Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

PPS, PSB e Rede passam a elaborar programa de governo de Eduardo Campos

PPS, PSB e Rede passam a elaborar juntos programa de governo de Eduardo Campos. Campos e Marina foram a sede do PPS entregar diretrizes de programa  

A direção do PSB e da Rede Sustentabilidade, capitaneadas pelo governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e pela ex-senadora Marina Silva reuniram-se, na sede do PPS, com o presidente do partido, deputado Roberto Freire (SP), com o líder da legenda na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), parlamentares e outras lideranças políticas para entregar o documento contendo as diretrizes iniciais que vão compor o programa de governo da aliança.
A partir dessa iniciativa, o PPS passa a participar, oficialmente, da elaboração do programa de governo de Campos. No encontro, o governador pernambucano lembrou que o PCB/PPS e o PSB já travaram muitas lutas juntos no passado e afirmou que os dois partidos sempre tiveram muita proximidade. Segundo o governador e pré-candidato a presidente, as ideias do documento estão colocadas em debate, que será fundamentado em três pontos principais: preservar as conquistas, melhorar a democracia e retomar o desenvolvimento sustentável, já que, na sua avaliação, o país parou. “Nossa dinâmica econômica está muito menor do que a do mundo”.
Mudança
Campos voltou a condenar o modelo de desenvolvimento econômico do governo do PT, falou sobre seu esgotamento, a concentração de renda que ele gera e a existência de “indicadores preocupantes”. Segundo o governador, a união do PSB com o PPS significa o “realinhamento do campo progressista”. Ao se referir ao governo petista declarou: “O que está aí não vai legar nada de bom para o país; se eu estivesse convencido de que a continuidade era boa para o país estaríamos caminhando juntos (com o PT)”.
O governador afirmou ainda que sabia que iria encontrar o PPS na sua jornada rumo ao Palácio do Planalto, “ajudando a encontrar o caminho” do que é possível empreender para melhorar a vida dos brasileiros. “Estamos confiantes de que o Brasil não vai querer a reeleição, por mais que eles (os petistas e seus aliados) tenham tempo de televisão (na campanha) e poder”. Campos deixou claro também que espera compartilhar com o PPS não só o programa de governo, mas as alianças nos estados.
A ex-senadora Marina Silva ressaltou que o país vive um “atraso na política governamental” e disse que é preciso buscar conquistas possíveis. Ela defendeu a aliança programática da pré-candidatura de Eduardo Campos e condenou as composições políticas baseadas na “oferta de pedaços do Estado”.
Roberto Freire
“Tínhamos uma ideia na origem e estamos reencontrando essa ideia de tentar mudar o Brasil”, disse o deputado Roberto Freire ao receber o documento das mãos de Eduardo Campos, referindo-se à aposta que um dia o PPS fez no governo do PT. O partido rompeu com a administração Lula em 2004. Segundo Freire, o que levou o PPS a buscar a aliança com Campos foi a premência de viabilizar uma alternativa para o Brasil.
Segundo o presidente do PPS, o país enfrenta estrangulamentos, e é necessário “tomar outra direção”. Na avaliação de Freire, a eleição presidencial de 2014 “será presidida pelo princípio da mudança”. Ele ressalvou, porém, que não basta o novo pelo novo, e citou o caso da prefeitura de São Paulo como exemplo de mudança para pior. “A liderança de Eduardo Campos demonstra que essa aliança busca uma mudança com responsabilidade”.
Freire disse ainda que Eduardo e Marina são “muito bem-vindos e que o PPS vai ajudar no programa de governo por meio da Fundação Astrojildo Pereira, dirigida pelo vereador Raul Jungmann, de Recife. “A mudança concreta aqui se inicia”, afirmou ao final do encontro.
Participaram do encontro no PPS os deputados federais do PPS Arnaldo Jardim (SP), Stepan Nercessian (RJ) e a deputada Carmen Zanotto. Também estavam presentes a deputada distrital e pré-candidata ao governo do Distrito Federal, Eliana Pedrosa; o vice-prefeito de Manaus e pré-candidato ao governo do Amazonas, Hissa Abrahão; o deputado estadual licenciado e secretário de Gestão Pública do Estado de São Paulo, Davi Zaia; o tesoureiro do partido e secretário de Pesca de Alagoas, Regis Cavalcante; e o dirigente do PPS-SP Carlos Eduardo Fernandes. Dentre os representantes do PSB, estavam o senador Rodrigo Rollemberg (DF), o líder do partido na Câmara, deputado Beto Albuquerque (RS), e o prefeito de Recife Geraldo Júlio.
Diretrizes lançadas
Eduardo Campos e Marina Silva apresentam as Diretrizes de um futuro governo
O PSB de Eduardo Campos e a Rede Sustentabilidade de Marina Silva lançaram na manhã desta terça-feira (4) em Brasília as diretrizes para o programa de governo da coligação, ocasião em que Marina afirmou de forma categórica que o candidato à Presidência é o governador de Pernambuco.
"Vice é o candidato quem define, e o candidato é ele [Campos], vocês têm ainda alguma dúvida disso?", disse a ex-senadora, que em outubro aderiu ao projeto do PSB após ver fracassar a tentativa de criação de sua própria legenda, a Rede. A declaração de Marina, que figura na frente de Campos nas pesquisas eleitorais, foi em resposta à pergunta sobre se já aceitou ser vice na chapa presidencial do atual governador de Pernambuco. Antes do lançamento das diretrizes, que está sendo realizado em um auditório da Câmara dos Deputados, Marina e Campos foram à sede do PPS oficializar o convite para que o partido integre a coligação. Ao chegar à Câmara, Campos brincou sobre a questão da vice. "Tenho que ver com a Marina o que ela disse para saber o que ela quer que eu diga." Ao seu lado, Marina emendou: "Tudo o que [os repórteres] quiserem colocar na minha boca, eu nego."
O documento com as diretrizes da aliança listam cinco prioridades de governo da dupla, caso sejam eleitos: 1) "Estado e democracia de alta intensidade"; 2) "Economia para o desenvolvimento sustentável"; 3), "Educação, cultura e inovação"; 4) "Políticas sociais e qualidade de vida" e 5) "Novo urbanismo e pacto pela vida". O documento faz considerações genéricas sobre esses temas e servirá de base para discussões regionais que formatarão o projeto final de governo. Na introdução do documento, Campos e Marina, que foram aliados da gestão federal do PT – Marina até 2008; Campos até setembro de 2013– afirmam que "o modelo esgotou-se a olhos vistos, mas as forças políticas que o operam esforçam-se para mantê-lo".
SÃO PAULO
Apesar do discurso de unidade entre Marina e Campos, há várias divergências na montagem dos palanques estaduais, especialmente em São Paulo, onde a Rede quer uma candidatura própria apesar de o PSB negociar o apoio à reeleição de Geraldo Alckmin (PSDB). Marina explicitou nesta terça esse cabo de força: "O entendimento da Rede em São Paulo é que temos que ter candidatura própria, pelas inúmeras razões que são conhecidas". 
Informações da Assessoria de Imprensa do PPS e da Folha de São Paulo.