Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Papa condena “hipocrisia religiosa” e é aplaudido


Na última missa aberta ao público, Bento XVI criticou a "hipocrisia religiosa" de quem procura apenas "aplausos ou aprovação". Ao final, o papa deixou a sala aplaudido pelos fiéis que lotaram a Basílica de São Pedro
JULIANO MACHADO – da revista ÉPOCA
Papa Bento XVI celebrou nesta quarta-feira sua última missa aberta
ao público
(Foto: AP Photo/Gregorio Borgia)
A quinze dias de formalizar sua renúncia, o papa Bento XVI celebrou nesta quarta-feira (13), na Basílica de São Pedro, sua última missa aberta ao público. Na cerimônia da Quarta de Cinzas, que marca o início da Quaresma, Bento XVI se despediu deixando um recado indigesto. Em sua homilia, criticou a “hipocrisia religiosa” de quem procura apenas “aplausos ou aprovação”. “O verdadeiro discípulo não serve ao ‘público’, mas sim ao Senhor, pela simplicidade e generosidade”, disse o papa. Em seguida, afirmou que “a divisão eclesiástica está deturpando a Igreja, e é obrigatório superar as rivalidades”.
Durante a missa, ficou evidente que o papa está com a saúde debilitada. A voz era frágil e cansada, e ele pouco se movimentou na cerimônia – chegou ao altar e saiu em um púlpito móvel, sem caminhar pelo corredor central. No entanto, o tom de seu discurso é mais do que suficiente para mostrar que sua renúncia não está apenas relacionada às condições físicas. Bento XVI estava em meio a uma disputa interna de poder, já sem o apoio de seu então braço-direito, o secretário de Estado do Vaticano, Tarcisio Bertone. Segundo “vaticanistas” italianos, Bertone começou a tomar decisões por conta própria no funcionamento administrativo da Santa Sé, e entre outras interferências, estaria dificultando a punição de cardeais acusados de envolvimento ou omissão de casos de pedofilia. Isolado e enfraquecido pela idade, o papa talvez tenha visto que o melhor a fazer era obrigar o Colégio de Cardeais a realizar novas eleições, em uma tentativa de reorganizar a casa.
A última celebração de Bento XVI como papa lhe reservou uma ironia. Depois de criticar aqueles sedentos por aplausos, ele mesmo foi aplaudido por mais de dois minutos. Tarcisio Bertone tomou a palavra para dizer que a “Igreja sentia uma grande tristeza em seu coração” diante da renúncia, que ele definiu como um “iluminado exemplo de simplicidade e humildade”. As palmas dos fiéis que lotaram a basílica (havia filas desde o início da manhã para a cerimônia, que começou às 17h) só foram interrompidas pelo próprio papa. Aparentemente não muito tocado pelo agradecimento de Bertone, disse “obrigado, retornemos às orações”. Minutos depois, ao passar pelo corredor central no fim da missa, novos aplausos e muita gente subindo até nas cadeiras de plástico colocadas para o público, na tentativa de ver de perto o tímido aceno de Bento XVI. Foi o adeus para o público, mas as palavras amarguradas do futuro ex-papa continuaram a repercutir nos corredores do Vaticano.