Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Dilma e Lula sabiam de tudo, diz Alberto Youssef à PF

Em depoimento prestado na última terça-feira, o doleiro que atuava como banco clandestino do petrolão implica a presidente e seu antecessor no esquema de corrupção
Robson Bonin – do portal da revista Veja
Na última terça-feira, o doleiro Alberto Youssef entrou na sala de interrogatórios da Polícia Federal em Curitiba para prestar mais um depoimento em seu processo de delação premiada. Como faz desde o dia 29 de setembro, sentou-se ao lado de seu advogado, pôs os braços sobre a mesa, olhou para a câmera posicionada à sua frente e se colocou à disposição das autoridades para contar tudo o que fez, viu e ouviu enquanto comandou um esquema de lavagem de dinheiro suspeito de movimentar 10 bilhões de reais. A temporada na cadeia produziu mudanças profundas em Youssef. Encarcerado desde março, o doleiro está bem mais magro, tem o rosto pálido, o cabelo raspado e não cultiva mais a barba. O estado de espírito também é outro. Antes afeito às sombras e ao silêncio, Youssef mostra desassombro para denunciar, apontar e distribuir responsabilidades na camarilha que assaltou durante quase uma década os cofres da Petrobras. Com a autoridade de quem atuava como o banco clandestino do esquema, ele adicionou novos personagens à trama criminosa, que agora atinge o topo da República. Perguntado sobre o nível de comprometimento de autoridades no esquema de corrupção na Petrobras, o doleiro foi taxativo:
— O Planalto sabia de tudo!
— Mas quem no Planalto?, perguntou o delegado.
— Lula e Dilma, respondeu o doleiro.
Conheça, nesta edição de VEJA, os detalhes do depoimento que Alberto Youssef prestou às autoridades.

Enquanto isso.....

Jacques Wagner diz que corrupção não produz mais efeito
Conselheiro da campanha de Dilma Rousseff, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), afirmou nesta sexta-feira (24) que a discussão sobre corrupção se mostrou pouco eficaz neste momento da campanha presidencial, sem exercer influência na decisão de voto dos eleitores indecisos.
"O debate com troca de acusações ou sobre corrupção não produz mais efeito", disse Wagner, que se juntou à equipe que assessora a presidente para o último confronto com o tucano Aécio Neves, antes da eleição.
A edição da revista "Veja" deste fim de semana informou que o doleiro Alberto Yousseff, preso desde março em Curitiba (PR), disse em depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público Federal que a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula tinham conhecimento do esquema de desvio de dinheiro na Petrobras. Wagner classificou o conteúdo da reportagem da Veja como uma "denúncia inconsistente" que se assemelha à "propaganda de campanha política". (UOL)
Infere-se da fala do governador que o político que meter a mão no erário público não será punido pelo eleitor. É lamentável um agente público pensar desta maneira.