Exclusivo!

Mais duas mortes trágicas em Heliópolis

Mariza Alves sofria de asma Adriano faleceu em acidente A cidade de Heliópolis tem vivido uma das maiores epidemias de mortes de...

Novidade

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Romildo, prefeito eleito de Cipó, denunciado por compra de votos


Caso a Justiça acate o pedido do MP, prefeito, vice e vereadores podem ter seus registros cassados.
Da Redação do CORREIO
Romildo - prefeito eleito de Cipó
O Ministério Público estadual denunciou nas esferas cível e criminal Romildo Ferreira dos Santos, prefeito eleito de Cipó, a 240 km de Salvador. O vice-prefeito eleito, Carlos Roberto Silva; o vereador eleito Vinícius Antônio Silva Santos; o ex-vereador Gilberto Onofre Gonçalves Anunciação; além dos candidatos não eleitos Anderson Fonseca Souza e Pedro Francisco dos Santos também foram denunciados. Segundo o promotor de Justiça Pablo Antônio Cordeiro Almeida, os acusados integram uma quadrilha que utilizou o sisal para corromper eleitores, a chamada “Quadrilha do Fiapo”. Caso a Justiça acate o pedido do MP, os candidatos eleitos podem ter seus registros cassados. Investigações realizadas pelo MP constataram que mais de 500 votos foram comprados pela quadrilha, que utilizava como moeda de troca a fibra do sisal resultante das sobras de tecidos da indústria têxtil. O material, conhecido como fiapo, é muito utilizado na cidade, sobretudo pela indústria moveleira e por artesãos.
Cada eleitor corrompido recebia de 20 a 100 kg de fibra e, além do fiapo, a quadrilha distribuía materiais de construção e dinheiro em espécie. Para comprovar os crimes, o MP requereu o cumprimento de mandados de busca e apreensão, que acabaram por apreender grande quantidade de fardos de fiapo. Dentre os eleitores surpreendidos com o material, alguns chegaram a confessar o crime. Além da denúncia criminal, Pablo Almeida representou contra os acusados por captação ilícita de sufrágio, requerendo a cassação do registro dos candidatos eleitos, a cassação do diploma e a aplicação de multas. Caso a ação seja julgada procedente antes da diplomação, os candidatos eleitos podem nem mesmo tomar posse. Caso o julgamento seja condenatório e ocorra após a diplomação, os candidatos podem perder os cargos conquistados nas urnas.