Exclusivo!

Juiz recebe 500 mil de salário. Direito ou privilégio?

Mirko Vincenzo Giannotte recebeu 503 mil em salários. Direito ou privilégio? A pressa em divulgar uma notícia pode levar um jornalista ...

Novidade

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Paripiranga: 4 chapas e opositores desunidos


Justino Neto (PV)
foto: Rodrygo Ferraz
Não tem jeito. A classe política precisa de uma renovação urgente. A tônica, em qualquer lugar da nossa região, é o interesse de pessoas e partidos prevalecer sobre os interesses do município. Numa série de reportagens sobre as eleições 2016, o Landisvalth Blog passou por Paripiranga, município que é referência no Brasil e na Bahia. Encravado na fronteira entre este estado e Sergipe, a cidade abriga um dos maiores centros universitários do Nordeste brasileiro, a Faculdades Ages. Nem mesmo a presença de uma academia de conhecimento foi suficiente para que seus políticos mudassem as práticas.
Patrick Di Ângelis (PSDB)
Foto: Facebook
Nas eleições deste ano, quatro grupos disputam 11 vagas na Câmara de Vereadores, a cadeira de prefeito e a de vice. Esperavam um embate entre o atual prefeito George Roberto Ribeiro (PSD) e os vários partidos de oposição. Depois que o procurador do Município, Alexandre Magno, foi acusado do assassinato do Dr. José Carlos, fechando de vez qualquer possibilidade de fazê-lo candidato do prefeito, esperava-se uma vitória fácil dos opositores do prefeito. O problema era unir tanto cacique numa só tribo. Para relembrar o caso do assassinato do Dr. José Carlos, veja vídeo de reportagem da TV Record a seguir.

A chapa que o prefeito George apresentou não agradou. Mais um motivo para se esperar a vitória dos opositores. Quem será candidato a prefeito é Marco Antônio de Bizé (Marco Antônio Menezes de Carvalho), do PSD, atual presidente da Câmara Municipal de Paripiranga. A sua vice será Neide Carvalho, também do PSD, e a preferida dos partidários do prefeito. Ela é esposa do vereador Jerônimo de Brício – Líder do prefeito na Câmara.
Jorge de Manuel de Lúcio (DEM)
Foto:Rodrigo Ferraz
Restava então à oposição, liderada pela viúva do Dr. José Carlos, dona Ivanúzia Andrade, juntar todos e formar a maior coalização de opositores da história do município. O problema já começou com a saída de Ivanúzia do PT. Esta separação foi fatal para o partido. Daí começam as desavenças que acabaram por gerar três candidaturas com opositores, facilitando o caminho do prefeito George Ribeiro.
Marco Antônio de Bizé (PSD)
Foto: TSE
Uma das chapas será encabeçada pelo empresário Justino Neto (PV). Seu vice será Marcelo Sales, vereador do PT, que foi eleito em 2012 pelo PTB. O nome mais forte seria o do vereador Wilson do PT. A este restará retornar à câmara, com boas possibilidades para isso. A outra chapa da oposição é liderada pelo advogado da família do Dr. José Carlos Patrick de Angelis, do PSDB. Seu vice será Bira de Gringo, PMDB, também advogado e casado com a vereadora Nany ou Geisilane Fraga, também do PMDB. A última chapa será composta por Jorge de Manuel de Lúcio, do DEM, como candidato a prefeito. Seu companheiro de chapa será o empresário José Augusto, do PSL. Esta última chapa terá o apoio do ex-prefeito Carlinhos.
Wilson do PT
foto: arquivo pessoal
Quando a gente pergunta porque não foi possível a união, a justificativas são as mais estapafúrdias. Falam em incompatibilidade de partidos, proibições de coligações com partido A ou B. Mas como justificar o PSDB e o DEM separados por uma candidatura? Justificar o PT contra o PSDB não vale. Ambos estavam juntos na eleição passada. Havia a coligação Paripiranga tem uma Esperança, que reunia PT - PTB - PMDB - PSC - PPS - PSDB e PC do B. Quatro anos depois não dá mais? Qual dos políticos mudou tão radicalmente o seu modo de pensar em Paripiranga? 
Na verdade, a possibilidade de o povo ir para as urnas para corrigir a injustiça que fizeram com o Dr. José Carlos, o que fatalmente cravaria um nome da oposição, fez despertar nos vários políticos a sensação ambiciosa do “agora é minha vez”. E era uma vez uma união. Quem poderia também liderar esta tomada de consciência seria Ivanúzia Andrade, que, por motivos ainda não revelados, largou o barco à deriva. Ela preferiu acreditar no seu advogado, o Patrick Di Ângelis. Vai para a eleição menos forte do que poderia. Resta saber se isso será suficiente para chegar à prefeitura de Paripiranga e realizar o sonho que arrancaram violentamente do seu marido.