Exclusivo!

TCE fará evento no CEJDS

TCE quer alunos praticando cidadania (foto: divulgação)      O Tribunal de Contas do Estado da Bahia – TCE – está desenvolvendo o pr...

Novidade

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Canibais serão julgados por Justiça de Pernambuco

Corpo de uma das vítimas encontrado

A Justiça de Olinda (região metropolitana de Recife) vai iniciar nesta quinta-feira a primeira audiência contra os três acusados de matar, esquartejar e comer partes do corpo da adolescente Jéssica Camila da Silva Pereira, 17, morta em 2008. A audiência será realizada no Fórum Lourenço José Ribeiro, em Olinda, a partir das 13h no horário local (12h no horário de Brasília). De acordo com a assessoria do TJ, 20 testemunhas - de defesa e acusação - devem prestar depoimento hoje. Jorge Beltrão Negromonte da Silveira, 50, Isabel Cristina da Silveira, 51, e Bruna Cristina Oliveira da Silva, 25, também são suspeitos de cometer outros dois homicídios em Garanhuns (PE). A investigação policial concluiu que Jéssica foi degolada e esquartejada. Sua pele, ainda segundo a polícia, foi retirada. Pedaços de carne da vítima foram guardados na geladeira para ser consumidos pelo trio e também pela filha dela, à época com um ano de idade, que vivia com eles. Fragmentos do corpo da vítima foram encontrados em Olinda, na casa onde o grupo viveu antes de se mudar para Garanhuns, após passar pela Paraíba. Depois do crime, a criança foi registrada como sendo filha de Jorge e Isabel. Bruna, que era amante de Jorge, assumiu a identidade da adolescente, usando uma certidão de nascimento da vítima.
Em Garanhuns, segundo a polícia, o trio assassinou, esquartejou e consumiu a carne de mais duas mulheres, após atraí-las com promessas de emprego. Em abril, os corpos mutilados de Giselle Helena da Silva, 31, e Alexandra da Silva Falcão, 20, foram encontrados enterrados no quintal da casa em que os acusados viviam. Interrogados, os três confessaram os crimes. Isabel disse ainda que recheou empadinhas com carne humana e vendeu os salgadinhos na rua, por R$ 1. À polícia, eles afirmaram que pertenciam a uma seita, o "cartel", que matavam mulheres para controlar a população e que comiam a carne delas em ritual de purificação. Nenhum outro suposto integrante da suposta seita foi encontrado. As investigações também concluíram que não há mais vítimas do grupo em Pernambuco. Sete denúncias foram apuradas. Três pessoas foram encontradas vivas e, em um caso de homicídio, Jorge foi inocentado.
Um vídeo gravado mostra Isabel descrevendo como fazia os assassinatos e o preparo de salgadinhos de carne humana. Ela revela que o trio comeu 10 kg de carne humana entre três e cinco dias. "Bruna faz dieta, mas quando ela come carne como mesmo. Agora, eu já gosto mais de arroz e não como muita carne. Essa carne só durou pouco por causa da Bruna e da menina [filha de Jéssica, vítima do crime] porque elas gostam muito de carne. A menina não sabia, ela pensava que era carne comum". "Eu não comi muito a carne porque não sou de comer muito. Eu comi o fígado e alguns pedaços do corpo, mas não comi o coração", diz Isabel.
Informações da Folha de São Paulo.