Exclusivo!

TCE fará evento no CEJDS

TCE quer alunos praticando cidadania (foto: divulgação)      O Tribunal de Contas do Estado da Bahia – TCE – está desenvolvendo o pr...

Novidade

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Incrível! Justiça demora 40 anos para efetivar um direito!


Alagoanos conseguem cursar faculdade 40 anos depois de aprovados. Só no Brasil, na época da Ditadura Militar, nomes de pessoas são retirados de uma lista de aprovados num vestibular sem maiores explicações.
Margarida Guerra- 40 anos depois - vai cursar Medicina
A última terça-feira, 29 de janeiro, foi um dia muito especial para a alagoana Margarida Dorvillé Guerra, de 58 anos, e o alagoano Raimundo Alencar, de 65. Eles conseguiram na Justiça o direito de ingressar na universidade, 40 anos depois de terem sido aprovados no vestibular de 1973. Margarida e Raimundo passaram no vestibular para o curso de Medicina da antiga Escola de Ciências Médicas de Alagoas (Ecmal) – hoje Universidade de Ciências da Saúde de Alagoas (Uncisal) – em 1973, mas foram impedidos de cursar, sem nenhuma explicação concreta. Era o tempo da ditadura militar. Seus nomes foram retirados da lista dos matriculados. Outras duas pessoas foram colocadas no lugar deles, sem nenhuma explicação. Segundo o advogado de dona Margarida, o seu filho Fernando Guerra Filho, a mãe foi preterida do curso em favor de outra pessoa sem qualquer justificativa, mesmo com seu nome constando na lista dos alunos aprovados, com matricula devidamente efetuada e já tendo frequentado as aulas por dois meses. O mesmo ocorreu com Raimundo. “O nome da minha mãe simplesmente desapareceu dos registros da universidade e o de outra pessoa foi colocando no lugar”, explicou Guerra, em entrevista ao Jornal da Pajuçara Noite, da TV Pajuçara. “Isso aconteceu na época da ditadura, quando não havia direitos, regras ou parâmetros precisos e assegurados pelo regime militar para o ingresso na universidade.” A saga de quarenta anos de Margarida e Raimundo só terminou em novembro de 2012, quando a Justiça finalmente deu ganho de causa aos dois e determinou o reingresso de Margarida e Raimundo na universidade, concretizando uma decisão inédita no país. Nesta terça-feira pela manhã, eles foram cumprir a etapa final: fazer a matrícula na Uncisal. “Praticamente não dormi”, disse Margarida à TV Pajuçara. “É uma felicidade enorme. Estou ansiosa como uma acdadêmica que passou agora”. Raimundo Alencar também não escondia a satisfação. “É um sonho que vai se realizar”. Ele cursou Direito, interrompeu por causa do trabalho, depois retornou e vai concluir este ano. Agora, quer cursar Medicina. “Não é fácil para uma pessoa na minha idade, mas vou tentar. A Justiça tarda mas não falha”. Diante disso, resta-nos comemorar a efetivação do direito adquirido, a luta persistente pela busca de um bem conquistado, mas, ao mesmo tempo, lamentar tanta demora na efetivação de algo tão óbvio! Paga-se um preço muito alto pela manutenção do Estado de Direito no Brasil.
Com informações e redação básica do UOL.