Exclusivo!

Poço Verde nega título a Lula. E daí?

A cegueira ideológica impede a transformação real da sociedade (foto: porvir.org.) Dizem que o Brasil está tão dividido que é preciso ...

Novidade

domingo, 23 de outubro de 2016

II – Quem mais perdeu na eleição em Heliópolis?

A derrocada petista
Continuando nossa análise sobre quem perdeu mais com o resultado da eleição municipal de Heliópolis em 2016, chegamos agora aos núcleos periféricos. Não podemos delimitar quem mais perdeu dentro do Partido dos Trabalhadores, mas fato é: O PT está quase no fim. Sozinha a legenda não é capaz nem mesmo de eleger um vereador. E para quem acha que estou sendo cruel e não olho para os votos obtidos no município pela deputada Fátima Nunes, na última eleição, é bom lembrar que o apoio dado a ela foi obra de um vereador do PCdoB. Vamos aos principais personagens:
De vice-prefeito a nada
Depois de se eleger vice-prefeito na chapa de Walter Rosário, Zé Guerra foi jogado num canto da administração. Na verdade, o PCdoB só queria a legenda. Naquele momento, o PT rachou. Queríamos Valdir do Bujão com Ana Dalva na vice, mas o domínio do partido estava nas mãos de Zé Guerra e ele foi alçado a vice. Ali, em 2008, o PT perdeu a prefeitura de Heliópolis. Abandonado, Zé Guerra rompeu com o PCdoB e apoiou Ildinho. Foi candidato a vereador e teve a maior votação de sua vida, embora não se elegesse. Em retribuição, Ildinho lhe entregou a pasta da agricultura. Foi um secretário limitado dentro das limitações da própria pasta. A ingratidão praticada por Walter Rosário contra ele quem pagou foi Ildinho. Zé Guerra rompe com o prefeito e vai apoiar José Mendonça, do PCdoB. Teve votação pífia e o seu nome foi jogado mais uma vez no canto da campanha, ao lado da foice e do martelo.
Uma secretaria em Banzaê
Antônio Jackson Maranduba e sua esposa Zélia já decidiram muitas eleições. Levam na história a honra de ter sido Zélia Maranduba como a única vereadora do PT, mesmo sem ter sido eleita pelo partido. Depois de apoiarem Walter Rosário, foram excluídos de tudo. Não levaram uma secretaria sequer nem opinaram em nada no governo do PCdoB. Do rompimento veio o apoio a Ildinho. A retribuição foi uma secretaria de assistência social. Por questões éticas, Ildinho nunca disse porque demitira a mulher de Antônio Jackson. Falam de inúmeras reclamações com o programa Minha Casa Minha Vida e a estranha propaganda negativa que o casal fazia do prefeito. Agora, ambos estão desempregados. A boa notícia é que Jailma voltou ao cargo de prefeita de Banzaê e bem que poderia dar uma nova secretaria a Antônio Jackson. Pensando bem, ela terá que oferecer uma pasta, caso contrário pensarão coisas negativas sobre o novo líder do PT de Heliópolis.
Sindicato dos Trabalhadores
Não que isso vá influenciar na melhoria ou na piora das ações do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Heliópolis, mas o passo político do STRH este ano foi catastrófico. É que sempre o sindicato estava dividido. Um grupo apoiava o governo e o outro a oposição. Desta vez, todos os grupos – o da advogada, o de Edmeia e o de Zé Guerra, já que Juarez não tem mais grupo algum, apoiaram o PCdoB e ficaram mal na fita.
Sem nobreza 
Outro que se saiu mal nesta eleição foi o ex-presidente do PT Aderaldo Nobre. O posicionamento político dele nunca foi absoluto, concreto, nítido e claro. Ele é tão confuso quanto o texto a seguir: “O que presenciamos somos candidatos fluir, uns com renome na politica municipal, outro em inicio. Mas nada certo para a realidade politica, as eleições.” Este é um trecho de um artigo de seu blog Visão Geral. O título do texto: A política incerta de Heliópolis-Ba. Quem entender, favor me avisar. Incerto também está seu rumo político. Depois de quatro anos com Ildinho, praticamente no início da campanha, pulou fora do barco e agora nada em águas incertas. Como ele mesmo se definiu, é “um louco no meio dos normais”. De loucura em loucura, o PT e seus líderes vão afundando. Nem mesmo olham para os erros para buscar o acerto. Fazem política com o fígado e isto não tem nada de nobre.