Exclusivo!

Novo Triunfo é a cidade mais pobre do Brasil

Novo Triunfo é a cidade mais pobre do Brasil (foto: Google) Ser Nordeste duas vezes não é fácil. Nossa região está localizada no Norde...

Novidade

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Ribeira do Pombal, Cipó, Itapicuru, Uauá e Nova Soure na Operação Águia de Haia da Polícia Federal

Polícia Federal mais uma vez em nossa região
 A Polícia Federal realizou na manhã desta segunda-feira (13) uma operação para prender quatro pessoas suspeitas de forjar licitações em parceria com agentes públicos, em troca de propina. O grupo apontado pela PF desviava recursos federais voltados para a educação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb).
Segundo o delegado federal Fernando Bernet, os prejuízos ultrapassam a casa dos R$ 57 milhões. Ainda segundo ele, a operação identificou 25 municípios na Bahia, um em São Paulo e outro em Minas Gerais. O delegado afirmou que os prefeitos destes municípios e os secretários de educação e administração tinham conhecimento das fraudes. Na nossa região figuram na lista Ribeira do Pombal, Cipó, Itapicuru, Nova Soure e Uauá.
Além destes, na Bahia, os policiais estiveram em Salvador, São Domingos, Ruy Barbosa, Camaçari (Guarajuba)
, Água Fria, Capela do Alto Alegre, Mairi, Feira de Santana, Buerarema, Ilhéus, Itabuna, Camamu, Una, Ibirapitanga, Camacan, Mirangaba, Teixeira de Freitas, Paramirim e Livramento, Cotegipe. A Operação Águia de Haia identificou que forjavam licitações, em conluio com agentes públicos e mediante o pagamento de propina, desviavam recursos federais do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Entre os anos de 2010 a 2014, eles conseguiram desviar verbas em dezoito municípios da Bahia, um em Minas Gerais e um em São Paulo
A Operação Águia de Haia acontece simultaneamente na Bahia, São Paulo, Minas Gerais e Distrito Federal. Cerca de 450 policiais federais cumpriram hoje 96 mandados de busca e apreensão, além dos quatro mandados de prisão preventiva. O valor exato desviado até aqui pela quadrilha ainda não foi contabilizado, mas apenas na Bahia, a atuação da quadrilha nos dezoito municípios chega ao montante de R$57.173.900 milhões.
Ainda de acordo com a PF, os bandidos atuam desde 2009, mas iniciaram os crimes em São Paulo e só depois migraram para Minas Gerais. Em 2010 eles passaram a atuar na Bahia e fizeram do estado a sua base principal. Os presos ainda não tiveram seus nomes revelados e serão indiciados por crimes licitatórios, corrupção ativa e passiva, além de formação de quadrilha.
Entrevista
Agora pela manhã, os delegados Fernando Bebert e Fábio Muniz detalharam todo o processo. O esquema de corrupção praticado em ao menos 25 municípios baianos, desmontado nesta segunda-feira (13) pela Polícia Federal, usava projetos “fantasma” ou superfaturados para desviar recursos do Fundeb  – fundo de Educação do governo federal. Durante coletiva realizada na sede da Superintendência da Polícia Federal em Salvador, os delegados federais Fernando Bebert e Fábio Muniz explicaram que os intermediadores atuavam como lobistas, vendendo um “produto” que supostamente fazia a inclusão digital do município.
Segundo a PF, 10% da fatura paga iria para o prefeito e 3% para o mediador. “Com certeza os gestores sabiam que eram uma fraude. Nenhum projeto chegou a ser executado. [...] Programas de prateleira que pode ser comprado a R$ 3 mil no mercado, no esquema valiam de R$ 120 mil a R$ 400 mil”, disse Hebert. Ainda de acordo com os delegados, toda a licitação era forjada, com a montagem de editais, orçamentos, pedidos e contratos. "Todas as peças eram montadas pela organização criminosa para que as prefeituras simplesmente colocassem os logotipos", diz Muniz que confirma a participação de "prefeitos, secretários de educação e pregoeiros" no escândalo.
O delegado ainda afirmou que nenhum serviço foi prestado integralmente nas cidades listadas. "Nós temos provas contundentes que quando os projetos ocorriam, era de forma parcial", completa. Na Operação, os mandados cumpridos nesta segunda foram expedidos pelo Tribunal Regional Federal (TRF). Segundo o delegado, o tribunal não expediu mandados de prisão para os prefeitos por não julgar necessário.
Deputado envolvido
Um deputado estaria envolvido, mas seu nome não foi divulgado por causa do sigilo da ação. A Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA), contudo, confirmou que a PF cumpriu mandados no gabinete de Carlos Ubaldino (PSD). Quatro empresas estão entre as investigadas – duas seriam vencedoras dos processos de licitação e as outras duas “figurantes”. “A mesma pessoa de Minas Gerais veio para a Bahia. Era sempre o mesmo tipo de crime. [...] Eles vieram para a Bahia porque o serviço começou a ser muito denunciado nos outros estados”, explicou Herbert. Segundo a PF, o dinheiro não era lançado no Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), mas nenhum membro do Fundeb está envolvido no esquema. 
Com informações do Bahia Notícias, Bocão News, Joilson Costa e portal da Polícia Federal.