Exclusivo!

2º dia da 1ª Fecultarte teve dança, vídeo e teatro

A 2ª noite da 1ª Fecultarte foi dominada pela dança e pelo teatro (foto: Landisvalth Lima) O Colégio Estadual José Dantas de Souza – C...

Novidade

segunda-feira, 11 de julho de 2016

O Zé do PROS e do contra

E agora, José? Perdido no seu próprio egoísmo, Zé do Sertão, com seus últimos atos, encontra-se entre a volta triunfal ou o ostracismo político.
Encontro na casa de Beto Fonseca. Presença do deputado Marcelo Nilo e do deputado Vando. Bombeiros de plantão.
Malandro demais se atrapalha. O pior cego é aquele que não quer ver. O maior mentiroso é aquele que acredita na própria mentira. Escolha qualquer um destes provérbios populares e tente visualizar a figura de Zé do Sertão. Há um casamento perfeito. O ex-prefeito, ex-deputado, ex-esperança da região nordeste da Bahia, agora ex-vereador, ex-mito e ex-grande articulista parece que não soube conviver com a baixa popularidade, com o fim de um ciclo. Há pessoas que sabem muito bem a hora de parar. Percebe o fim de uma safra, de uma era. Não é o caso de Zé do Sertão.
No sábado (09), o ainda vereador em exercício realizou um ato de inauguração da sede do seu atual partido, o PROS – Partido Republicano da Ordem Social. O nome pomposo do partido não condisse com o fraco movimento. Vieram mais pessoas num ônibus enviado de Salvador pelo partido que pessoas de Heliópolis no ato. Para completar a história, seu maior aliado, o prefeito Ildinho, não foi sequer convidado. Beto Fonseca ainda tentou ir para prestigiar os vereadores José Clóvis e Valdelício Gama. Ao chegar perto, viu que era um ato de opositores.
Lá estavam Gama Neves, Giomar Evangelista e outros recebendo honras prestigiosas. Não era ambiente para quem estava de alguma forma atrelado ao governo municipal. O vereador José Clóvis logo sentiu que seu lugar não era ali e foi cantar em outra freguesia. Preocupado também ficou o vereador Valdelício, que se sentiu usado. Estava claro que José Emídio jogava pesado com o intuito de forçar ser o vice de Ildinho, numa espécie de ou dá ou eu desço do palanque. Só que o palanque era outro.
Agindo assim, Zé do Sertão coloca um ponto final na história. Não há mais clima para uma composição com o prefeito. Na mesma noite, o deputado Marcelo Nilo esteve na casa de Beto Fonseca para uma reunião com o prefeito e demais lideranças. Percebeu que o problema era maior e prometeu tentar apagar o incêndio. Já não há mais o que fazer.
Com a saída do PROS da base de Ildinho, há dois problemas: os vereadores José Clóvis e Valdelício. Eles reafirmaram os seus apoios a Ildinho e ao grupo. Garantiram que o objetivo não era dividir, mas ajudar Zé do Sertão a se fortalecer. Não imaginavam que ele chegaria a este ponto. O vereador José Mendonça chegou a dizer que, se Gama Neves garantisse a ida de Zé do Sertão, Valdelício e José Clóvis para a oposição, apoiaria o candidato do DEM sem problemas. Os vereadores não gostaram de ser moeda de troca.
José Clóvis e Valdelício reafirmam apoio a Ildinho
Irredutível, o prefeito Ildinho disse que não teria nenhum problema Zé do Sertão ser o vice, mas não do jeito que ele articulou, nunca jamais sob pressão. Agora resta ao José Emídio ir mesmo para a oposição ou aceitar ser candidato a vereador pelo grupo do prefeito, caso os partidos queiram coligar-se com o PROS. Só se aposta é no apoio que os opositores darão ao ex-deputado. Chegaram até a anunciar a uma chapa com Mendonça e Naudinha. O pessoal ligado ao vereador nega veementemente. 
Interessante é a nítida falta de rumo da oposição. Pessoas que falavam cobras e lagartos de Zé do Sertão, agora o colocam quase como o libertador de Heliópolis. Políticos que antes diziam que não votavam em A ou B porque eram aliados de José Emídio, agora colocam fogo na palha dizendo que Ildinho perdeu uma grande liderança. Ou seja, o diabo só existe do outro lado de lá. Fato é que esta pode ter sido a última jogada política de peso de Zé do Sertão. Sua glória depende da oposição. Uma candidatura sua a prefeito, apoiado por Gama Neves, José Mendonça, Walter Rosário, Giomar Evangelista e outros seria o seu retorno triunfal à política, mesmo com derrota na eleição. Continuando no governo, o ostracismo será a serventia da casa.