Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Lula: supremo petralha ou supremo petrouxa

Muita coisa se tem dito sobre as eleições nos jornais. Eu fiquei meio afastado para curar a ressaca da porrada que levei dos eleitores. E não é porque perdi. Perder ou ganhar faz parte do jogo. O problema foi ver o vendaval de incoerências praticada por eleitores. Penso que vivemos num desespero tão medonho que as pessoas não conseguem se posicionar. Um eleitor miserável vendendo o seu voto por medo de perder o seu Bolsa Família é coerente com o país em que ainda vivemos, mas ver um professor baiano votar em Rui Costa, Nelson Pellegrino e Daniel Almeida, depois do que fizeram e disseram naquela greve de 115 dias pelos 22,22% não dados pelo Governo da Bahia, é o ápice do masoquismo. Um masoquismo acadêmico, para ser mais elegante.
Mas eu não quero aqui entrar ainda na questão da Bahia. Nosso estado e Heliópolis deixo para mais adiante. Hoje quero me referir a um fantástico artigo publicado por Alex Antunes no portal do Yahoo. Uma obra de arte. Ele começa dizendo que tentam criar um movimento de simpatia por Dilma, “agredida” pelas brincadeiras comparando a presidente na posse a um bujão de gás. “De fato, como no episódio dos xingamentos nos estádios da copa, dá para rastrear o conteúdo machista da coisa. E, de fato, como a presidente se veste ou deixa de se vestir não tem nada a ver com seus (de)méritos políticos.”
E continua dizendo que Dilma não é, nem de longe, uma guardiã da dignidade nacional. “Pelo contrário, suas indicações para o ministério e outros escalões deixam clara a urgência de se compor ainda mais visceralmente com tudo que a política nacional tem de grotesco, atrasado e patriarcal, dos coronéis tiozões estupradores acaju aos pastores e estalinistas ancorados nos séculos passados.” Fantástico! E vai mais além: “é irreversível o processo de transformação de Dilma em uma figura ridícula, uma pseudogovernante à deriva entre o colapso do projeto político do PT e sua própria falta de estofo. O que resta para defender agora não é Dilma, mas a ilusão de seus eleitores de que de alguma maneira ela representaria algo socialmente mais aceitável que Aécio – ou Marina. Por falar em Marina, não me lembro de que a militância petista tenha se incomodado com as calúnias e ofensas de campanha contra esta outra senhora, ex-companheira, e (ela sim, por seu histórico combativo) um “Lula de saias”.” Perfeito!
Mas o articulista capricha ainda na lista dos ministros de Dilma que, num país sério, não seriam convocados nem para assessores de vereadores. É só atentar. Kátia Abreu, na Agricultura, militante da destruição do meio ambiente, do assassinato de índios, da grilagem de terras e do trabalho escravo. Tem também o Aldo Rebelo na Ciência e Tecnologia, igualmente inimigo do meio ambiente, e até da própria inovação tecnológica. Para quem não conhece, tem um tal de pastor George Hilton nos Esportes, absolutamente ignorante nesta e em outras áreas. E ainda temos nomes que representam um poço de problemas: Helder Barbalho, o filho do ícone da corrupção, Jader Barbalho, do Pará; Eduardo Braga (que é um dos novos ministros que sofrem processos judiciais, ao lado de Helder e Kátia); Gilberto Kassab; Eliseu Padilha, para ficar só por aí.
O Alex Nunes chega a detalhar os pontos negativos de alguns dos indicados citados e faz uma análise das desgraças deste novo ministério. Cita André Singer quando aquele afirma que Dilma blindaria as denúncias nomeando um ministério de notáveis. “ Porém, por mais paradoxal que pareça, à medida que as revelações prosseguem, a presidente fica refém da opção oposta. Ocorre que Dilma precisa munir-se agora da maior base congressual possível, pois quando o navio começar a balançar, os mais fisiológicos irão rápido para a oposição, tornando o palácio alvo de isolamento e chantagem. Mas para montar tal suporte, ela precisa recorrer exatamente àqueles que estão na mira da Operação Lava a Jato (…) Em outras palavras, para proteger-se do escândalo, precisa apoiar-se nos que estão nele enredados”.  
E aí Alex vai para o fecho do texto com uma argumentação notável: “o problema não são os supostos “petralhas”, ou seja, a ala corrupta do PT (que existe, como de resto, em qualquer partido que chegue ao poder). O problema é o que poderíamos chamar de petrouxas, ou seja, quem acredita num “petismo mágico” – segundo o qual basta “votar certo”, no personagem “do bem”, para que a política se mantenha no curso de correção. (...) Mas, ao contrário do que creem os petrouxas, o PT tem canalizado o oposto dos anseios de melhoria do país, tentando varrer suas mazelas para baixo do tapete – e transformando-as assim em mazelas nacionais.” E mais adiante diz: “O PT descuidou do Brasil. É incapaz de dar conta de um certo anseio de moralidade. Esse anseio não é 100% “errado”; as pessoas têm direito a se sentirem num ambiente (...). Mas, defensivamente, o petismo desqualifica esse anseio, para não ter que pedir desculpas pelos erros no exercício do poder (mesmo tendo sido esse impulso moralizador um dos componentes centrais do seu sucesso eleitoral). A dívida política do país com Lula não só já foi paga (na primeira eleição de Dilma), como agora já estamos entrando fundo no prejuízo.”
E concluiu para deleite dos bons redatores e dos políticos éticos:” Aliás, foi de Lula o lance mais estranho (ou não), nos últimos dias. Ele se diz insatisfeito com o novo ministério de Dilma – de quem é não apenas o mentor, mas o fiador político e, literalmente, o inventor (já que Dilma não tem nenhuma história política pregressa notável, a não ser a passagem pela guerrilha). E que vai montar um grupo político para abrir uma interlocução com os movimentos sociais – esses mesmos que estão sendo desdenhados, após terem reeleito Dilma, por estreita margem –, para “pressionar a presidente” nos próximos quatro anos. Já Dilma confidenciou aos colaboradores que nunca se sentiu tão “livre” (de Lula e do PT, supõe-se). Resta saber se é tudo jogo de cena, ou se Lula foi escanteado mesmo. Ou seja: saber se Lula é o supremo petralha, ou o supremo petrouxa.”. Quem desejar ler o artigo completo, é só dá um clique aqui.