Exclusivo!

O predador da Petrobrás

Sérgio Gabrielli (foto: Terra.com) Em apenas uma única obra da Petrobrás, o Comperj – Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro, localiz...

Novidade

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Fernando Peltier morre em Araci

                                                             Landisvalth Lima
Fernando Peltier (foto:Facebook)
Morre em Araci, estado da Bahia, onde vivia, o poeta, escritor e teatrólogo Fernando Peltier (66), Macaúbas, que trabalhou muitos anos em Serrinha e promoveu para o mundo do teatro gerações de jovens. Este blogueiro, ao lado de Hildebrando (Dego), Urias, Raimundo, Luzivânia, Murilo, Edvaldo Barbosa e tantos outros e outras, devemos nossa formação cultural, nossa visão de arte e de sociedade a Peltier. Ele não desistia nunca. Era incansável produtor cultural e buscava sempre novas linguagens artísticas. Além disso, era um educador no sentido amplo da palavra.
Antônio Fernando Peltier Loureiro Freire nasceu em Salvador-Ba, em 25 de janeiro de 1948. Filho caçula de Jorge Antunes Freire, graduado funcionário fazendário estadual e de Maura Peltier Loureiro Freire. Teve um infarto fulminante por volta das 3h30min e disse como últimas palavras: "Não estou mais aguentando a dor" e faleceu. Foi socorrido e levado para o hospital municipal de Araci, onde já chegou sem vida.
A notícia rapidamente se espalhou e um dos seus amigos, Jamensson Cardoso, postou no Facebook: " Fernando Peltier, Macaúbas, um símbolo de resistência e luta, segue para a eternidade, fomos confidentes conflitados com as inconformidades em função da própria vida. Meus sinceros sentimentos de pesar para familiares e amigos. Obrigado Aracy por acolher um homem verdadeiramente valoroso. O que foi isto meu Deus??". Tatiane Vilela Mascarenhas também posto: "Meu coração congelou de susto ao receber essa notícia, mas sei que o céu está em festa por receber voce meu amigo, meu irmão, poeta de grandiosa beleza e encanto e ser humano de coração nobre. Siga em paz Fernando Peltier, sei que sua passagem será leve pela nível evolutivo do seu espírito. A família Mascarenhas te ama!!!"
Desde garoto, Peltier, ou Macaúbas, como o chamávamos no grupo Criarte, demonstrava aptidões para as artes, sobretudo, as artes cênicas, tendo descoberto essa inclinação na escola primária. Viveu assim, em Salvador por longo tempo. Fernando Peltier morou em Jequié, no ano de 1962, quando pela primeira vez pisou num palco de um teatro tecnicamente dito e representou o papel de um pastor num auto de natal intitulado “O Boi e o Burro no Caminho de Belém”, de Maria Clara Machado, a maior dramaturga brasileira no segmento infanto-juvenil, apresentado no Cine Teatro Auditorium, contaminando-se definitivamente pelo vírus teatral. Foi também em Jequié que escreveu suas primeiras poesias e prosas, tendo nessa época obtido a aprovação de Wally Salomão aos seus escritos.
Em Serrinha, fundou com Hamilton Safira o GRUDE-SE (Grupo Teatro Serrinha), em 1966 e o CRIARTE (Criação Artística), 1976 no Centro Social Urbano Dalva Negreiros, quando era o diretor daquele órgão público. Desta época são produzidas inúmeras peças infantis, destacando-se Chapeuzinho Vermelho. Lembro-me que minha irmã, Luzivânia Lima, substitui Mônica, como a mãe de Chapeuzinho, na apresentação na cidade de Conde, no Litoral Norte da Bahia. A peça era sucesso onde chagava. Eu fazia o papel da 4ª árvore. Murilo era o Caçador, Edvaldo era o Lobo Mau e Kika era o Chapeuzinho Vermelho, dentre outros.
Peltier também foi o criador do Projeto CIRANDA DO TEATRO, que forma platéia, a partir de dois anos de idade, viajando por todo interior baiano, sensibilizando crianças e jovens para a importância da linguagem teatral, seja na prática ou na audição de espetáculos. Fundou e administrou a SPALLA – Escola de Arte da Bahia Ltda., em Salvador, 1994 e a Escola de Arte & Cia Fernando Peltier, em Salvador, Serrinha e está implantou o CRITCA – Centro Regional de Investigação de Talentos em Arte e Cultura, acoplado à sua Escola de Arte Fernando Peltier – Ballet e Teatro, no Colégio Interativo, Araci, em 2010.
Fernando Peltier teve formação quase completa em História Geral na UCSAL, 1972, e plena como Bacharel em Direção Teatral, na EMAC/UFBa, formando-se em 1988. Bem antes, já havia feito o curso de Magistério, concluído no Colégio Comercial de Serrinha, 1968. Segundo a revista “Repertório” Ano 3, nº 2, 1999 – Teatro e Dança / UFBA, Programa de Graduação em Artes Cênicas, “o Curso de Teatro com Dança ministrado por Fernando Peltier tem revelado para o cinema e promovido a participação de diversos alunos em comerciais de rádio e de televisão. A Escola de Arte é recordista em aprovação para o vestibular dos cursos de teatro da UFBA. Em menos de 5 anos de fundada, a escola já capacitou mais de 20 alunos, colocados no mercado de trabalho, aptos para iniciarem-se no sucesso.”.
Fernando Peltier não se dedicou apenas ao teatro. Foi escritor, poeta e dramaturgo. Publicou 5 livros, sendo o último, na cidade do Porto, em Portugal: “Nós Te Atramos” (Dramaturgia), Editora BDA, Salvador, 1996; “Escola Utopia” (Poesia), Editora LS, Salvador, 1997; “Heureca! – Notáveis Encontros com o Saber” (Dramaturgia); EGBA (Empresa Gráfica da Bahia), FUNCEB (Fundação Cultural do Estado da Bahia), SECULT (Secretaria Estadual de Cultura e Turismo), Coleção As Letras da Bahia, Salvador, 1998; “Teatro Nosso Cada Dia” (Dramaturgia) e o último denominado “Na Palma da Calma da Alma”, Corpos Editora, Porto, Portugal, 2010. Quem desejar adquirir o novo livro poderá fazer através do link:
Recentemente, também, teve uma de suas poesias incluída na Antologia Delicatta/SP – Bienal do Livro, cuja obra se chama “CIRCO BAMBOLEIO”. É também autor e compositor musical, dedicando-se prioritariamente às trilhas musicais de seus espetáculos, sobretudo no seguimento infanto-juvenil. Tem CDs publicados, destacando-se “Pinóquio”, com músicas da peça homônima e karaokê com as mesmas e “O Auto do Presépio de Natal”. Residia em Araci por opção própria, pois gostava muito de cidades do interior de médio porte, razão pela qual também já morou em Amargosa, Jequié e Serrinha.
Peltier desempenhou diversas funções, tanto no serviço público estadual, quanto no municipal, ressaltando os cargos de Avaliador Judicial da Comarca de Serrinha, 1973; Professor do Nível Médio: História e Inglês do Colégio Comercial de Serrinha (particular) 1969; Colégio Estadual Rubem Nogueira, em Serrinha, 1972; Gerente do CSU de Serrinha, 1976; Diretor de Cultura em São Francisco do Conde, Serrinha e Araci, 1985/2010; Diretor do Departamento Municipal de Feiras, Mercados e Abastecimento de Salvador, 1982; Gerente Estadual de Promoção e Eventos do Instituto Mauá, SETRABES, Salvador, 1987; Professor de Filosofia, Sociologia e Artes do Colégio Interativo, em Araci. Dirigiu a CIA ICARASO DE TEATRO, prestando trabalhos institucionais avulsos à Prefeitura Municipal de Araci, lidando com as atividades e linguagens em Artes Cênicas junto a crianças e jovens. É autor de diversos Projetos Culturais e Educacionais.
Recentemente, criou o PROJETO DE EDUCAÇÃO POPULAR "PARA NÃO TER QUE PUNIR OS HOMENS!", no qual apresenta peças teatrais temáticas e preventivas - Dengue, Prostituição Infantil e Juvenil, Drogas, Bolsa Família, Educação Para o Trânsito, também para o Lixo destinados a todos os níveis etários e de escolaridade, desde criança até a maturidade e desenvolve oficinas, apresenta work-shop, Contação de Histórias & Estórias, Poesias, Brincadeiras da Eterna Infância, etc...  
Fernando Peltier venceu o Festival FESTEATRO, ano 3, realizado em Ilhéus, Bahia, em 1996, de caráter nacional (participação de grupos de, Belo Horizonte e Lavras – MG, Goiânia e Brasília/DF – Goiás e diversas cidades do estado da Bahia, na categoria infantil, com “O Jardim das Abelhas”, de sua autoria. Teve também indicações às premiações como o Troféu Bahia Aplaude com “O Jardim das Abelhas “,1996, e ao Prêmio COPENE DE TEATRO, com “Pinóquio”, no ano 2000.
Em Araci realizou com o CIA ICARASO nove espetáculos, a saber: “Força de Mulher”, “Pinóquio”, “Cochilou, Cachimbo Caiu!” (Dengue), “Desespero de Mãe 1” (Drogas), “Desespero de Mãe 2” (Prostituição Infantil e Juvenil), “Vida que Vem Melhorar” (Bolsa Família), “Sinais de Inteligência!” (Educação para o Trânsito), “Auto do Presépio de Natal”, “Auto das Dores de Cristo”, “Os Saltimbancos” e a comédia caipira “Fuga num São João” com estreia  na grade de programação do “Arraiá do Raso”, no São João araciense de 2011.
Só mesmo uma grande paixão pelo teatro é possível para participar de mais de 150 espetáculos teatrais em diversas funções, destacando as de Autor, Diretor, Ator e Produtor Teatral. E isso predominantemente no interior, onde o teatro é quase que ignorado pelas autoridades. Fernando Peltier é responsável pelo surgimento de dezenas de artistas de teatro, alguns de renome, que fizeram em criança ou na juventude, parte como seus alunos nas suas escolas de arte. Eu sou um deles. Não segui a carreira de ator, embora já tenha me profissionalizado ao seu lado, quando fundamos a APATEDEBA – Associação Profissional dos Artísticas e Técnicos em Espetáculos de Diversão do Estado da Bahia, ao lado de Benvindo Siqueira. Como professor, uso o teatro para tentar vencer a ignorância. Até mesmo nas aulas planejadas, até hoje, adiciono recursos aprendidos com Peltier no antigo CSU de Serrinha. Perdemos Macaúbas, mas o céu haverá de ser seu novo palco. Palco de utopias, literalmente.
Com informações complementares do Bahia Já e  do Google Plus.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Genildo é o novo presidente da Câmara da Ribeira

Vereador Genildo Reis
     


     O vereador Genildo Reis (PV) foi eleito nesta noite Presidente da Câmara Municipal de Vereadores de Ribeira do Amparo. A disputa foi acirrada, revelada no placar de 5 X 4. O novo presidente corria por fora. Ele apoiava a candidatura da vereadora Eulina, que sofria certa resistência. Quando se colocou como alternativa, garantiu os cinco votos necessários. Os votos dados a Genildo foram de Marivânia (PT), Eulina (PT) e de dois vereadores ligados ao grupo do ex-prefeito Marcelo Brito.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Com impasse em votação da LOA, Ana Dalva adia eleição da Câmara de Heliópolis

Vereadora Ana Dalva
O dia quinze de dezembro de 2014 vai ficar marcado como o dia do maior vacilo patrocinado pela oposição em Heliópolis. Pela primeira vez na história do município, o recesso parlamentar não foi possível porque o Orçamento não foi votado. Fala o Regimento Interno que só haverá recesso se a LOA – Lei Orçamentária Anual – for devidamente aprovada. E mais, o Orçamento é prioridade ante quaisquer outras proposituras. Fica claro, portanto, que nada pode ser feito enquanto a LOA estiver tramitando. O objetivo é forçar a aprovação da proposição, já que fica bem complicado administrar os poderes sem um Orçamento.
Ocorre que a oposição chegou com muita sede. Com a chegada do vice-prefeito Gama Neves (DEM), que dizem ser o tutor do voto do vereador Valdelício Dantas da Gama (PSD), reforçando os quadros oposicionistas e garantindo maioria na Câmara de Vereadores, os vereadores não chegaram a pensar que toda ação provoca uma reação. Imaginavam eles que a vereadora Ana Dalva e o grupo governista acatariam solenemente seus desejos. Menosprezaram a capacidade cognitiva do adversário, movidos pela sede de poder ou de vingança.
A sessão
Vereador José Mendonça
A vereadora Ana Dalva (PPS) abriu a Sessão Ordinária exatamente às 9:50 horas da manhã desta segunda (15). Dois vereadores estavam inscritos para uso da palavra: os líderes da oposição e da situação. A palavra foi aberta ao vereador José Mendonça Dantas (PCdoB). Disse que nenhum gestor do município, até a presente data, fez orçamento impositivo. Nunca desejaram discutir com a comunidade as questões do município e defendeu que o Orçamento 2014, de mais de 27 milhões, tivesse apenas uma margem de 20% de suplementação. O vereador também fez questão de afirmar que a Câmara Municipal nunca deixou de ajudar a nenhum prefeito e, diferentemente do discurso governista federal, disse que o Brasil tem tudo, mas é uma miséria só. Não precisa dizer que o vereador votou em Dilma Rousseff.
O vereador Ronaldo Santana, usou a palavra como Líder governista e falou que contribuiu para que o orçamento tivesse uma suplementação de 70% e não entendia como o Líder da oposição defende apenas 20%, já que, quando presidente da casa e cunhado do ex-prefeito, sempre votou em orçamentos com 100% de suplementação. Aproveitou para elogiar o desempenho da vereadora Ana Dalva nos dois anos como presidenta coerente, a única a lutar pelo fim dos 100%. As palavras de Ronaldo foram reforçadas pelo vereador José Clóvis que afirmou ter Mendonça votado por sete mandatos consecutivos em orçamentos com 100% suplementar e só agora resolveu mudar. Na réplica, Mendonça chegou a dizer que Clóvis também era defensor do governo anterior. José Clóvis confirmou: “Fui mesmo. Votei no 100% e também votaria agora.”.
Vereador Ronaldo Santana
Quem também pediu a palavra foi o vereador Zeic Andrade. Ele provocou o vereador Mendonça perguntando onde estavam os milhões desviados por empresas e investigados pela PF e disse que o prefeito anterior foi o único do município a ter a Polícia Federal em sua casa. Mendonça solicitou a palavra e rebateu a afirmação do colega questionando sobre o que ele tinha a ver com as investigações. “É porque eu sou parente e apoiava o prefeito? Seu pai também o apoiou. Ele estaria também envolvido?” Questionou. E completou: “Tirando Ana Dalva, a única que sempre foi contra os 100%, todos votaram. E porque só eu tenho que pagar a conta?”, finalizou. Em seguida, Ana Dalva encerrou a discussão no expediente, agradecendo os elogios de Ronaldo e colocou a LOA – Lei Orçamentária Anual – em primeira discussão e votação.
Foi aí que a oposição cometeu o seu maior erro. Mendonça, com a palavra, apresentou emenda reduzindo de 70 para 20 por cento a suplementação orçamentária. Na sequência, o vereador Ronaldo Santana apresentou uma subemenda de 50% de suplementação e pediu para que fosse encaminhada à Comissão de Orçamento para exarar Parecer em dez dias. Ana Dalva disse que dez dias era demais. Solicitou reunião das Comissões para a próxima sexta-feira e convocou nova reunião Ordinária, já que, como não houve aprovação do orçamento, as reuniões serão ordinárias até que ele seja aprovado.
O público compareceu em bom número
A oposição queria que a reunião prosseguisse com a eleição para a mesa diretora. Ana Dalva, após consultar o setor jurídico, afirmou que só haverá eleição para mesa após a aprovação do Orçamento de 2015. O segundo erro de Mendonça foi não ter retirado sua emenda e aceito a subemenda de Ronaldo. Tudo seria ali mesmo resolvido e Ana Dalva teria que convocar para a aprovação do novo regimento interno e para a eleição da mesa diretora. Também vale lembrar, que a oposição boicotou a sessão ordinária da semana anterior. Pensava que, deixando tudo para um único dia, as chances de vitória total seriam melhores. Deu água. Para tentar resolver o problema, o vereador Giomar Evangelista fez requerimento oral solicitando convocação de uma sessão para eleição da mesa. Ana Dalva não acatou e encerrou a sessão.
O vereador Mendonça, mais elegante, disse que a manobra da presidente foi um tiro no pé. Estava visivelmente decepcionado. Já o ex-secretário de administração e finanças, Prof. José Mário (PSB), classificou deselegantemente a atitude da presidenta de “manobra descarada”. Outros opositores reagiram informando que agora a suplementação será apenas de 5%. Parece que transformaram a suplementação numa questão de honra e não deram muita bola para a eleição da mesa.
A chapa da oposição
Nos bastidores, fala-se que o acordo já foi fechado. Giomar Evangelista será o candidato a presidente e Claudivan o vice. A notícia circulava que o candidato seria Mendonça. Também chegaram a oferecer a Valdelício, que não aceitou. Quando Giomar soube da pretensão de Mendonça, ameaçou romper e votar em qualquer outro. O problema é que Claudivan não votaria em Giomar. O convencimento só veio quando Evangelista resolveu dividir o mandato ao meio. Seria um ano para cada e a chapa foi fechada.
Vereador Genildo Reis
O que não dá para entender é qual o papel de Gama Neves nessa história. Estava fazendo a cama para a oposição deitar, levando o chá e dando de colherinha na boquinha dos vereadores opositores. Seria apenas vingança contra o prefeito Ildinho? Se for, então está jogando no lixo a maior conquista da Câmara de Vereadores nestes dois anos. Nunca um prefeito dialogou tanto com o Poder Legislativo e deixou a câmara livre da interferência do executivo. A vingança cega de Gama Neves está destruindo o trabalho de Ana Dalva nestes dois anos e permitirá a volta da velha guerra entre pardais e bem-te-vis. Pior é saber que ele não fará Valdelício presidente. Negociar com a oposição, não recebendo apoio, mas oferecendo, para quem está governo, é muito estranho. Gama estaria apostando no apoio do PCdoB à sua candidatura a prefeito em 2016? E o PCdoB faria isso apenas recebendo o controle da Câmara Municipal de Heliópolis?
Genildo Reis
Quem esteve presente na sessão de hoje foi o vereador Genildo Reis (PV), de Ribeira do Amparo. Ele informou que a decisão na Ribeira será nesta terça-feira (16). Lá a coisa está também complicada. Disputam Marivânia Silva (PT), Andresson Rocha (PP) e Eulina Amorim (PT). Também corre por fora o atual presidente Joaquim Rosário (PT), que aderiu ao grupo político de Marcelo Brito. Genildo apoia Eulina e espera que o grupo em torno de Germano chegue a um consenso. Para apimentar mais a disputa, Reis afirma que também pode entrar no rol dos candidatos, caso não queiram caminhar na doce estrada do diálogo.