Exclusivo!

Poucas & Boas 2017.3

2020 já começou? Alguns políticos de Heliópolis precisam saber que 2020 só começa após 2018. Ou seja, os resultados de 2018 podem in...

Novidade

sábado, 15 de dezembro de 2012

Atirador matou a mãe, 26 pessoas e cometeu suicídio


Irmão de Adam contou que atirador tinha distúrbios psiquiátricos. Mãe do jovem, que também foi morta por ele, colecionava armas
Denise Chrispim Marin, correspondente de O Estado de São Paulo
A tragédia vitimou 28 pessoas
WASHINGTON - Sob o impacto da tragédia de Newtown, a polícia de Connecticut e a imprensa americana passaram o sábado tentando recolher informações sobre Adam Lanza, o autor do assassinato de sua mãe, do massacre de 26 pessoas na escola Sandy Hook e de sua própria morte. Os indícios colhidos até o final da manhã deste sábado, 15, apontavam para uma combinação conhecida em outros episódios trágicos nos Estados Unidos - distúrbio mental e acesso a armas. A polícia apurou que o atirador forçou sua entrada no prédito, segundo o jornal norte-americano The New York Times. "Esperamos traçar um panorama completo explicando como e por que", disse Lt. J. Paul Vance, porta-voz da Polícia de Connecticut sobre as evidências encontradas no local. Ele iniciou o massacre na casa dele, que ficava perto da escola, onde matou sua mãe Nancy Lanza com um tiro no rosto, segundo a polícia. Ele então seguiu até a escola primária Sandy Hook usando o carro da mãe e usando roupas de combate, armado com pistolas e rifles semiautomáticos e forçou sua entrada no prédio. Ainda segundo a polícia, Lanza escolheu as vítimas com uma eficiência brutal. As crianças se esconderam nos armários, banheiros e em cantos das salas de aula, mas o atirador atirou em todas elas. Um bedel correu pelos corredores alertando a todos sobre o atirador e alguém ativou o autofalante da escola, avisando mais pessoas e salvando vidas. As vítimas já "foram identificadas pelos legistas", mas ainda restam alguns trâmites para que suas identidades sejam divulgadas, afirmou o tenente Paul Vance, da polícia estadual de Connecticut, em entrevista coletiva. O tenente Paul Vance, da polícia estadual de Connecticut, disse que uma vez que os legistas concluam a parte burocrática de sua tarefa, será divulgada uma lista oficial com os nomes de todas as mortes, incluindo o atirador.
Família
À polícia, o irmão de Adam, Ryan Lanza, disse que o irmão tinha distúrbios psiquiátricos, informou uma fonte da investigação à agência Associated Press. O Washington Post trouxe hoje a informação de que a mãe de Adam e sua primeira vítima, Nancy, colecionava armas. O atirador carregava consigo duas pistolas semiautomáticas quando ingressou na escola, recebido pela própria diretora, Dawn Hochsprung, outra de suas vítimas. Ele deixara no carro um fuzil e trazia consigo o documento de identidade do irmão, o contador Ryan, quatro anos mais velho, o que provocou a confusão inicial sobre a identidade do atirador. De acordo com a imprensa local, Adam teria se formado em 2010 na Newtown High School. Antigos colegas o descreveram como um jovem inteligente, mas inquieto e com poucos amigos. Vizinhos e colegas de Adam na escola recordaram do antigo colega como um menino tímido, do tipo que não olha nos olhos das pessoas quando fala e de difícil socialização. Mas fazia parte do clube de tecnologia, tinha especial interesse em computadores e era reverenciado como o gênio da classe.
Pânico
Adam tinha problemas psicológicos
Ao Washington Post, o vizinho Ryan Kraft, de 25 anos, lembrou que Nancy Lanza o deixara várias vezes em sua casa quando a família saia para jantar fora porque ele brigava com o irmão. Quando garoto, ele parecia deprimido, birrento, mas não violento, segundo o vizinho. Não há evidências precisas sobre qual distúrbio Adam sofria. Vários vizinhos e conhecidos ouvidos pelo New York Times mencionaram ter ele a Síndrome de Asperger, uma espécie de autismo. Aparentemente, o processo divórcio de Nancy e Peter Lanza, concluído em 2009, teve impacto na saúde mental de Adam. Peter é vice-presidente da GE Energy Financial Services e mora na cidade de Stamford, também em Connecticut, com sua nova família. O irmão Ryan também deixou o convívio de Adam e Nancy para morar em Hoboken, em Nova Jersey. No ataque que matou 20 crianças e 7 adultos na escola de Newtown, Adam atirou em alunos de duas salas. De todas as suas vítimas, apenas uma sobreviveu e está internada no Hospital de Danbury. Das crianças mortas, 18 morreram na escola e outras 2 no hospital. O armamento - uma Glock e uma Sig Sauer - na escola e um fuzil Bushmaster 223 estavam registradas em nome da mãe. Segundo a polícia de Connecticut, todas as vítimas já foram identificadas, mas seus nomes não serão divulgados para preservar a privacidade das famílias.
O ataque
A polícia de Newtown recebeu um chamado de emergência às 9h30 (12h30, no horário de Brasília) da Sandy Hook Elementary School, onde estudam cerca de 626 crianças e adolescentes, segundo o tenente da Polícia de Connecticut, J. Paul Vance. Uma equipe da Swat foi enviada para reforçar a resposta policial. A chegada da polícia permitiu a retirada da escola das crianças em pânico e desagasalhadas, apesar da temperatura abaixo de zero. Já do lado de fora, professores tremiam e choravam. Todos tiveram antes de passar por uma revista. O pânico envolveu os alunos e os professores e funcionários da escola. Ivonne Cech, uma bibliotecária da Sandy Hook, disse ter se trancado por 45 minutos em um armário com 18 alunos da quarta série – todos ao redor de 10 anos de idade – com dois balconistas e um assistente. "Uma equipe da polícia nos encontrou e nos retirou da escola", disse a bibliotecária ao The New York Times. Na noite de sexta, a população da pequena cidade se reuniu nas igrejas locais para rezar pelos mortos. De acordo com a rede de televisão CNN, a cidade de Newtown registrou apenas um assassinato nos últimos 10 anos.