Exclusivo!

Polícia Militar faz cerco a veículos irregulares

Sargento PM Cunha palestra no CEJDS (foto: Landisvalth Lima) O comandante do destacamento da Polícia Militar de Heliópolis, Sargento C...

Novidade

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Mais um jornalista é executado

Assassinato de jornalistas está virando rotina no Brasil. Diretor de jornal é morto com 44 tiros no Rio.
José Roberto foi executado
A liberdade de imprensa no Brasil está longe de ser uma atividade sem risco. Aqui, os jornalistas estão sendo abatidos por grupos organizados que roubam os cofres públicos. Enquanto a Justiça demora na efetivação de prisões de crimes relacionados a assaltos aos cofres públicos, os jornalistas estão virando alvos fáceis nas pontarias dos revólveres dos corruptos. O último crime aconteceu na Baixada Fluminense. O jornalista José Roberto Ornelas de Lemos, 45, foi morto após ser atingido por 44 tiros em Nova Iguaçu. Lemos era diretor e filho do dono do jornal "Hora H".
De acordo com policiais da 58ª Delegacia de Polícia, o crime aconteceu por volta das 20h de terça-feira (11) no bairro de Corumbá. Lemos, que era casado e não tinha filhos, foi atingido pelos disparos quando estava sozinho na Padaria do Rocha. Um dos repórteres do jornal, Ivan Teixeira, disse à polícia que ele vinha recebendo ameaças devido a reportagens que fazia no jornal. Ele denunciava irregularidades em prefeituras e, também, sobre o crime organizado, inclusive conduzidos por milícias. Os autores dos disparos, segundo testemunhas, foram quatro homens encapuzados que ocupavam um Volkswagen Gol cinza. "Ele costumava ir naquela padaria, mas tinha tempo que não ia lá. O carro com os quatro suspeitos já tinha dado duas voltas pela região quando Lemos chegou e foi baleado", disse Teixeira, que também sofre ameaças frequentes de morte. O empresário chegou a ser transferido para o Hospital da Posse, mas não resistiu. O caso será investigado pela polícia.

Informações de DENISE LUNA – da Folha de São Paulo.