Exclusivo!

Rede com nova direção na Bahia

Os novos dirigentes da Rede na Bahia (foto: Landisvalth Lima) O partido Rede Sustentabilidade elegeu neste domingo (10) a sua nova com...

Novidade

sábado, 23 de novembro de 2013

Edmeia Torres, Chapa 1, pode concorrer sozinha ao STRH

Edmeia Torres pode ser candidata única ao STRH
A eleição do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Heliópolis está indefinida. A Comissão Eleitoral, pressionada pelas Chapas 1 e 3, que tiveram os seus registros indeferidos, resolveu também indeferir o registro da chapa de Juarez Carlos. Esta última estava com um associado inadimplente, mesmo caso da chapa 3. A chapa 1 também foi impugnada por apresentar nome para a Secretaria da Juventude com idade de 32 anos, o limite. Para a Comissão Eleitoral, ela só tem 32 anos até o dia que completa os 32 anos! No dia seguinte já são 32 anos e um dia! A chapa substituiu o nome de Rubismara pelo de Márcio Serafim e foi dado como inadimplente. A Comissão eleitoral nem mesmo esperou o prazo de impugnação e já indeferiu toda a Chapa 1. Seria trágico se não fosse cômico. Fato é que, sem chapas para concorrer, virou um imbróglio jurídico. Está marcada para o dia 15 de Dezembro e não há ninguém concorrendo. Isso só ocorre na Bahia, e, em especial, em Heliópolis.   
A esperança será a medida judicial que Dra. Thais da Paixão e Dra. Teresa Cristina deram entrada na Justiça do Trabalho, em Euclides da Cunha, pedindo o deferimento do nome de Rubismara, Secretária da Juventude da Chapa 1, e consequentemente de toda a CHAPA. Ela deve acrescentar os últimos fatos ao documento, que deverá ser analisado na semana que vem, para que o juiz tome a decisão mais sábia. É possível imaginar que o magistrado possa manter o direito de a Chapa 1 concorrer. Dessa forma, poderá estar sozinha na eleição
O que se percebe é que Juarez não quer disputar porque pensa que perderá a eleição. Na dúvida, quer melar o processo para ver se consegue concorrer sozinho. Prova disso foi um acordo solicitado pela Comissão Eleitoral. Todas as chapas seriam validadas e o processo eleitoral seguiria normalmente. A Chapa 1 e a Chapa 3 aceitaram, desde que fosse criada uma Comissão Eleitoral Especial, com 1 membro de cada chapa, para assessorar todo o processo. Além disso, ambas as chapas pediram o afastamento imediato do Dr. Joel, que, segundo os concorrentes, vem melando todo o processo com artimanhas que beneficiam tacitamente a Chapa 2. Está claro que Juarez Carlos não aceitou e a Chapa 1 vai continuar com o processo na justiça e pode virar chapa única.
Verdade x Política
Não esperem compreensão de um grupo de políticos que vivem do sangue do poder. São carrapatos e não possuem a mínima consciência política. Inconformados com a chuva de insatisfação que paira sobre o governo de Ildefonso Fonseca, colocaram em cena uma prática que eles acham infalível: desqualificar o denunciante. Elegeram o professor Landisvalth Lima e a vereadora Ana Dalva como os vilões da história. Vivem por aí espalhando boatos estarrecedores. Este professor é um condenado, deve mais de 20 mil ao ex-prefeito, tem filho drogado, vai ser processado e há até ameaças de morte. De Ana Dalva falam que abrirão processo envolvendo o carro da Câmara e que vão cassar o mandato dela etc. Eles não escrevem em nenhum lugar. Não colocam os nomes de ninguém. Apenas espalham a notícia nos bares e esquinas da cidade. Sempre haverá alguém que, por motivos vários, acredita. Essa boataria não tira meu sono. Uma vez chegaram a dizer que uma filha minha havia sido presa envolvida numa quadrilha de traficantes. Na hora exata em que disseram que ela estava presa, estudava em sala de aula na universidade. O que verdadeiramente me dá dor de cabeça é a administração municipal, que parece não desejar uma transformação, e o silêncio dos que estiveram em minha casa pedindo renúncia de Ana Dalva à candidatura a prefeito e apoio a Ildinho Fonseca, prometendo lutar conosco para que Heliópolis voltasse a sorrir. Alguns deles chegam até a afirmar que evitam falar comigo. Um até afirmou: “Landisvalth fala verdades demais. É preciso agora fazer política.” Nunca pensei que estas duas palavras formassem um par antitético.