Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

terça-feira, 1 de abril de 2014

Secretário deixa pasta e volta para Câmara

Valdelício deixa secretaria de infraestrutura e reassume mandato de vereador
O vereador Valdelício Dantas da Gama (PSD) pediu demissão nesta terça-feira, 1º de abril, e não é nenhuma mentira. Ele ocupava a pasta da Secretaria de Infraestrutura desde o início da administração do prefeito Ildefonso Andrade Fonseca. O pedido de demissão é em caráter irrevogável, tanto que o vereador já protocolou na prefeitura oficializando o ato e, em seguida, já comunicou oficialmente à vereadora Ana Dalva seu retorno às atividades na Câmara Municipal de Heliópolis. Com isso, Raimundo Sabiá volta à condição de suplente.
O vereador apenas comunicou que a renúncia ao cargo de secretário é para dar mais assistência ao seu eleitorado e tratar da sua saúde. Ocorre que o burburinho na cidade indica que Valdelício não estava nada satisfeito na condição de secretário. Pelos cantos, o vereador se queixava da falta de espaço para agir. Além disso, ele via pessoas sem cargo ter mais prestígio com materiais e recursos da secretaria que ele. Mas nada indica que o vereador vá para oposição. Não é do currículo de Valdelício lutar contra o governo. Parece que ele pretende se valorizar, já que o cargo de vereador, onde tem anos de atuação, dá mais visibilidade e independência para agir. 
Fato é que Ildinho continuará com a mesma bancada, mas há de se reconhecer que Raimundo Sabiá era escudeiro do prefeito. Era voto garantido. Será que Valdelício vai votar de olhos fechados? Acreditamos que sim, se ele for tratado como um aliado importante. Entretanto, caso seja colocado no canto, como ele acha que foi colocado na condição de secretário, não duvidaremos da existência de algumas dores de cabeça no prefeito. Valdelício é vereador experiente e não jogará contra o grupo, a não ser que o grupo jogue contra ele. Na política tradicionalista, o vereador não pode ser peão. É de bispo pra lá.