Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Vida longa a Eliana Calmon

                       Landisvalth Lima
Eliana Calmon (PSB) - candidata ao senado 
Eu sou suspeito. Eu sou um admirador seu. Tudo que aqui possa falar não seria novidade e alguns podem pegar como propaganda. Façam o que quiser, mas quando eu recebi o e-mail de Gama Neves, vice-prefeito de Heliópolis, chamando atenção para uma postagem publicada no portal Sertão Baiano, assinada pelo jornalista Daniel Pinto, não pude resistir. Preciso desejar a esta mulher incomum uma longa vida nada comum.
Na postagem, Eliana desabafa e diz que o PSB é um partido vendido. Não! Ela não se referiu à instituição de Lídice da Mata, de Marina, de Eduardo Vasconcelos, de Landisvalth Lima, de Rose Bassuma, de Rodrigo Hita, de Beto Albuquerque e da própria Eliana Calmon, mas ao PSB que é usado no interior, como vários outros partidos, apenas para dar legenda a políticos carreiristas, oportunistas, sem nenhum compromisso com a transformação da sociedade.
Segundo a ex-ministra, como diz a reportagem, completamente despida da hipocrisia dos políticos profissionais, a candidata ao Senado pelo PSB da Bahia, ao ser confrontada com as dificuldades da campanha e o desempenho tímido nas pesquisas de intenção de votos, não teve pudor em responder: “para meu nome chegar até a população, chegar ao interior do estado, eu precisava ter um partido forte, que não tenho. O PSB é um partido pequeno, partido vendido. Uma porção de gente que está aí se vendeu ao PT, se vendeu ao DEM. Eu tinha escrúpulos de falar isso. Agora, não tenho. Porque partido aqui é uma conversa fiada. Vou em vários municípios que os prefeitos do PSB nem me recebem porque já estão comprometidos”.
Eu vou aqui comprovar o que ela afirmou, mas vou usar o que conheço. Em Heliópolis, o vereador Ronaldo Santana (DEM) está comprometido com a campanha de Rui Costa (PT) e vai apoiar José Nunes (PSD) e Vando (PSC). O próprio prefeito Ildinho (PSC), de partido que apoia Paulo Souto, está comprometido com Rui Costa e não vai apoiar o Pastor Everaldo, mas Dilma. O vereador Valdelício Dantas da Gama (PSD) está de mala e cuia apoiando Paulo Souto e toda chapa. Vários petistas estão pedindo voto para Vando (PSC), que é da coligação de Paulo Souto. Há ainda outras incoerências menores, mas que servem de provas concretas para reforço da desilusão de minha candidata ao senado. A cúpula do PSB de Heliópolis, por exemplo, até aqui, não fez nenhum esforço ou demonstração de que vá apoiar algum candidato do partido, nem mesmo da coligação. Na Bahia, o apoio do PPS a Paulo Souto no primeiro turno também mostra o nível ético dos nossos políticos.
A reportagem também fala que Eliana Calmon revela que recebeu proposta de financiamento completo da campanha, caso se comprometesse a votar e fazer lobby pela aprovação dos bingos e caça-níqueis no Congresso Nacional. “O problema está no sistema eleitoral e ninguém aprova a reforma política. É de ‘fio a pavio’: todo mundo quer um pedaço de dinheiro (...) Estou na política porque o cidadão de bem tem que tomar conta do pedaço. Qual a coisa nova que se tem na Bahia?”, questionou. “Só Eliana Calmom”, respondeu o âncora do Jornal da Caraíbas. “Uma mulher de 69 anos é a ‘cocotinha’. Alguma coisa está errada!”, completou a ex-corregedora.
Eliana Calmon também falou mal do PT. Disse que, caso Lídice da Mata, a candidata ao Governo do Estado da sua coligação, esteja fora do 2º turno, ela seguirá a orientação de Marina Silva, descrita como sua principal referência. Entretanto, se estiver à vontade para escolher, apoiará o PSDB em contraponto ao PT. Durante o bate-papo, a postulante ao Senado Federal também falou sobre problemas crônicos que afetam os produtores do semiárido, como a estiagem, dívidas bancárias e falta de projeto público de sustentabilidade hídrica; corrupção, entraves e burocracia nos poderes da República e a promíscua relação entre Executivo e Judiciário. 
Será que seria só na Bahia que uma mulher dessas não chegaria ao senado? Ela teria uma ótima participação em São Paulo ou em Brasília, mas escolheu disputar por aqui. Bom para nós. Seja qual for o resultado, Eliana Calmon está revelando a verdadeira cara da política baiana. Só em mostrar isso, já começamos a mudar algo. Eu sei que é um balde de virtudes para curar um oceano de vícios, mas já é um início. Só espero que ela viva muitos anos para dar a essa Bahia o caráter devido. Além de Marina, que já vem transformando ideias em possibilidades desde a última eleição, Eliana Calmon foi o ponto positivo aqui na Bahia. Digo mais: é a única coisa verdadeiramente nova nesta terra de coronéis de cabeça branca, com candidatos tirados do bolso do paletó e impostos mediante o controle do dinheiro numa mão e o chicote na outra. Vida longa, minha Senadora!
Criatividade
A política de Heliópolis estava carente de novidades. Não vale citar perseguições. Isto não é novo. Mas agora vem aí o M.O.F. - Movimento de Olho no Futuro. A ideia é do secretário de administração, filho do prefeito Ildinho, Beto Fonseca. Não! Não tem nada a ver com a afirmação de Ildinho de que perdendo um bem-te-vi vai em busca de dois pardais. É outra coisa. Vamos aguardar!