Estamos de volta!

Mudamos a linha editorial
O tom crítico continua
Mas falaremos apenas
Daquilo que vale a pena falar

Exclusivo!

Gilmar Mendes e JBS unidos pelo gado

Novidade

sábado, 8 de março de 2014

Contas do STRH de 2013 são rejeitadas

Trabalhadores rurais rejeitaram contas do STRH de 2013  (foto: Jorge Souza)
      Se já estava difícil para Juarez Carlos Oliveira vencer a disputa que o colocaria de novo na presidência do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Heliópolis – STRH, agora é que o caldo engrossou. Reunidos em Assembleia Geral, neste sábado (8), na Câmara Municipal de Heliópolis, a Junta Diretiva do sindicato colocou em apreciação as contas relativas ao ano de 2013, prestadas por Juarez, no seu último ano à frente da entidade sindical. Durante toda a exposição detalhada dos gastos foram detectadas várias irregularidades. Detectaram gastos em demasia de material de escritório, empréstimos irregulares, pagamentos indevidos etc. Uma das irregularidades que chamou a atenção foram os pagamentos feitos a José Elson de Lima, conhecido pelo apelido de Raizeiro. Ele receitava remédios naturais e era contratado pelo STRH. Seu salário: 1.356,00. Toda receita do sindicato em 2013 foi de pouco mais de 201 mil reais. Além das irregularidades, ficou visível o declínio da arrecadação da instituição. Em 2014, a Junta Governativa, liderada por Maria do Beiju, indica que a arrecadação está ainda menor, graças ao processo eleitoral que não consegue ser efetivado para dar tranquilidade aos próximos diretores na busca dos meios de promover a elevação da receita. Por tudo isso, os associados presentes, por unanimidade, rejeitaram as contas do STRH do ano de 2013. Com esse resultado, Juarez Carlos Oliveira fica inelegível. Tudo indica, haverá só uma chapa para concorrer ao próximo pleito, já que José Guerra, secretário de agricultura do município, manifestou apoio à composição liderada por dona Edmeia Torres. Durante a Assembleia, os associados exibiram faixas exigindo a realização da eleição para escolha dos novos dirigentes. Eles dizem não mais aguentar esta indefinição. Como o principal entrave era Juarez Carlos, eles agora não veem mais motivos para delongas. Só que há uma audiência marcada para o dia 12 de março, próxima quarta-feira, na Justiça do Trabalho de Euclides da Cunha. Se o Juiz quiser dar um fim na peleja, deverá marcar a data da nova eleição. Caso contrário, como a Junta Diretiva atual já está concluindo o mandato, outra junta será eleita e, em seguida, deverá convocar novo pleito eleitoral.

Mais 40 concursados são convocados em Heliópolis

O prefeito Ildefonso Andrade Fonseca convocou mais 40 concursados em dois Editais de Convocação publicados nesta sexta-feira (7). Foram mais 19 professores, 4 motoristas, 3 Auxiliares de Serviços Gerais, 4 médicos e mais assistentes sociais, enfermeiros, engenheiro civil, farmacêutico, fisioterapeuta, odontólogo, psicólogo e técnicos em enfermagem. Na verdade, a convocação traz 41 nomes, mas uma concursada, Laura Menezes, foi aprovada como professora e Auxiliar de Serviços gerais e vai optar pelo cargo de professora. Alguns dos convocados, para não ficarem desfocados do processo, participaram voluntariamente do último dia da Jornada Pedagógica que acontece no Colégio Waldir Pires. Alguns deles, inclusive, já estavam inscritos desde o início. Os convocados tem cinco dias para apresentação da documentação. É bom dar uma olhadinha no Edital no portal do Seprod para maiores informações. A lista completa dos convocados, segue:

Assistente Social
1 MARCELLE MATOS NASCIMENTO
2 JOSÉ IVAN RIBEIRO DOS SANTOS FILHO

Enfermeiro
1 LILIANE LOPES FREIRE
2 DARCIELE CARVALHO DOS SANTOS

Engenheiro Civil
1 GABRIELA MELO SANTOS

Farmacêutico
1 JOSEFA VALÉRIA BORGES DE SOUZA

Fisioterapeuta
1 FABRICIO JOSE DOS SANTOS

Médico
1 ADRIANO SILVA CARNEIRO
2 ERALDO BISPO DOS SANTOS
3 WELLINGTON COSTA DA SILVA FILHO

Médico Ginecologista
1 MARCIA MOREIRA CALDAS PANTY

Odontólogo
1 RODRIGO PINTO CASTRO

Psicólogo
1 NILMA NUNES LIMA

Técnico em Enfermagem
1 MARCIA SOUSA MOTA
2 DÉBORA NASCIMENTO NOLASCO DA SILVA

Professor Nível 1
50 ELIETE DA COSTA PALMA
51 MARICELIA RIBEIRO DA GAMA
52 OLIVIA FERREIRA MUNIZ
53 CELIO GONCALVES DO NASCIMENTO
54 PAULO CRISTIANO SILVA SOUZA
55 RONAILDE SOUZA FERREIRA
56 LIZIANE SUELLEN ARAUJO COSTA
57 MARIA FANILDES MENEZES SANTOS OLIVEIRA
58 DENIS CORREIA DA SILVA SANTOS
59 INÁCIO DA PAZ
60 ALCILANIA SOUSA LIMA
61 EDUARDO RIBEIRO SANTOS
62 JOSEFA ELISANGELA OLIVEIRA NASCIMNETO
63 GRASIELE SILVA SOUZA
64 LAURA DO NASCIMENTO MENEZES
65 CRISTIANE RODRIGUES SANTANA
66 JOSEFA MEIRE SOUSA CARMO
67 MAIRA JUSSARA OLIVEIRA
68 JOSEILSON ALVES SILVA

Auxiliar de serviços gerais
21 JOSEFA JANE DE SOUSA ARAUJO
22 LAURA DO NASCIMENTO MENEZES
23 JACIELE DA COSTA OLIVEIRA

Motorista CNH D
6 SEBASTIAO JESUS VAZ
7 JONATAS BATISTA OLIVEIRA
8 CLERISTON MENEZES SILVA
9 JOSE CARLOS SOUZA DOS SANTOS

quinta-feira, 6 de março de 2014

Jornada Pedagógica é iniciada com posse dos concursados

Prof. Quelton faz a abertura da Jornada

Maria Andrade, Ana Dalva, Soraia e Ildinho
Na manhã desta quinta-feira (6), no salão da Escola Waldir Pires, foi iniciada a Jornada Pedagógica 2014. A abertura se deu por voltas das 9:30 da manhã com o professor José Quelton Almeida, secretário de educação, dando boas-vindas a professores, coordenadores, autoridades e demais servidores, bem como aos novos concursados que tomaram posse naquela data. Além de Quelton, estavam também presentes, formando a mesa, o prefeito Ildefonso Andrade Fonseca, a presidente da Câmara Municipal de Heliópolis - vereadora Ana Dalva, Maria Zizélia Maranduba - secretária de assistência social, os vereadores Zeic Andrade e Ronaldo Santana, o presidente do SINDHELI - prof. Gilvândio Alves, a Coordenadora do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos - Maria Eugênia, a presidente do CAE e coordenadora do Pacto/PNAIC – Maria Edjan Tavares, a presidente do Conselho Municipal de Educação – Maria Andrade, a presidente do Conselho do Fundeb – Renata Soraia, o coordenador da Jornada Pedagógica 2014 – Renan Vieira, a coordenadora geral de Educação Básica – Taciane Barbosa Torres e a primeira dama do município – Ana Maria Fonseca (Santaninha). O prefeito do município, Ildinho, usou a palavra e pediu aos professores e demais servidores da educação que transformassem o ano de 2014 num ano promissor, porque o ano anterior deixou muito a desejar. Deu boas-vindas aos concursados e, em seguida, deu posse a todos os que compareceram ao ato.
Arnóbio, Santaninha, Maria Eugênia,
Gilvândio, Vereador Zeic e Taciane.
A profª Jéssica (1ª colocada) tomando posse.
Após a posse dos concursados presentes, houve um intervalo para um lanche. Em seguida foi a vez do professor Pompeu Tranzillo Júnior fazer sua palestra motivadora. Professor Pompeu ministra aulas na FANESE e na Faculdades São Luís de França, em Aracaju, e apresentou em sua palestra os 15 pontos importantes para alguém crescer profissionalmente. Ele é autor do livro Falando e Encantando em Público. O palestrante foi muito aplaudido, tanto que a parada para o almoço só se deu próximo das 13 horas. A jornada foi reiniciada às 14 horas e coube ao professor Landisvalth explicar o PAMEH – Plano de Ações e Metas da Educação de Heliópolis para os próximos 3 anos. O objetivo é a implantação do Currículo Único, da Avaliação Bimestral Simultânea e da várias outras ações que ajudaram a fazer evoluir o processo de ensino e aprendizagem no município. O Projeto contempla a educação infantil, alfabetização, fundamental I e fundamental II. Por sugestão da presidente do Conselho Municipal de Educação, haverá o acréscimo de tópicos relacionados à educação do aluno excepcional.
os servidores marcaram presença
Nesta sexta-feira, os professores estarão produzindo um currículo único para todos os anos do ensino infantil e fundamental, pela manhã, e iniciam pela tarde o planejamento anual por unidade. No sábado, a meta é elaborar questões que formarão o banco de dados do CAE – Centro de Avaliação e Estatística, órgão que administrará o PAMEH na Secretaria de Educação, Esporte, Cultura e Lazer. Nesta sexta-feira também haverá uma reunião com os dirigentes e funcionários da Escola Castro Alves para estudos de implantação do turno integral na instituição, ainda em 2014. As aulas serão iniciadas dia 10 de março, na segunda-feira. O secretário de educação, professor Quelton, avisa que está aguardando alguns professores que ainda não tomaram posse por falta de um detalhe ou outro, mas isso não afetará o início das aulas. O que pode ocorrer é a ausência pontual de um professor ou outro numa disciplina, mas que tudo estará regular em poucos dias. Inclusive, já há previsão da convocação de novos concursados em breve.
Prof. Cleiton tomando posse

José A. Neves - 1º em Aux. Serv. Gerais.
Ausentes da Jornada
Vários vereadores e secretários municipais estiveram ausentes na abertura da Jornada Pedagógica 2014, mas duas ausências chamaram atenção: O vice-prefeito, Gama Neves, e o Secretário de Administração e Finanças, Beto Fonseca. Gama está em Salvador cuidando do seu pai, que passou por procedimento cirúrgico, e ligou para justificar. Prometeu estar no encerramento. Já o secretário está em Aracaju fazendo uma bateria de exames. Beto Fonseca passou mal neste último fim de semana e só comparecerá no encerramento da Jornada.
Dia Internacional da Mulher
Quem imaginou que a administração municipal esqueceu o Dia Internacional da Mulher, por conta da realização da Jornada Pedagógica, errou. É que Leila de Beto informou que a data comemorativa será celebrada no dia 14 de março com uma programação ainda em construção pela Secretaria de Assistência Social. Assim que tudo estiver organizado, o Landisvalth Blog registrará. (Dê um clique nas fotos para ampliá-las)

segunda-feira, 3 de março de 2014

Ana Dalva quer levar Câmara Municipal aos povoados em 2014


Vereadora Ana Dalva
Em entrevista ao radialista Richard Novais, na Rádio Regional de Cícero Dantas, na última terça-feira (25), a presidente do Legislativo de Heliópolis falou da sua gestão, da relação com a oposição e com o prefeito Ildefonso Fonseca e disse que pretende criar sessões itinerantes, levando a Câmara Municipal aos povoados, além de responder aos questionamentos dos ouvintes.
Richard Novaes -  Vereadora Ana Dalva, do Partido Popular Socialista da cidade de Heliópolis, gostaria que a senhora pudesse falar sobre essa sua gestão. Vereadora já no segundo mandato e primeira mulher a ocupar umas das cadeiras mais desejadas, que é a presidência da Câmara dos vereadores da cidade de Heliópolis, como é, como foi e como está sendo assumir a gestão com o apoio de todos os vereadores?
Ana Dalva - Bom dia a todos os ouvintes da Rádio Regional de Cícero Dantas. Agradeço a oportunidade de estarmos aqui a responder ao que for necessário. Realmente é verdade. Foi com o apoio de todos. Fui eleita por unanimidade, com nove votos, inclusive com o meu, e foi bem tranquilo. Foi uma disputa entre os vereadores, já que a escolha é do legislativo, e continuo trabalhando em parceria com todos os vereadores, dirigindo os trabalhos.
Richard Novaes - Já havia esse desejo de ser presidente da Câmara de Heliópolis?
Ana Dalva - Meu primeiro mandato foi um trabalho praticamente sozinha na oposição. Foi um trabalho difícil durante os quatro anos e naquele momento não tinha esse desejo. Já nesse segundo mandato, no decorrer das eleições e após, com a minha aprovação como vereadora, e também com a vitória do gestor que eu apoiei, nasceu a ideia.
Richard Novaes – Qual sua profissão, vereadora?
Ana Dalva - Sou professora, sou formada em História.
Richard Novaes – Quase sempre está ali ligado à educação...
Ana Dalva - É porque é o melhor meio de se comunicar com as pessoas e de ter um desenvolvimento. A educação é ponto para tudo. Fiz Licenciatura em História e ajudou muito no envolvimento que tive na política, além de ajudar as pessoas na área da saúde fazendo assistencialismo. É impossível não fazer tal assistencialismo numa cidade carente como Heliópolis. Sempre fiz isso até me envolver no meio político através do casamento com o professor Landisvalth, que sempre esteve envolvido com a política.
Richard Novaes - O professor teve um pouquinho de culpa?
Ana Dalva - Certamente, me levou para esse lado e está sendo positivo.
Richard Novaes - Ele sempre foi uma pessoa referenciada por conta dos movimentos em questões dos direitos sociais. Isso com certeza acabou lhe atraindo para esse meio político?
Ana Dalva - A gente nunca teve uma vida só voltada para a questão familiar. Sempre dividimos tudo na nossa convivência com os outros, com a comunidade, olhando o que era necessário se fazer em prol do município e da comunidade. Então dividíamos tudo e nunca fugimos da realidade.
Richard Novaes - Estamos conversando com a vereadora Ana Dalva, da cidade de Heliópolis, que na gestão desse último ano tem demonstrado, pelo menos ouvi de várias pessoas que conversei em Heliópolis, realizar um bom trabalho. Parei para ouvir um pouco as pessoas e é interessante, vereadora Ana Dalva, como as pessoas se surpreendem, no primeiro momento, o fato de ser uma mulher a gestora da Câmara Municipal. Isso afetou a vereadora? Isso muda alguma coisa, considerando que é um município que desde o ano em que foi criado nunca teve uma experiência como essa: uma vereadora na presidência?
Ana Dalva – Sim. Em plenário já tivemos mais duas vereadoras eleitas, mas sempre tivemos um trabalho decente e tranquilo, mas a experiência como presidente do legislativo não mudou em nada porque o mesmo trabalho que eu estava fazendo, venho fazendo como vereadora. A única diferença é que estou dirigindo os trabalhos, tenho trabalhos a mais. Estou todos os dias na câmara, das 8:00 às 13:00 horas. O trabalho aumentou, mas continuo sendo a mesma pessoa. Não há modificação nenhuma. Faço o trabalho tranquilo porque o meu trabalho como vereadora sempre foi um trabalho transparente. Como presidente da câmara estou fazendo da mesma forma, e quando você faz um trabalho com amor, com vontade, com dedicação é porque você gosta e o trabalho se torna fácil. Tenho um pouco de dificuldade porque estou sem uma assessoria jurídica. Tive uma na gestão no ano passado, mas por motivos superiores pediu afastamento e, no momento, estou sem esse auxilio. Então está dificultando um pouco as coisas, mas como presidente minhas metas de 2013 foram alcançadas. Todas aquelas que coloquei no papel me preocupei, me programei e alcancei. Hoje nós temos um carro próprio, que foi uma meta alcançada justamente em 2013.
Richard Novaes - Já entrando nessas questões das metas, a gente abre espaço pra essa avaliação que a senhora faz. Então, quanto a atuação no poder legislativo municipal de Heliópolis em 2013, como foi a sua atuação nesse ano que passou?  A senhora fala das metas que foram alcançadas e quais ainda não foram alcançadas?
Ana Dalva - Pronto. É como eu falei das metas e já fui ultrapassando a sua pergunta. Assim, a minha principal meta alcançada foi de trabalhar em coletividade. Essa pra mim foi a melhor meta conquistada em 2013. O trabalho coletivo é não ter mais diferenças entre oposição e situação. São nove vereadores e todos são tratados da mesma maneira, seja ele situação ou da oposição. O tratamento é igual. A casa é dos nove vereadores e eu me coloco como vereadora e digo em todas as sessões, no início e no final, que apenas estou dirigindo os trabalhos daquela casa, mas que sou vereadora como todos.
Richard Novaes - Interessante usar essa expressão, vereadora. Tem gente que pensa que vai ser vereador eternamente, mas hoje está vereadora e presidente da câmara?
Ana Dalva - Exatamente. É um cargo que você foi recebido e pode lhe ser tirado a qualquer momento. Então você tem que fazer o trabalho coletivo e essa foi umas das minhas metas. Agradeço a Deus por ter alcançado e fazer daquela casa uma casa aberta para público hoje. Nós temos debates, discussões e é cedido o espaço do plenário, não só para os vereadores quando precisam para discussões de alguma coisa, como também é cedido para a população quando precisa fazer algum debate, quando precisa fazer alguma reunião. Então aquela casa hoje é uma casa em prol do povo, porque ali não é nosso e não somos nós vereadores que comandam. Aquilo ali quem comanda é o povo, é a sociedade. Então a casa é aberta para todos. Com tranquilidade eu tenho essa facilidade de ter contato ali com todos. As metas foram alcançadas. O legislativo que não tinha carro. Anteriormente eram locados e essa foi uma das metas também alcançada.
Richard Novaes - A câmara nunca teve carro?
Ana Dalva – Nunca.
Richard Novaes - Não tinha recursos suficientes para adquirir o veículo? A gente observa que o valor da locação, quando somado, mostra que daria para comprar um veiculo.
Ana Dalva - Por incrível que pareça era difícil com o duodécimo anterior, mas sempre foi uma perspectiva e com dialogo, e economizando, foi provado que daria sim para comprar o veículo.
Richard Novaes - Somando o valor das parcelas juntas daria o valor sim do veículo. Quanto era o duodécimo da câmara em 2013?
Ana Dalva- Quando iniciei, o duodécimo era 67 mil mensais. Com o aumento no mês de março, ele foi pra R$ 72.963. Assim eu consegui somar em alguns meses o valor para comprar o veículo. Outra meta alcançada foi a implantação do sistema de som, que era de péssima qualidade, realizamos a compra do kit para os vereadores e também as placas indicativas para cada vereador. O kit também é composto com um brasão, carteira, certificado, agenda, calculadora. Também foram expostas as galerias dos ex-vereadores e a criação do portal da câmara na Internet: www.camaraheliopolis.ba.gov.br. Todos os meses fazemos prestações de contas com apresentações ao público com slides. Faço um trabalho transparente e quero convidar a população para que esteja mais presente às sessões da câmara.
Richard Novaes - As pessoas falam da política, mas não vão até os órgãos questionar o direitos. Isso não acontece só em Heliópolis, mas em toda região. 
Ana Dalva - É importante que as pessoas participem para saber com clareza o que está acontecendo. Alguns deixam de fazer a política sadia para fazerem a politicagem e às vezes acabam deixando a gente um pouco chateada.
Richard Novaes - Vocês políticos não podem resistir às críticas porque vocês são vitrines diante de uma comunidade grande.
Ana Dalva - Eu aprendi no dia-a-dia, juntamente com minha família, a enfrentar essas barreiras. Sobre as questões dos projetos, Richard, foram aprovados 22 projetos naquela casa no ano de 2013. Foram 16 projetos do Executivo e 6 dos Legislativo. Aprovados, sancionados e já publicados no Diário Oficial.
Richard Novaes - E a vereadora é autora de alguns desses projetos. Eu já ouvi falar de dois: um projeto que fala da Lei da Ficha Limpa Municipal, que segundo a lei só pode assumir um cargo no município aquelas pessoas que não possuem condenação na justiça, procede?
Ana Dalva – Procede. Veja só, se nós, o ser humano, vamos dar um exemplo bem claro, somos aprovados num concurso público, para exercermos a função, precisamos estar com a Ficha Limpa. Por que não o político? Tem ainda um projeto de lei que é do vereador Claudivan, e foram feitos outros cinco. Destes, dois são coletivos: a proibição da realização nos espaços públicos escolares de festas privadas, é um deles.
Richard Novaes - Muito bom porque a gente tem observado que o espaço escolar está sendo usado para festas particulares com bebidas alcoólicas e isso é contra a educação. 
Ana Dalva - Também tem o projeto legislativo coletivo sobre os valores de diárias de viagens de serviços da Câmara e também o da criação da Liga Esportiva de Heliópolis, de minha autoria. Há também um interessante, aprovado na gestão anterior, para prevenção de doenças nos alunos do primeiro ao nono ano, com o possível acompanhamento médico.
Richard Novaes - Vereadora, eu acho interessante uma legislatura que considera como ação dos vereadores a criação e indicação dos projetos. Eu já vi em câmaras que o ano todo nunca apareceu um projeto de um vereador. Cícero Dantas, por exemplo, tem vereador apresentando projetos que evidentemente foram aprovados e sancionados pelo prefeito, fazendo a ampliação da licença maternidade, que é federal e estadual, já considerando agora seis meses. Essa regulamentação no município acabou sendo da autoria de um vereador. Acho isso interessante ver os vereadores elaborando projetos e não ficando esperando pelo executivo como antes.
Ana Dalva – Eu costumo dizer que nós do legislativo temos que andar com as próprias pernas. O Legislativo e o Executivo são dois poderes que andam lado a lado em a parceria, mas são poderes que têm decisões próprias. Nós podemos fazer o nosso papel e não só esperar pelo Poder Executivo.
Richard Novaes - E eu vejo que o que o executivo não vê o legislativo vê.
Ana Dalva - Embora na nossa função como vereador não se permite fazer ou elaborar um projetos que aumentem ou diminuam despesas do município. A gente fica limitado, mas se não podemos fazer um projeto, temos também as indicações. Podemos fazer indicações para melhorias e reparos. Também elaboramos requerimentos pedindo o necessário para o município.   
Richard Novaes
Richard Novaes – Vereadora, a bancada da oposição na câmara de vereadores tem os mesmos direitos da situação, a senhora já disse.  Mas como é hoje exatamente um ano depois de estar na frente da câmara? Como é que é a relação e atuação das duas bancadas? Há muitos enfrentamentos? Como é isso?
Ana Dalva – Há tranquilidade no relacionamento entre a bancada como um todo. Tanto a situação como a oposição têm direitos preservados por igual naquela casa. Então a minha comunicação com todos os vereadores é bem tranquila. Nunca tive enfrentamento com nenhum. Sempre discutimos o melhor pelo o município.
Richard Novaes - É bom que tenha uma tranquilidade nas sessões.
Ana Dalva - É bem tranquilo entre os vereadores. Não tenho nada a dizer, só tenho a agradecer.
Richard Novaes – Vereadora, e as sessões são participativas? A comunidade participa? As galerias da casa são cheias? O pessoal acompanha?
Ana Dalva - Acompanha. Não é tanto como esperado, mas espero que eu acabe o meu mandato com aquela casa cheia. Sempre temos público. Temos a platéia maior quando os projetos geram mais benefício para a população. Chama atenção quando é um projeto envolvendo os funcionares públicos. Mas o espaço este sempre aberto para quem quiser usar a palavra. Até ultrapasso o tempo excedido pelo o regimento interno para atender a todos. 
Richard Novaes - Vamos começar atender a linha telefônica. Vamos atender a José Alves. 
Jose Alves - Eu quero parabenizar a vereadora Ana Dalva. Tivemos o prazer de irmos juntos daqui para Salvador para a Secretaria de Segurança Pública e eu pude observar que ela é uma pessoa determinada, é guerreira, que não mede circunstâncias para ajudar ao próximo e por isso quero parabenizá-la pelo o trabalho e dizer a ela que desejo muitas vitórias para ela.
Richard Novaes – Muito obrigado pela a sua participação. A vereadora já levou muitos elogios.
Ana Dalva - É sempre bom ser elogiada, José Alves. Eu lembro muito bem daquela viagem que fizemos em busca de segurança pública para nossa região, não só para o nosso município.  Eu digo todos os dias à população, não só atuando como vereadora, como eu mesma, Ana Dalva, a hora que precisar, seja qual for o horário, eu estou disponível para a população, pois nós seres humanos temos que ir a busca do melhor, não só para mim e para a família mas sim em busca de objetivos para melhorar a comunidade.
Richard Novaes - Bem vereadora, temos outro participante: Gilson Ribeiro (Beléu), da Rua Melancia.  
Gilson Ribeiro - Boa tarde, queria saber que há muito tempo tem um projeto para a construção de uma maternidade. Nas eleições, vocês falaram para as crianças darem o primeiro choro aqui em Heliópolis e não ir par as cidades vizinhas. Se você tem algum projeto em mente para Heliópolis, pois você é uma guerreira na saúde e na educação.
Richard Novaes - Outra pessoa: Jorge Souza.
Jorge Souza - Gostaria de parabenizar pela entrevista e perguntar à vereadora qual a maior dificuldade enfrentada na gestão de 2013, com o gestor?
Ana Dalva – Respondendo a Gilson, realmente isso foi um debate nosso nos palanques dos nossos comícios durante a campanha. Eu fiz em público esse pedido ao nosso representante do executivo para que as nossas crianças pudessem dar o primeiro choro em nosso município, mas hoje eu não tenho um projeto, mas continuo pedido ao gestor que tente conseguir essa maternidade. É um projeto importante e amplo e não impede que a gente coloque indicações e requerimentos solicitando ao gestor.
Richard Novaes - Já existe em Heliópolis algum espaço para maternidade?
Ana Dalva - Nós temos um posto de saúde. Nós não temos equipamentos nenhum para maternidade, e para torná-lo maternidade, precisamos de uma estrutura e toda a aparelhagem para atendimento 24 horas. É um sonho meu ter atendimento 24 horas no município, para não ter que se deslocar a outras cidades.
Richard Novaes - Há alguma perspectiva por parte do executivo?
Ana Dalva - Há perspectiva sim que a nossa população seja atendida em nossa cidade e isso foi um pedido meu nas eleições e eu quero que não fique só nos desejos, mas que seja realizado.
Richard Novaes - Por ser um investimento alto deve vir do Estado?
Ana Dalva - Vamos conversar com o gestor para tentar conseguir através do Estado. Respondendo a Jorge Souza, na minha gestão não tive dificuldade nenhuma, só um pequeno problema: é que estou sem assessoria jurídica. Sobre a gestão com o prefeito, a minha dificuldade maior foi a falta de diálogo. Ele se fechou muito por ser o primeiro ano e não deixou um espaço para o diálogo e comunicação. Hoje já esta havendo esse diálogo e estão tentando fazer um planejamento. Acho que as dificuldades serão sanadas. 
Richard Novaes - Mais uma participação, é Arnóbio Alves.
Arnóbio Alves - Quero parabenizar a vereadora pela condução dos trabalhos e Heliópolis por ter uma vereadora que dá oportunidade à sociedade a participar do Poder Legislativo.
Ana Dalva – Arnóbio, sempre está participando das sessões e a semana passada fez o uso da palavra. E não adianta só nós vereadores estarmos fazendo uso da palavra e reivindicando. É importante que a sociedade também participe, pois é ela que conhece a realidade. Uma meta minha é levar as sessões itinerantes aos povoados, uma vez por mês para que as pessoas participem mais, e pelas dificuldades que eles têm de vir até a sede.
Richard Novaes - O horário das sessões não dificulta as participações das pessoas?
Ana Dalva - As sessões eram realizadas as 19:00 horas, pela segunda-feira, mas em virtude de termos um vereador que estuda e outro que mora em um povoado, mudamos para às 9:00 da manhã, também segunda. Por incrível que pareça, o público é até razoável.
Richard Novaes - Mais uma participação: Diva Ribeiro, da Rua 11 de abril.
Diva Ribeiro - Sobre o calçamento da Rua 11 de abril que falaram que ia começar e não começou.
Richard Novaes - Outra participante: Edmeia Torres, da Rua do Açude.
Edmeia Torres - Gostaria de saber da vereadora Ana Dalva sobre esse esgoto da Rua do Açude. Já fiz baixo assinado e nunca tiraram.
Ana Dalva - Respondendo a Diva, em um dos requerimentos que enviamos ao gestor está o pedido de pavimentação de algumas ruas da cidade. O que posso lhe dizer é que vou continuar solicitando e irei falar com o gestor para ver se tem alguma resposta concreta. Eu passo por algumas ruas e eu sei das dificuldades, principalmente depois das chuvas. Dona Edmeia, já fizemos um debate sobre essa questão do esgoto descendo para o açude e já solicitamos ao executivo que tome as devidas providências.
Richard Novaes – Sobre a administração municipal, qual a relação entre o poder executivo e o legislativo? Que avaliação a senhora faz da gestão?
Ana Dalva - Devido a gestão em 2013 ser o primeiro ano de mandato, sem noção de administração pública, o gestor se fechou sem comunicação, sem diálogo com os vereadores. Devido a cobrança dos vereadores, e também minha, para que os dois poderes andem lado a lado, eles já estão abrindo espaço e estamos tendo reuniões. Se continuar assim, será um ano muito promissor. Espero que continue assim. Nós não sabemos tudo e temos que abrir espaço para as pessoas dizerem onde estão os erros porque somos administradores de uma empresa pública.
Richard Novaes - Heliópolis passou um período complicado com a questão da segurança pública?
Ana Dalva – Sim. Passamos momentos muito complicados, mas estamos tentando resolver os problemas e já tivemos audiências públicas com o comandante Edmilson e também com o promotor Dr. José Botelho para tentar resolver algumas questões.
Richard Novais – E a Universidade Federal do Nordeste da Bahia?
Ana Dalva - É uma luta desde 2012. Nós tivemos alguns nomes que vem nos ajudando para realizar esse sonho, que não é só do município mas de toda região. Várias pessoas aderiram a essa luta. Estamos com um representante da comissão regional lutando para realizar o sonho de conseguir essa universidade federal. Muitos não têm condições de pagar uma faculdade particular. No dia 22 passado tivemos uma audiência pública sobre a universidade em
Richard Novaes - Qual a maior meta para 2014 da Câmara?
Ana Dalva - A principal são as sessões itinerantes. Levar o Legislativo até os povoados.
Richard Novaes - Sobre as eleições deste ano, já tem definido os apoios? Muitos são votados em nossa região. Alguns aparecem e outros somem.
Ana Dalva - Cada representante político tem um partido e hoje tem a questão de fidelidade partidária, um estatuto a ser comprido. O PPS, meu partido, está um pouco divido, mas está fechando em torno da candidatura a governadora de Lídice da Mata, inclusive o partido vem conversando comigo com a possibilidade de meu nome ser vice de Lídice da Mata, mas também há outros nomes que podem somar. E há um outro convite para que eu possa ser candidata a Deputada Federal e eu não tenho resposta ainda uma resposta definitiva porque tenho um propósito para Heliópolis e ainda não realizei todas as minhas metas.
Richard Novaes - Quero agradecer à vereadora por ter aceitado esse convite e a Rádio Regional de Cícero Dantas está aberta para que possa ser usada para divulgar os feitos da Câmara Municipal de Heliópolis. Assim, passo para suas considerações finais.
Ana Dalva - Quero agradecer a oportunidade a toda equipe da Rádio Regional e agradecer também a todos os participantes que fizeram os questionamentos e os elogios. Sobre a questão da água da localidade de Queimada do Miguel, irei fazer uma visita ao local. 
Richard Novaes - Muito obrigada Vereadora, que continue assim guerreira. 
Ana Dalva - Muito obrigada a você, Richard, e uma boa tarde a todos.