Exclusivo!

Presidente do OAB-SP critica lentidão da Justiça

'Temos juízes com férias de 60 dias e outros que não trabalham de segunda e sexta', diz presidente da OAB-SP sobre lentidão da Just...

Novidade

terça-feira, 27 de novembro de 2012

77 municípios podem ter epidemia de dengue, 10 só na Bahia


Levantamento divulgado nesta terça-feira (27) pelo Ministério da Saúde indica que 77 municípios brasileiros estão em situação de risco para a dengue, inclusive a capital da Rondônia, Porto Velho. As áreas atingidas somam a população de 5,7 milhões de pessoas, mais de 3,9% dos imóveis pesquisados apresentam larvas do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti. Além disso, 375 cidades estão em situação de alerta para a dengue (índice de infestação entre 1% e 3,9%), enquanto 787 registraram índices considerados satisfatórios (menores que 1%). De acordo com dados revelados pela Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab), dez municípios baianos estão em estado de alerta e uma epidemia de dengue pode ocorrer neste verão na Bahia. “A possibilidade é concreta. A população ainda não está imune ao vírus com sorotipo 4 que tem circulado. A introdução desse sorotipo coloca toda a população em situação de suscetibilidade”, diz a superintendente de Vigilância e Proteção à Saúde da pasta, Alcina Andrade. Dez municípios baianos já estão em estado de alerta, segundo o Comitê Estadual de Prevenção à Dengue. São eles: Salvador, Feira de Santana, Guanambi, Ilhéus, Itabuna, Jacobina, Jequié, Senhor do Bonfim, Serrinha e Teixeira de Freitas. Juntas, estas cidades contabilizam 44,8% dos casos da doença no estado. A secretaria registrou até outubro deste ano 68.414 notificações de dengue, 27 óbitos e 211 casos confirmados da forma grave da doença, a dengue hemorrágica. Houve aumento do número de casos em comparação ao mesmo período nos dois anos anteriores. Em 2010 e 2011, foram registradas, respectivamente, 59.836 e 55.460 notificações. A pesquisa foi realizada em 1.239 municípios brasileiros. Segundo o Ministério da Saúde, no Nordeste, mais de 70% das larvas do mosquito se concentram em reservatórios de água. No Sudeste, mais da metade dos focos (59,2%) estão em depósitos domiciliares. No Sul e no Centro-Oeste, o problema maior é o lixo, enquanto no Norte há uma situação de equilíbrio entre o armazenamento de água e o lixo.
Informações do jornal A Tarde.