Exclusivo!

Rede com nova direção na Bahia

Os novos dirigentes da Rede na Bahia (foto: Landisvalth Lima) O partido Rede Sustentabilidade elegeu neste domingo (10) a sua nova com...

Novidade

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Secretário vai à Câmara e justifica gasto de combustível

Na mesma sessão, salários dos professores têm reajuste de 8,32%.
Beto Fonseca
A sessão ordinária da Câmara Municipal de Heliópolis foi muito movimentada, ontem, segunda-feira (24). Pouco antes do início, a vereadora Ana Dalva soube de que Beto Fonseca e Dr. Adelmo representariam o prefeito municipal na questão da explicação sobre o uso de combustível no ônibus “Azulão”. Também a chegada do Projeto de Lei que reajusta os vencimentos dos professores da rede municipal de ensino, de acordo com o Piso Nacional, chegou pouco antes do início da sessão. A presidente esperava mais uma reunião sem nada na pauta e acabou sendo muito produtiva, durando quase três horas.
Vereador José Mendonça Dantas
Beto Fonseca justificou o fato do uso do combustível como um erro contábil, inclusive informou que a empresa de contabilidade contrata em 2013 não teve o seu contrato renovado. Chegou a dizer que o erro foi absurdo. Até que estava indo bem, mas caiu na tentação dos erros de administradores anteriores de criticar defeitos dos administradores antecessores. Foi aí que atiçou o vereador Mendonça e o vereador Doriedson, autor da denúncia. Usaram a tribuna e contestaram Beto Fonseca. Com a entrada do Dr. Adelmo, Procurador do município, houve uma tentativa de equilibrar o jogo. Ao final, entre mortos e feridos, a história ficou sem o herói porque parece que ainda não terminou. A oposição não deve dar trégua, mas os governista devem insistir na hipótese do erro.
Enquanto Doriedson e Mendonça batiam, Giomar se mantinha calado. O vereador Claudivan não compareceu. O vereador José Clovis se esforçava para defender o governo. O cenário não era muito diferente das sessões anteriores, mas Ildinho saiu no lucro porque cumpriu o chamamento da Câmara e se livrou parcialmente do problema. A questão é que ainda não se pode dizer que a coisa chegou ao fim, mas a situação é melhor que antes para o governo municipal. 
Após as discussões, foi aprovada a urgência do Projeto de Lei de reajuste do piso dos professores. Cautelosa, Ana Dalva apresentou o projeto ao presidente do SINDHELI, professor Gilvândio, que deu o OK. Os vereadores aprovaram a urgência e a tramitação se deu dentro do esperado. Todas as votações foram por unanimidade, duas sessões extraordinárias foram convocadas em seguida e a Lei seguiu para sanção do prefeito Ildefonso Andrade Fonseca. Na folha deste mês, os professores já receberão com o aumento de 8,32% e a diferença do mês de Janeiro.