Exclusivo!

Rede com nova direção na Bahia

Os novos dirigentes da Rede na Bahia (foto: Landisvalth Lima) O partido Rede Sustentabilidade elegeu neste domingo (10) a sua nova com...

Novidade

sábado, 21 de julho de 2012

ISTOÉ no rastro de Elize Matsunaga


     ISTOÉ revela os bastidores da vida, do crime e da farsa que Elize Matsunaga montou para se livrar da polícia após ter assassinado e esquartejado o marido
     Antonio Carlos Prado – da revista ISTOÉ.
FOTO INÉDITA
Marcos e Elize felizes no casamento, em 
julho de 2009: três anos depois, viria a tragédia
Foi no quarto da jiboia. Não foi na banheira nem foi na cama de casal king size como tanta gente pensou e tanta gente falou. Foi no quarto da jiboia que Elize Matsunaga esquartejou o seu marido, Marcos Kitano Matsunaga, após lhe dar um tiro na cabeça na noite de 19 de maio. O esquartejamento em seis pedaços se deu em um dos quartos de hóspedes do duplex no qual Elize e Marcos moravam, em um prédio no bairro da Vila Leopoldina, na zona oeste de São Paulo – e esse quarto de hóspedes cumpriu bem a sua função hospedando por bom tempo, em seus seis metros quadrados, uma jiboia de dois metros de comprimento. Essa história foi revelada à ISTOÉ na semana passada por diversos amigos e amigas que freqüentavam a residência do casal Matsunaga. ISTOÉ também teve acesso a diversos laudos, depoimentos e documentos inéditos que revelam detalhes sobre os bastidores da vida, do crime e da alucinada tentativa de fuga de Elize entre os dias 20 de maio e 4 de junho, quando foi presa pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa após investigação chefiada pelo delegado Mauro Dias e coordenada pelo delegado Jorge Carrasco, diretor-geral do DHPP. A existência da jiboia é importante porque ela foi um dos motivos que levou o casal a começar a viver uma rotina de brigas. Segundo amigos de Elize e Marcos, assim que engravidou ela não quis mais saber do animal, e aí foram nove meses de discussões até que Matsunaga se desfez da cobra quando a criança nasceu.
As mesmas pessoas íntimas do casal, que costumavam ir ao duplex de mil metros quadrados onde moravam o ex-diretor da Yoki e a bacharel em Direito, enfermeira e ex-garota de programa Elize, contaram também que ela lhes pediu indicação de médicos para submeter-se a tratamento hormonal uma vez que não conseguia engravidar. “Isso a irritava muito”, diz uma das fontes ouvidas por ISTOÉ. “Mas ficou muito feliz quando engravidou e se tornou uma amorosa e cuidadosa mãe.”
MARCOS E A AMANTE
Elize blefou quando disse que já tinha em
mãos esse vídeo provando a traição do marido
A presença do bebê deu novo alento à família e não há quem não relate que, nesse momento da vida, marido e mulher eram felizes. A história de ambos começou em 2004 quando se conheceram por meio do site de acompanhantes Mclass, dois anos depois Elize ingressou na faculdade de Direito e, mais três anos e meio, eles estavam casados. Amigos do tempo de universidade lembram que Elize ajudava financeiramente os colegas pobres, dava-lhes mesmo o dinheiro ao invés de emprestá-lo. Se alguém insistia em pagar-lhe o empréstimo, a moça pegava a quantia e a repassava imediatamente a outro estudante que dela necessitasse para honrar as mensalidades. Recordam-se também que Elize faltava bastante às aulas, viajando sempre de forma repentina, por dois ou três dias, e, de regresso, exibia fotos suas que alguém tirara – e nessas fotografias aparecia sempre desacompanhada. Reservada, Elize não costumava se abrir nem fazer os trabalhos solicitados pelos professores. Seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), por exemplo, versou sobre as mães barriga de aluguel e, segundo declarações colhidas por ISTOÉ, foi feito por outros alunos e “comprado” por Elize.
Segundo amigos próximos, Elize estava bem financeiramente. Ela teria se tornado dona de metade do duplex: Marcos lhe teria feito essa doação, embora a certidão de casamento aponte comunhão parcial de bens. Foi já com a filhinha quase a completar um ano, que despontou em Elize a desconfiança de que o marido tinha uma amante, garota de programa sete anos mais nova do que os 30 anos que ela tem, mas em contrapartida infinitamente menos aquinhoada pela sorte material. O ciúme fala mais alto, ela se enerva e chega ao ponto de contratar na surdina, por R$ 7 mil pagos em duas vezes, o detetive particular William Coelho de Oliveira para seguir o marido. No mesmo dia 17 de maio em que toma os serviços profissionais do detetive, Elize viaja para o Paraná deixando ordens expressas a uma das empregadas para municiar tanto a ela quanto a Oliveira com informações sobre os horários de saída de Marcos do apartamento. Retorna a São Paulo 48 horas depois. Vem então a noite fatídica: em meio a uma discussão no apartamento na qual ela teria sido ofendida verbal e fisicamente, e com uma pizza esfriando na mesa, Elize apanha uma pistola semiautomática .380 (ao contrário do que se disse não foi uma .765) e dispara um projétil (velocidade de 330 metros por segundo e alto poder de perfuração) na cabeça de Mauro. Entre policiais e amigos, comenta-se que o barulho do tiro não foi abafado porque os vidros do apartamento são à prova de som, como Elize declara, mas foi abafado, isso sim, porque ela teria se valido de um silenciador na arma. Revelado agora por ISTOÉ, a presença do silenciador contraria bastante a versão inicial de como o assassinato teria ocorrido – e há policiais que ainda insistem em descobrir como e onde Elize se desfez dele. Com o marido morto, ela coloca então em ação o seu plano para se livrar da polícia.
Todo o projeto que ela desenvolveu para não ser incriminada manteve-se em pé por apenas 15 dias. De acordo com especialistas criminais ouvidos por ISTOÉ, a peça-chave de sua estratégia foi um e-mail de 53 caracteres que ela enviou do endereço eletrônico do morto, e em nome do morto, como se ele estivesse vivo. A mensagem foi endereçada ao seu cunhado Mauro Matsunaga e nela se lê: “Avisa pra Elize e pra mamãe que eu to bem, só não posso falar agora.” Antes disso, no entanto, no dia 20 de maio, Elize desfez-se das partes do corpo que esquartejara e escondera dentro de sacos plásticos em três malas, na região da cidade paulista de Cotia onde um dos melhores amigos de Marcos, Horácio D’Abramo, tem um sítio ao qual o casal costumava ir frequentemente.
Enquanto “desovava” as partes do cadáver em diferentes pontos, Elize fez 15 telefonemas para a babá que ficara no apartamento cuidando de sua filha, conforme aponta o mapa de interceptação de seu celular, feita com ordem judicial. No dia seguinte Elize foi ao escritório do detetive que contratara para apanhar os CDs que ele gravara flagrando Marcos com a amante, e é aqui que se descobre um blefe: na noite do crime, antes de puxar o gatilho, Elize disse para Marcos que tinha em mãos imagens provando a sua traição. Diante disso Marcos a teria esbofeteado. Agora se sabe que, na verdade, até aquele momento, Elize não vira vídeo algum, apenas ouvira falar dele.
De posse do CD, ela parte então no dia 23 de maio para a essência do seu plano de despiste e dispara o e-mail falso para Mauro, em nome do morto e através de seu endereço eletrônico. Era a sua carta marcada para dizer que o marido ainda vivia e, a partir daí, passa insistentemente a alimentar a suspeita da polícia e de familiares de que ele fora sequestrado, tocando sempre na mesma tecla: Marcos enviara um e-mail para o seu irmão.
No dia 30 de maio, Elize telefonou desesperada para a residência de um dos padrinhos de sua filha, foi convidada a ir até ela para consolar-se e chegou por volta das 11 horas. Segundo depoimento desse padrinho, a que ISTOÉ teve acesso, de óculos escuros e muito abalada, Elize lhe disse que haviam localizado o corpo de Marcos com um tiro na cabeça. Também para essa residência foi Cecília Yone Nishioka, prima de Marcos e ex-namorada desse mesmo padrinho, após receber inúmeras chamadas de Elize em seu celular. Nesse encontro, Elize pediu a Cecília que a levasse à casa da mãe de Marcos, no que foi prontamente atendida. Lá também se falou sobre a identificação do corpo, Elize chorou e manteve a história de sempre. Desde então passou a conversar com Cecília quase que diariamente, inclusive sobre o velório, mas nunca abandonou o tema do sequestro – o que só viria mesmo a acontecer quando foi presa no dia 4 de junho. “Eu gostava muito do casal, só agora estou conseguindo dormir direito. Vivo um momento completamente sem expectativas e não sei quando verei novamente a Elize ou a criança”, disse o padrinho à ISTOÉ, pedindo que não fosse identificado. “A Elize deveria ganhar um prêmio de atriz, conseguiu enganar toda a família. Poderia ganhar o Oscar”, declarou Cecília em depoimento. Resta saber, agora, para quem Elize deu o primeiro telefonema após o assassinato, e isso a Justiça descobrirá em breve porque já determinou a quebra de seu sigilo telefônico. E resta saber, também, se Elize já estava atuando como atriz quando telefonou em abril para a Polícia Militar indagando se era crime trocar as fechaduras do apartamento numa oportunidade em que o marido estivesse fora dele, uma vez que desconfiava que estivesse sendo traída. Finalmente, será que Elize já era candidata à estatueta, à qual Cecília se refere, quando ligou para amigos no início de maio pedindo indicações de advogados de família e voltou a ligar no fim do mesmo mês querendo indicação de um advogado em direito penal, sem explicar o motivo do pedido? Entre um telefonema e outro, ela assassinou Marcos. E tentou então conseguir o impossível: com um e-mail falso, fazer de conta que nada acontecera no quarto da jiboia.
     Os passos da espionagem
Foi no dia 17 de maio que o detetive particular William Coelho de Oliveira começou a trabalhar para Elize Matsunaga na captura de imagens que provassem a traição de seu marido. Fixou o preço de seu trabalho em R$ 7 mil, parcelado em duas vezes. Isso consta de documentos aos quais ISTOÉ teve acesso na semana passada. Quarenta e oito horas depois, Marcos, o marido espionado, morreu com um tiro na cabeça, disparado pela própria Elize, e teve o corpo por ela esquartejado. O detetive Oliveira, que obviamente jamais desejou esse final trágico, conseguira flagrá-lo e gravara as cenas que a esposa tanto desejava e, ao mesmo tempo, tanto temia.
A pedido da própria contratante do serviço – que naquele mesmo dia viajara para o Paraná mentindo ao detetive ao dizer que iria para o interior de São Paulo –, a equipe de Oliveira a mantinha informada pelo celular sobre todos os passos do marido e também sobre as filmagens que ela exigia serem bastante nítidas. Na noite de 18 de maio, Marcos e a mulher com a qual ele traía a esposa, a garota de programa Nathalia, foram seguidos em um restaurante japonês. Ao saírem dele, rumaram para o Café Vipiteno, tradicional e sofisticado ponto de São Paulo. A última parada deu-se no hotel Mercure. Pronto, as imagens estavam concluídas e o trabalho feito. Oliveira admite, no entanto, que se sentiu surpreso quando, no dia 21 de maio, Elize esteve em seu escritório. A esposa do homem que ele seguira comunicou-lhe justamente o desaparecimento do marido, e falou da possibilidade, bastante concreta segundo ela, de que tivesse ocorrido um sequestro. Oliveira, imediatamente, fez-lhe perguntas básicas e se prontificou a ajudá-la em sua localização. Estranhou muito quando ouviu um não. Mais: ouviu que era para ele esquecer completamente o caso. Elize, é claro, sabia que Marcos já estava morto. O detetive, não.
     fotos: arquivo pessoal,  Diogo Moreira e reprodução/Folhapress; Futura Press e  Jefferson Coppola/Folhapress; reprodução