Exclusivo!

Vereador ignora decisão do TCM

Novidade

sábado, 7 de novembro de 2015

Nordeste do Brasil vive pior seca em 83 anos

Quando Sobradinho está cheio, a caixa de água da velha Remanso fica submersa
(foto: Blog do Tovinho Régis)
O Lago de Sobradinho, maior da região Nordeste, e que representa 58,20% de toda reserva de água da região, bateu nesta sexta-feira (06) a menor nível da sua história: 3.58%. A reserva de Três Marias, que representa 31,02% da capacidade de reserva de água, chegou a preocupantes 12.31%. Já o de Itaparica, o menor dos três maiores com apenas 6,62% da capacidade da nossa região, está com menos de 10% de água armazenada. Pior é que estes níveis não param de cair. É a pior seca em 83 anos. Na Barragem de Sobradinho a situação é crítica.
Na zona rural de Medeiros Neto, extremo sul da Bahia, Dona Maria dos Reis não vê água na torneira há mais de um mês. "Muito quente, e a gente tomando banho aí com pouca água. Para beber a gente tem que comprar água mineral", diz a aposentada. A barragem que abastece a comunidade secou. Quando o caminhão-pipa quebra no meio do caminho, então, os moradores têm que se virar como podem. "Pegando ela de pouco a pouco, lava uma roupa, lava uma vasilha, toma um banho. Somos nós que controla aí”, afirma a lavradora Maria da Silva.
No norte do estado da Bahia, a situação também é crítica. O Lago de Sobradinho é o principal gerador de energia elétrica da região, com o nível de água ainda mais baixo, prejudica diretamente o abastecimento e a captação de água para a agricultura, afetando ainda mais a população que vive às margens do lago. A vazão do reservatório de Sobradinho está em 800 m³/segundo, um número bem menor que o volume normal e mais baixo até do que a vazão durante o racionamento de 2001. Com a seca, o Rio São Francisco pede socorro.
O Operador Nacional do Sistema Elétrico diz que essa é a pior situação de Sobradinho nos últimos 83 anos. E que nesse ritmo, a barragem pode entrar no volume morto entre novembro e dezembro. Segundo o ONS, o reservatório vem sendo usado basicamente para o abastecimento de água e quase nada para a geração de energia. E a crise hídrica vai muito além de Sobradinho. O nível dos reservatórios do Nordeste vem caindo nos últimos anos. Nesta sexta-feira (06), o volume despencou para menos de 8% da capacidade total. Quase mil municípios da região decretaram situação de emergência por causa da seca. Os estados mais afetados são a Paraíba, o Piauí e o Rio Grande do Norte.
Os números do consumo dão uma dimensão do impacto da seca na vida das pessoas. Em Salvador, por exemplo, uma cidade que não sofre com a falta d'água, a média diária de consumo por habitante é de 250 litros, segundo a companhia de abastecimento. Já nas cidades maltratadas pela estiagem, a realidade é bem pior. Em algumas delas, essa média por habitante chega a ser de 20 litros por dia. É o caso de Quixeramobim, no sertão do Ceará. Desde o início do mês, quando um reservatório que abastece o município secou, 70% das casas vêm sendo abastecidas por caminhões-pipa. Quando a água chega, é uma disputa. "A gente tem que se conscientizar que nós estamos em um momento de anormalidade, que a gente tem que viver, infelizmente, com menos água do que vivíamos", afirma o tenente Cleiton Baston, da Defesa Civil.
Energia mais cara
Com a água cada vez mais escassa, o Brasil está gastando energia mais cara, que vem das usinas térmicas. É por isso, que a bandeira vermelha não sai da conta de luz todo mês. O governo prometeu reduzir essa conta desligando 21 usinas térmicas. Desligou, mas não adiantou. Dois meses depois de desligar as usinas térmicas mais caras, o que aconteceu? As outras usinas passaram a produzir mais. Em julho, antes de desligar as usinas, a produção era de: 12.539 MW. Depois, em agosto, subiu para12.872 MW. Em setembro, pulou para quase 14 MW. E outubro nem terminou e a produção das térmicas já ultrapassou os 12.600 MW. Para reduzir essa conta, vai depender de São Pedro. O período de chuva começa em novembro, mas se a seca continuar, a conta de luz vai ficar ainda mais cara no verão.
Estudos da NASA
Em Toronto, no Canadá, a Thomson Reuters Foundation divulgou novos dados de satélite que mostram ser a seca no Brasil pior do que se pensava. Só o Sudeste perdeu 56 trilhões de litros de água em cada um dos últimos três anos passados, disse um cientista da agência espacial dos Estados Unidos (Nasa) nesta sexta-feira. A pior seca do país também tem levado o Nordeste brasileiro a perder 49 trilhões de litros de água a cada ano nos últimos três anos, comparando com os níveis normais, afirmou o hidrólogo da Nasa, Augusto Getirana. Os brasileiros estão bastante conscientes da seca, dado o racionamento de água, blecautes e reservatórios vazios em partes do país, mas esse é o primeiro estudo que documenta exatamente a quantidade de água que tem desaparecido dos lençóis de água e reservatórios, disse Getirana. "É muito maior do que eu imaginava", disse Getirana à Thomson Reuters Foundation. "Com as mudanças climáticas, isso vai acontecer com mais e mais frequência." O sistema da Cantareira, que fornece água para 8,8 milhões de moradores de São Paulo, tinha, por exemplo, menos de 11 por cento da sua capacidade no ano passado, segundo autoridades locais.
A pesquisa de Getirana, publicada nesta semana no Journal of Hydrometeorology, tem como base 13 anos de informações dos satélites Recuperação da Gravidade e Experimento Climático (Grace, na sigla em inglês) da Nasa, que circulam a Terra detectando mudanças no campo de gravidade causadas pelos movimentos da água no planeta. O país não tem uma falta de água absoluta, afirmou o pesquisador. O problema é que as regiões muito povoadas, particularmente o Sudeste, dependem de aquíferos e reservatórios locais, que não estão sendo reabastecidos devido à seca. Teoricamente, a água pode ser transportada de outras partes do país para cidades afetadas, disse ele, mas os custos financeiros e logísticos seriam enormes.
As novas informações de satélite devem representar um chamado de alerta para os políticos gerenciarem melhor a água e atuarem em relação às mudanças climáticas para lidar com a crise, declarou Getirana. Os dados não permitem que os pesquisadores façam previsões de quanto tempo a seca vai durar, disse ele, acrescentando que os níveis de água continuaram a cair nos últimos meses.

Com informações de Chris Arsenault, do portal MSN, e do G1.

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Curtas & Boas

                                                           Landisvalth Lima
Mudança na Justiça
Juiz José Brandão Neto (foto:Justiça Atuante)
Nunca se viu tanta mudança numa comarca em tão pouco tempo. Do início do ano para cá, Cícero Dantas já passou por três Juízes. O último a sair causou surpresa: Cícero Dantas Bisneto, do mesmo que dá nome à cidade. Seria o retorno do poderio do então Barão de Jeremoabo, o mesmo que ajudou a provocar a Guerra de Canudos. Naquela época não havia os três poderes. O poder era um só: o dos coronéis. Mais de cem anos depois, um descendente direto comandaria o Poder Judiciário na terra que leva o nome do Barão. Mas foi por pouquíssimo tempo. Agora o comando está sob a batuta do juiz José Brandão Neto, o mesmo que determinou toque de recolher às 22 horas em São Gonçalo dos Campos. É da linha dura e gosta de tudo certo. Vamos ver se agora a coisa anda, porque se houvesse um levantamento sobre como anda as comarcas na Bahia, a de Cícero Dantas estaria deitada numa rede esperando a banda passar.
BA 393
Acabaram com o DER-BA. Era um órgão caro e ineficiente, mas ainda tampava buracos aqui e ali. Agora é que ninguém sabe como vai ficar a nossa BA 393. Os buracos tomam conta, principalmente na chegada a Poço Verde-SE e nas passagens de pontes. De fato, voltaremos aos velhos tempos. Construíam obras, deixavam acabar para depois fazer com custos elevadíssimos. O PT chegou ao governo para acabar com isso e só tem piorado. O que não entendo é como em Heliópolis o governador Rui Costa está com 59% de aprovação. A EBDA fechou. Só resta agora a Delegacia de Polícia, que funciona em prédio do município, e o Colégio Estadual José Dantas de Souza, em petição de miséria. Acho que é ainda porque tem o apoio do prefeito Ildinho. Ocorre que Heliópolis não recebe nada em troca por este apoio.
CEJDS
E por falar em Colégio Estadual José Dantas de Souza, a novela da eleição para Diretores e Vices continua. Não basta ter média 3,0 para ser diretor. Quem tiver dois vínculos empregatícios não pode se candidatar. Não vai mudar nada. Tudo foi pensado para não se renovar coisa nenhuma. Ficarão os mesmos. Só resta saber se para serem nomeados politicamente precisa de tantas regras!
Pesquisa
A última pesquisa feita em Heliópolis escafedeu-se. Não aparece um numerozinho sequer. Está guardada embaixo de sete capas, no sótão de uma mina subterrânea qualquer. Isso quer dizer que os números não foram agradáveis para a oposição. Por isso os foquetes estão mudos e os discursos reformuladores da coisa pública se aquietaram. O prefeito Ildinho deve estar sorrindo.
Rede
Nesta sexta-feira (06) haverá ato político da Rede Sustentabilidade em Salvador. O evento será na UFBA, em Ondina. No sábado será a vez da Convenção Estadual no mesmo local. Heliópolis (com Ana Dalva e Landisvalth), Ribeira do Amparo (com Genildo Reis), Ribeira do Pombal (com Marcelo Silva) e Fátima (com Gilvan de Pedro de Dé) serão os representantes da região.
Entrevistas
O Landisvalth Blog fará uma série de entrevistas com candidatos ao pleito de 2016. Toda semana um nome será escolhido para a reportagem. Começaremos por Rita de Lula (Vice-prefeita de Poço Verde-SE). Os entrevistados receberão as perguntas por e-mail e terão tempo de sobra para pensar no que vão dizer. Estão na lista Ricardo Maia, Genildo Reis, Teti Brito, Igor Oliveira, Binho, Lourival, Sorria, Helânio Calazans, Ildinho e outros. 2016 já começou!