Exclusivo!

Presidente do OAB-SP critica lentidão da Justiça

'Temos juízes com férias de 60 dias e outros que não trabalham de segunda e sexta', diz presidente da OAB-SP sobre lentidão da Just...

Novidade

domingo, 29 de dezembro de 2013

Você acha que paga muito Imposto de Renda? Vai piorar!

Nova tabela do IR reduz poder de compra do trabalhador. Este é o 18º ano seguido que a tabela sofre reajuste abaixo da inflação no país
Começa a valer a partir de 1º de janeiro de 2014 a nova tabela do Imposto de Renda deduzido na fonte. Os valores foram corrigidos em 4,5% em relação aos de 2013. Este é o 18º ano seguido que a tabela sofre reajuste abaixo da inflação no país, o que prejudica o poder de compra dos trabalhadores. A defasagem no período chega a 66%. Em dezembro, o IPCA-15 -prévia da inflação oficial no país- mostrou que a alta acumulada deve ficar em torno de 5,85% em 2013. O valor é bem superior ao centro da meta de inflação estipulada pelo governo, de 4,5%, que é usada como referência para o reajuste da tabela do IR na fonte. Os preços, no entanto, têm subido mais do que esse patamar desde 2010. E, para 2014, as projeções se mantêm elevadas. Segundo o último relatório Focus, do Banco Central, o mercado espera aumento de 5,97% para a inflação no próximo ano.
Na prática, a correção percentual da tabela do IR menor do que o avanço do índice oficial de preços faz com que a inflação sirva de instrumento para ampliar a imensa carga tributária no Brasil. Por conta disso, o Sindifisco (Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal) quer apresentar um projeto de lei que pretende diminuir a diferença entre a correção da tabela do IR e a inflação dos últimos anos. “Já temos apoio de quatro deputados que levarão o projeto à votação em 2014”, diz Pedro Delarue, presidente do Sindifisco. De acordo com João Carlos Gonçalves, secretário-geral da Força Sindical, a entidade também vai manter seus esforços em 2014 para que o governo adote uma nova fórmula de correção.
Mudanças
De acordo com a nova tabela do IR, ficam isentos do pagamento os trabalhadores que recebem até R$ 1.787,77 mensais -atualmente ficam liberados da cobrança quem ganha até R$ 1.710,78. Confira a tabela abaixo.
Base de cálculo mensal - em R$
Alíquota -  em %
Parcela a deduzir do imposto -  em R$
Até 1.787,77
Isento
 -
De 1.787,78 a 2.679,29
7,5
134,08
De 2.679,30 a 3.572,43
15
335,03
De 3.572,44 a 4.463,81
22,5
602,96
Acima de 4.463,81
27,5
826,15

 Informações da FOLHAPRESS, via CORREIO.