Exclusivo!

Poço Verde nega título a Lula. E daí?

A cegueira ideológica impede a transformação real da sociedade (foto: porvir.org.) Dizem que o Brasil está tão dividido que é preciso ...

Novidade

domingo, 29 de dezembro de 2013

Dilma que ganhar eleição com Minha Casa, Minha Vida

A foto comprova que o programa é bom onde há fiscalização da aplicação dos
recursos. Ocorre que o seu uso eleitoreiro e a corrupção podem comprometer
sua função social. Em Heliópolis, por exemplo, as primeiras casas do programa
foram inauguradas sem calçamento, sem passeio, sem água e sem luz. Até hoje
nenhuma resposta foi dada ao uso indevido dos recursos.
O governo do PT não está preocupado com o futuro do país, mas com a futura reeleição de Dilma Rousseff. Prova são os programas sociais lançados. Depois do Minha Casa Melhor, é a vez do repaginamento do programa Minha Casa, Minha Vida, uma das apostas de sua campanha à reeleição. Ela planeja ampliar o valor máximo do imóvel financiado - que hoje está em R$ 190 mil - para beneficiar mais uma parcela da classe média.
Na terceira fase do programa, a ser lançada neste ano eleitoral, a ideia é facilitar a compra da casa própria por jovens casais, principalmente em regiões metropolitanas. A meta da nova etapa é construir 3 milhões de moradias até 2017. Até agora, o Minha Casa, Minha Vida já entregou cerca de 1,4 milhão das 3,7 milhões de unidades contratadas desde 2009, quando o programa foi anunciado, ainda no governo Lula.
Dilma procura uma forma de aumentar as faixas de renda dos beneficiários do Minha Casa, Minha Vida - que atualmente vão de R$ 1,6 mil a R$ 5 mil - , reforçando a presença do plano de habitação em centros urbanos, como São Paulo, Rio e Belo Horizonte. Isto pode até contribuir para diminuir o déficit habitacional, mas será mais uma oportunidade para os corruptos de plantão. Já há inúmeros casos de desvios de recursos do programa para o ralo da corrupção.
Disposta a recuperar a popularidade perdida desde os protestos de junho na chamada "nova classe média", a presidente encomendou estudos ao Ministério das Cidades e aos bancos públicos para pôr o programa de pé. Pesquisas em poder do Palácio do Planalto mostram que a imagem da presidente não foi totalmente reabilitada entre eleitores com renda de R$ 1.356 a R$ 3.390 (dois a cinco salários mínimos) nem entre o público jovem, de 16 a 29 anos, e de áreas urbanas. Embora a aprovação de Dilma tenha melhorado na faixa dos menos escolarizados e mais pobres, em especial no Nordeste, a maioria dos entrevistados ainda pede "mudanças" e "coisas diferentes". Ou seja, Dilma pratica o popular “é dando que se recebe”, transformando oficialmente a máquina pública como instrumento da reeleição.
Novos protestos
O Planalto teme novos protestos perto da Copa do Mundo, em junho de 2014, e prepara antídotos para evitar manifestações de rua contra Dilma, nesse ano eleitoral. Além da terceira fase do Minha Casa, Minha Vida estão no radar do governo o reforço do Mais Médicos e do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), pelo qual a presidente disse estar "fissurada". A equipe de Dilma quer evitar que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e o senador Aécio Neves (PSDB), seus prováveis adversários em 2014, capitalizem as insatisfações com os serviços públicos. Ao slogan da oposição, na linha do "fazer mais e bem feito", ela reage dizendo que é preciso "seguir mudando". "Nós fizemos uma política de transferência de renda, uma de valorização do salário mínimo, uma de aumento de emprego. E o que aconteceu? Criamos uma classe média nova, que hoje quer mais e melhor serviço. Isso ocorre em qualquer país do mundo", afirmou Dilma em café com jornalistas, há onze dias.
Na defesa da terceira etapa de seu "trunfo" habitacional, o governo alega ainda que, a cada R$ 1 milhão investido no Minha Casa, Minha Vida, 32 postos de trabalho são mantidos, provocando uma renda extra de R$ 744 mil na construção civil. Segundo o Ministério das Cidades, o programa sustentou 1,3 milhão de empregos, em 2013. Claro, ela não tratou dos recursos desviados. Na prática, uma das estratégias do governo para consolidar a votação de Dilma é combinar medidas destinadas à "nova classe média" com uma mensagem de ajuste fiscal rigoroso, palatável aos eleitores mais endinheirados. O sinal mais forte de que metas de crescimento e de superávit primário são prioridades será dado em janeiro de 2014, quando Dilma comparecerá ao Fórum Econômico Mundial, em Davos. Será a primeira vez, desde sua eleição, que ela irá ao encontro dos mais importantes líderes políticos e econômicos do planeta, na Suíça.
Com texto básico de Vera Rosa e Murilo Rodrigues Alves, de O Estado de S. Paulo.