Exclusivo!

Vereador é multado e devolverá mais de 13 mil à Câmara de Heliópolis

Giomar Evangelista recebeu subsídios indevidamente e vai ter que devolver  Bem que ele poderia ficar calado, mas, boquirroto e falastrã...

Novidade

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Professores do Estado não aceitam calendário duplo e anunciam paralisações


De acordo com o calendário divulgado pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC), o ano letivo de 2013 terá dois inícios.
Da Redação do CORREIO
Os professores recusaram calendário duplo

A proposta da APLB para 2013
Novo impasse na rede estadual de educação: professores rejeitaram ontem em assembleia a proposta do governo do estado de dois calendários letivos e prometem duas paralisações este mês: uma na próxima terça-feira, dia 20, e outra no dia 27. De acordo com o calendário divulgado pela Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC), o ano letivo de 2013 terá dois inícios. As aulas começam em março para as 1.076 escolas que vão concluir o ano letivo entre 13 de dezembro e 31 de janeiro. No restante das escolas, o ano letivo começará em abril. Neste grupo estão as instituições que vão concluir o ano letivo no período entre fevereiro e março. O finais em datas diferentes e o novo calendário com dois inícios  em 2013 é fruto da greve de 115 dias que os professores promoveram entre abril e agosto deste ano. Segundo a SEC, os calendários foram aprovados pelos colegiados escolares, que contam com participação de professores, servidores, pais e estudantes. No caso do Colégio Estadual José Dantas de Souza de Heliópolis não houve qualquer reunião do Colegiado neste sentido, já que este só funciona para satisfazer os desejos da 1ª dama e diretora do estabelecimento.
O Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado  (APLB) alega que o calendário duplo pode aumentar a evasão escolar, esvaziar as escolas que começam em abril (já que os estudantes optariam por se matricular nas que começam em março) e afetar as férias dos docentes que trabalham em duas escolas. Segundo a superintendente de acompanhamento e avaliação da rede escolar da SEC, Eni Bastos, as escolas tiveram períodos diferenciados de adesão à greve. “Tecnicamente é um absurdo você ficar defendendo a manutenção de um calendário único, quando se tem situações extremamente diferentes na rede”. (Dê um clique na imagem para ampliá-la)