os devidos registros. Se todos que dessem golpes fossem obrigados a desfilar, confessar o crime e depois pagar pelo que fizeram, o Brasil seria menos injusto. Veja no vídeo gravado por um popular com o flagrante do início da punição.

Gilmar Mendes e JBS unidos pelo gado

domingo, 21 de maio de 2017

O encontro que virou show

Sandro Becker animou o encontro dos professores na casa de Álvaro (foto: Landisvalth Lima)

A ideia dos professores do Colégio do Salvador para um encontro deste de espantar o estresse virou um inesperado show. O fato se deu na casa do professor Álvaro Azevedo, que leciona Física e, nas raras horas vagas, dá uma de percussionista explorando o seu carron. Para animar a festa, foram convidados especiais Elifas Santana, fabricante das mais famosas guitarras do Brasil, que tocou seu bandolim; Valério Badaró, no violão; Sid, sanfoneiro da banda Forró Traquino; Alan Kardec, no zabumba, e a presença inesperada do cantor, compositor e apresentador Sandro Becker. O quadro didático e de plateia ficou a cargo deste professor e blogueiro, Landisvalth Lima, ladeado de Mateus Melo (Matemática), Austeclínio Dantas (Matemática), José Joilton (História), todos acompanhados devidamente de suas esposas. Também marcaram presença Ana Paula Oliveira (Português), Suzana Melo (Inglês) e o Coordenador do Ensino Fundamental do Colégio do Salvador, Magno Queirós, e sua esposa. O quadro se completa com o produtor Marcos Girino, seu amigo Cassio Sampaio e a vereadora por Heliópolis, na Bahia, Ana Dalva, da Rede Sustentabilidade.
Sandro Becker 
Sandro Becker (foto: Landisvalth Lima)
Quem não se lembra dos estrondosos sucessos das músicas de duplo sentido que fizeram sucesso nos anos de 1980? É difícil para alguém que viveu esta época não pensar no refrão “Julieta-tá tá me esperando”. Sandro Becker foi um astro desta época, disputando com Luís Caldas os primeiros lugares nas paradas de sucesso. Hoje, o terceiro filho mais ilustre de União dos Palmares, os outros dois são Zumbi dos Palmares e o poeta Jorge de Lima, nascido no distrito de Rocha Cavalcante, continua fazendo forró de duplo sentido, mas mesclado com o forró clássico de Luís Gonzaga, que ele tem orgulho de dizer ter sido o incentivador de sua carreira.
O alagoano Sandro Becker tem nome oficial de Emanoel do Vale Trindade. Seu pai é sergipano de Ilha das Flores, um comerciante evangélico que completa este ano a marca dos 101 anos.  Sandro, embora não pareça, está completando 62 anos e mora em Natal, no Rio Grande do Norte, onde apresenta programa na televisão e é empresário. Becker aprendeu a tocar vários instrumentos musicais e iniciou sua carreira artística na capital alagoana, em 1972. Numa rádio local, fazia sucesso com o personagem Coronel Zé Lotero em programa humorístico. O sucesso foi levado para o Rio de Janeiro quatro anos depois, na rádio Metropolitana.
Professor Álvaro, o anfitrião
(foto: Landisvalth Lima)
O primeiro disco foi gravado somente em 1979, denominado Sandro Becker, de Beethoven a Soriano. Sete anos depois veio o grande sucesso Julieta. Mas não ficou só por aí: O Gato Tico, O Kiko e A Velha Debaixo da Cama foram outros grandes sucessos. Este ano, Becker grava o seu 38º trabalho, denominado É forro pro ano inteiro. Como compositor, assinou canções como  Viagem da Carmelita, Cabo Velho e Quiabo Gigante. Seu produtor Marcos Girino, há 22 anos no ramo, afirma não ter dúvida da continuidade do sucesso de Sandro Becker. Ele aposta na diminuição da corrupção, do superfaturamento e das festas juninas de grande porte, com atrações caríssimas, que não trazem nenhum benefício aos municípios. Para ele, o São João tradicional é o melhor caminho. “É o melhor investimento cultural, além de sobrar a grana para o essencial: educação.” disse.
Elifas Santana
Elifas Santana (foto: Landisvalth Lima)
Um luthier é um profissional que trabalha na construção, manutenção e aperfeiçoamento de instrumentos musicais, notadamente instrumentos de cordas. É isso que faz o Elifas Santana, e o faz muito bem. Sua lutieria em Aracaju tem fila com pedidos dos mais importantes músicos do país. A fama dele é tão grande que chegou ao ponto de, no Carnaval baiano 2013, (O tema foi a Guitarra Baiana) a pedido da Família Macedo, Elifas construiu uma Guitarra Baiana estilizada, com os desenhos das Bandeiras do Brasil, da Bahia e de todos os estados da federação, que foi oferecida à Presidente Dilma Rousseff.
Para desempenhar cada vez melhor o seu trabalho, vendeu a estrutura gigante da sua Guitarra Brasil e está montando uma bem menor e mais eficiente. “Música para mim é alma” e é com essa mentalidade que ele dedica todo o tempo disponível, quando não está no seu emprego público, ao estudo de aprimoramento de cada instrumento musical. Elifas guarda com orgulho a 1ª e a 2ª guitarras de Armandinho e se orgulha de ter aprendido muito com o lendário Osmar Macedo. No encontro deste sábado na casa do professor Álvaro, presenteou a todos com uma versão curta de Bolero, de Ravel. Perguntado se já dominava o instrumento que tocava, um bandolim, ele disse humildemente: “Sou um aprendiz.”.
Valério Badaró
Valério Badaró (foto: Landisvalth Lima)
O violonista Carlos Valério Badaró é funcionário da Cohidro e, nas horas vagas, toca violão. Nunca viveu profissionalmente da música, mas toca desde os 18 anos. Hoje, com 50, orgulha-se de tocar com profissionais do porte de Caribé e Júnior do Banco do Brasil. Deixa claro, porém, que música para ele é diversão.
Sid e Forró Traquino
Sid e seu Forró Traquino (foto: landisvalth Lima)
Ele é empresário do ramo de cimento e começou a fazer música por diversão. Aprendeu a tocar sanfona e conheceu na infância o Sandro Becker. Daí em diante não quis mais parar. Hoje diverte pessoas com a banda Forró Traquino e admite que já é uma profissão. Sid, inseparável de sua sanfona Leticce, lançou o seu 1º cd Sid & Forró Traquino, com 15 composições e as participações especiais de Mestrinho, Sandro Becker, Nurimar, Adriana e Amorosa. Há músicas de Sandro Becker, Dogival Dantas, Accioly Neto e outros.
Os aniversariantes
Para completar o sábado com chave de ouro, dois professores aniversariavam: Mateus Melo e Magno Queirós. Suas esposas prontamente providenciaram um bolo, bonitas palavras, duas velas, que não conseguiam ficar acesas devido ao forte vento, e muita gratidão. Assim o dia ficou noite e o encontro já tinha se transformado em um belo espetáculo da vida. 

Para ver mais votos do encontro, dê um clique AQUI.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

O que você precisa saber sobre a delação da J&F

Joesley Batista entrega Michel Temer em delação (foto: Diário da Amazônia)
1 – Joesley Batista gastou 30 milhões de reais para eleger Eduardo Cunha presidente da Câmara dos Deputados.
2 – Não dá para defender Michel Temer. Ele recebeu o dono da maior empresa de carne do planeta sem registro em agenda oficial. O Joesley entrou pela garagem e Temer ainda perguntou se alguém o teria visto.
3 – Temer deixou claro a Joesley Batista que poderia ajudar o Eduardo Cunha no STF com dois ministros. Há pelo menos dois ministros sob suspeita no Supremo.
4 – Todos os partidos que se coligaram com o PT em 2014 receberam propina, inclusive o próprio PMDB. Só para o partido de Temer foram algo em torno de 40 milhões.
5 – As propinas da JBS para Lula e Dilma somam 150 milhões. Boa parte deste dinheiro foi depositado em contas no exterior. Agora o PT mudou o discurso: as provas de Joesley Batista não são mais irrefutáveis. É tudo mentira!
6 – Os donos da J&F dizem que, ao longo dos governos Lula/Dilma/Temer, os valores em propina ultrapassam a cifra de 400 milhões. Ou seja, daria para construir 400 colégios do tamanho do José Dantas de Souza.
7 – O que a Justiça brasileira não pode fazer é não dar uma sentença, uma condenação, uma pena para os dois irmãos da J&F. A procuradoria exige multa de algo em torno de 11 bilhões de reais, mas é muito pouco. Tem que haver uma pena. Os caras cresceram na propina e via empréstimos do BNDES. Precisam ser punidos. Dinheiro só não resolve.
8 – O senador Aécio Neves estava empenhado em acabar a punição ao uso de caixa 2 em campanha. Contaria com apoios de ilustres petistas. A ideia era uma só: corruptos unidos jamais serão vencidos.
9 – O presidente Michel Temer entrou com um Habeas Corpus contra as decisões do Ministro Fachin nesta sexta-feira (19). Pelo sorteio eletrônico, o nome do ministro que vai julgar o HC será o Barroso. Até em sorteio Temer está dando azar.
10 – Foi o deputado João Bacelar quem conversou com Joesley Batista e solicitou a compra de 30 deputados para votar contra o impeachment de Dilma. Cada deputado receberia 5 milhões. O dono da JBS disse que poderia ajudar com a compra de 5 deputados a 3 milhões. Apesar disso, teve deputado que recebeu e votou a favor. 

O PT não tem jeito!

Mesmo se esfacelando, o PT não consegue reconhecer seus erros (foto: blog O Cachete)
O PT não tem jeito! A falta de vergonha dos seus dirigentes chega a ser zombaria. Tiveram coragem de soltar uma nota sobre os depoimentos de Joesley Batista. Vejam o que disseram:
“As denúncias contra o usurpador Michel Temer e vários de seus aliados, incluindo o senador Aécio Neves, presidente nacional do PSDB, desmascaram em definitivo o bloco golpista.
Provas materiais, irrefutáveis, comprovam a natureza corrupta da coalizão de forças que se apossou do poder e vem impondo ao País uma agenda de reformas antipopulares, antinacionais e antidemocráticas”.

Agora eu quero saber o que vão dizer quando o restante do depoimento do dono da JBS, que detalha inclusive compra de deputados para evitar o impeachment de Dilma. Mais, revela como distribuía propina ao PT, Lula e companhia, sob as bênçãos de gordos financiamentos do BNDES. Meu Deus! Quanta cara de pau. Não vejo o dia sagrado em que eu possa assistir a uma leva destes calhordas na cadeia abraçados! Lula, Dilma, Aécio, Temer, Cunha, Dirceu e tantos outros, apontando um o dedo sujo para o outro dizendo: “A culpa foi sua, golpista!”