Exclusivo!

Heliópolis: Populares reagem e bandido é morto em assalto a ônibus

Mais um assalto a ônibus acontece na zona rural de Heliópolis Mais um assalto a ônibus acontece em Heliópolis. Desta vez, o veículo ass...

Novidade

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

Maré de incertezas

Ana Dalva, Valdelício, Ronaldo e José Clóvis querem ser presidente da CMH
Se tivéssemos que estabelecer uma palavra para o próximo governo de Heliópolis, que se inicia dia 1 de janeiro, esta seria INCERTEZA. O Natal já foi e o tempo ficou curto para resolver tudo até o dia da posse dos novos eleitos e reeleitos. Nem mesmo os nomes dos novos secretários foram divulgados. Tudo é indefinição e o motivo é o de sempre: a presidência da Câmara Municipal de Heliópolis. Enquanto não se resolver a questão, nada será definido. O problema é que muitos não estão fazendo nada, esperando que uma solução caia no colo. Isto, em política, todos já sabem, jamais acontecerá.
Ildinho queira ou não
Enquanto isso não acontece, o vice-prefeito eleito, consciente de que já é carta fora do baralho na próxima administração, usa a sua única carta restante: Valdelício Dantas da Gama. Candidato do Pros, o vereador caminha sob ordens de Zé do Sertão sem saber que está colocando a faca na garganta de Ildinho. Tanto isso é verdade que o futuro vice-prefeito disse, em alto e bom som, numa esquina de rua, que “O presidente será Valdelício. Já está decidido, Ildinho quer queira ou não queira. Toda oposição já fechou questão em torno dele e acabou.” Que Valdelício possa ser o próximo presidente, ninguém duvida, mas não será necessário primeiro haver uma votação? E a oposição já está sabendo disso?
Alguém está mentindo
A gente sabe que a classe política tem quadros de qualidade, que dão a palavra e não voltam atrás, que até fazem sacrifício para não perder o foco naquilo que desejam, mas é sabido que há muitos treiteiros sem caráter alarmando ter o que nunca tiveram, ou que já tiveram e deixaram escapar por incompetência. Ninguém da oposição confirmou votar em Valdelício. Um vereador chegou inclusive a dizer que a oposição poderá apresentar uma chapa no dia, mesmo sabendo que poderá ser derrotada, mas não há nada definido. Uma coisa está certa, qualquer atitude será tomada em bloco, ou por maioria. Pelo histórico de acordos políticos, a oposição tem mais crédito no que diz. Pelo sim, pelo não, vamos ver quem está mentindo nesta história toda. Este blog dará o nome do mentiroso com todas as letras.
Os nomes em destaque
Todos os vereadores querem a presidência. É fato. Mas disputam com chances: Ana Dalva (Rede), Ronaldo Santana (PSL), Valdelício Gama (Pros) e José Clóvis (Pros). Nenhum destes está descartado, nem mesmo os que aqui não foram citados, inclusive da oposição. A preferência popular é para Ana Dalva, Ronaldo tem a simpatia do Poder Executivo e Valdelício e José Clóvis têm uma pedra no meio do caminho: Zé do Sertão.
Os futuros secretários
Não há ainda nomes oficialmente lançados, mas um alto executivo da prefeitura confirmou o nome de Nilda Santana para a secretaria de assistência social como listado. Não quer dizer que será efetivado. O professor Dênis Correia já confirmou que pretende ser o diretor do polo da Cajazeiras e não deverá continuar à frente da secretaria da educação. Quelton voltaria ou já se pensa em outro nome? E a secretaria de saúde? Continuará com Regiane Andrade? As interrogações continuam em relação às outras. A única certeza é que Beto Fonseca continuará na secretaria de finanças e administração.
Engrenagem demorada
Como ainda não se tem os nomes das pastas, é claro, não há planejamento. Então, o segundo mandato de Ildinho começará pelo crivo da indefinição. Deveria haver reuniões entre os novos secretários para planejamento das ações em 2017, pelo menos. Isso não está acontecendo e haverá muitas dificuldades. É a velha política contribuindo negativa ou positivamente com a administração. Esperamos que o prefeito dê prioridade à arrumação daquilo que está errado e melhora daquilo que deu certo. Como o governo dele foi muito bom, a engrenagem será demorada, mas deve funcionar. Agora, para isso, tem que saber escolher bem os nomes. Há secretários que ninguém ouve falar, nem de bem e nem de mal, mas são os que mais puxam para baixo uma administração.    (Landisvalth Lima)