Exclusivo!

Poucas & Boas 2017.3

2020 já começou? Alguns políticos de Heliópolis precisam saber que 2020 só começa após 2018. Ou seja, os resultados de 2018 podem in...

Novidade

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Dilma fecha 1º mandato com rombo de R$ 17,24 bilhões

A primeira presidenta da história do país não poderia deixar marca mais relevante. Puxada por um grande déficit da Previdência, as contas do governo central ficaram negativas pela primeira vez no acumulado de um ano desde o início da série histórica.
Dilma Rousseff patrocina decadência histórica
As contas da presidente Dilma Rousseff fecharam 2014 com um déficit primário de 17,242 bilhões de reais. O resultado do chamado governo central, que reúne as contas do Tesouro Nacional, INSS e Banco Central, registraram o pior desempenho da série histórica que teve início em 1997. Foi o primeiro déficit da série e corresponde a 0,34% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2013, o superávit acumulado foi de 76,993 bilhões de reais, ou 1,59% do PIB. Dá a entender que Dilma quebrou o país para não perder o poder. O desastre é tão notório que a até seu partido está colocando a boca no trombone.
E não se trata apenas de problemas relacionados à corrupção. O rombo histórico das contas do governo, divulgado pelo Tesouro nesta quinta-feira, consolidou um processo de forte deterioração fiscal que a presidente Dilma tenta agora reverter para retomar a confiança no país. Apesar das pedaladas fiscais (atrasos nos pagamentos de despesas) que ainda ficaram para 2015 e receitas extraordinárias, o resultado de 2014 ficou distante da última previsão do governo, de fechar o ano com um superávit de 10,1 bilhões de reais. No início do ano, o governo prometeu fazer um superávit de 80,7 bilhões de reais nas contas do governo central. Dilma não está pagando nem mesmo contas simples como água e luz dos escritórios das embaixadas.
A conta é conhecida: o resultado reflete uma combinação de aumento de despesas, queda forte da arrecadação por causa da atividade econômica fraca e desonerações tributárias em volume elevado. Dados do Tesouro mostraram que as despesas subiram 12,8%, para 1,013 trilhão de reais, enquanto as receitas avançaram apenas 3,6%, totalizando 1,031 trilhão de reais. A Previdência foi, de longe, o setor que mais contribuiu para o rombo anual. Separadamente, as contas do Tesouro tiveram um superávit de 39,570 bilhões de reais, o do INSS um déficit de 56,698 bilhões de reais e o resultado das contas do Banco Central foi negativo em 114,8 milhões de reais.
Após as eleições, apenas em dezembro, as contas do governo central registraram um superávit de 1,039 bilhão de reais, decepcionando mais uma vez. No final do ano passado, o ex-secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, havia garantido que o superávit seria de dois dígitos, o que não ocorreu. O resultado de dezembro é pior para o mês desde 2008, quando as contas fecharam com déficit primário. Para não ser responsabilizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, o governo conseguiu que o Congresso Nacional aprovasse uma alteração na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) que permite o descumprimento da meta. Ou seja, para encobrir a realidade, Dilma conta com o Congresso e, para continuar no poder, conta com o Bolsa Família. Em ambos os casos, o Orçamento é a arma de convencimento. Enquanto isso, o Brasil segue descendo a ladeira do desenvolvimento.

Com texto básico da revista VEJA.